Considerado um dos mais talentosos atores da retomada do cinema brasileiro, Matheus Naschtergaele agora se projeta como um dos mais promissores diretores da nova geração (Foto: Flickr)

Com 41 anos e dezenas de papéis tanto na televisão quanto no cinema, Matheus Naschtergaele é um dos principais atores de uma geração que ficou marcada pela retomada do cinema brasileiro. Ele próprio é parte importante desta história, participando de longas como O que é isso companheiro? e Cidade de Deus. Recentemente, Matheus resolveu ir para o outro lado das câmeras e experimentar o desafio de dirigir um filme. O resultado deste trabalho foi o celebrado A festa da menina morta, premiado em Cannes e Gramado e que completa dois anos em 2010. Ele fala como foi realizar o filme e quais os seus planos para o futuro. A entrevista foi feita no início deste ano na passagem do artista em Porto Alegre para a divulgação do filme.

Nonada – Matheus, já foram feitos diversos filmes ambientados no Nordeste, no Pantanal e até mesmo aqui no Rio Grande do Sul, mas muito poucos na Amazônia. Isto pesou na hora de você escolher a temática do seu filme?

Matheus Naschtergaele – Isso pesou não na escolha da temática, mas da escolha da locação. Eu acho realmente que o Norte do país é muito pouco filmado, e acho que o cinema é um dos meios mais bonitos para o país se conhecer. Eu acho que nós temos que incorporar a Amazônia de uma vez por todas na nossa cultura. Assim como somos gaúchos, nordestinos, também temos que ser um pouco amazônicos, e isso pesou muito na hora de escolher a locação para o filme.

Nonada – Você disse que se inspirou no tema em 1999. Por quê demorou 11 anos para filmá-lo?

Matheus Naschtergaele – Primeiro porque a primeira vez que eu escrevi a versão de A festa da menina morta eu tive muita insegurança de mostrar às pessoas. Eu não tinha certeza de que era um bom roteiro. Aos poucos eu fui tomando coragem e o roteiro foi sendo bem recebido. Em 2001 a gente ganhou um edital do Procine para desenvolver o roteiro, e em seguida, na Holanda a gente ganhou dinheiro para desenvolvê-lo ainda mais. Era preciso que eu tivesse muito seguro para contaminar uma equipe tão grande e juntar dinheiro para realizá-lo. Eu acho que a gente vive num país pobre e, infelizmente, é muito difícil de fazer um filme no Brasil. É preciso que você esteja muito certo que seu filme dê certo, para juntar pessoas e ser feliz fazendo aquilo.

Nonada Matheus, você aborda uma temática bastante delicada que é a religião. Como você mesclou as diferentes fés brasileiras em apenas uma?

Matheus Naschtergaele – Eu procurei inventar uma seita que reunisse de alguma forma, sem ser uma tese chata, as diferentes formas de fé do Brasil. Então eu busquei elementos do catolicismo, do candomblé, da umbanda, da pajelança indígena, que era muito importante pra mim, tanto que fui para Barcelos, há 400 km de Manaus, onde ainda há pajés atuando. Também mesclei o espiritismo e as novas religiões evangélicas. Eu queria que A festa da menina morta fosse um amálgama das diversas religiões que caracterizam a fé no Brasil, que também é mestiça. Aqui você encontra um judeu que é espírita, um católico que também tem santos no candomblé, um pajé que vai a missa aos domingos. Isso pra mim é a cara do Brasil, e gostaria que A festa da menina morta tivesse estas várias nuances, sendo uma fé que representasse nossa fé como um todo.

Nonada – Matheus, vendo este filme hoje, dois anos após ele estar pronto, o que você gostaria de ter feito diferente?

Matheus Naschtergaele – Realmente eu faria algumas coisas diferentes. Eu tenho aprendido um pouco o que é o filme através da retina das pessoas. O filme tem uma história muito bonita, estreou em Cannes em 2008, que é um festival muito profissional. A festa da menina morta entrou na mostra Um certo olhar, que é uma exibição de filmes de arte no festival. Eu tenho aprendido com o lançamento comercial do filme muitas coisas a mais. As coisas que eu deixei de fazer neste filme eu vou tentar fazer no segundo. A estréia tem muito disso, é o primeiro vôo, a primeira emoção. É como uma gaivota que vai pela primeira vez aos céus: ela se debate, cai um pouco, mas segue o seu rumo. Eu acho que A festa da menina morta voou. Eu sei que um filme de arte tem uma recepção tímida, a mídia paga não deve ser muito grande. Eu dependo muito do boca-a-boca, do interesse das pessoas. Acho que o fato dele ser premiado em festivais dentro e fora do Brasil ajudou muito na divulgação, mas ainda falta dinheiro para algumas coisas. Se eu tiver fôlego, daqui a alguns anos eu trago para vocês algum material novo.

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

2 comentários em “Do outro lado das câmeras”

  1. O Matheus é um grande diretor, o filme é fantástico e a iniciativa de manter um site como este é digna de aplauso, especialmente quando os editores e repórteres são todos estudantes. Mas, amigos, é preciso mais cuidado na revisão: há vários erros gramaticais espalhados pela entrevista. Se vocês prestarem mais atenção a aspectos assim, o Nonada vai ganhar muito mais qualidade. Abraço.

  2. Vinicius, muito boa a entrevista. Alias, todo o site está muito bem estruturado e interessante. Parabéns a todos vocês que se dedicaram para torná-lo realidade. Continue postando, eu e a mãe estamos divulgando. Sucesso pra você

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *