Galerias de arte virtuais criam novas oportunidades para artistas (Foto Mariana Sirena - Exposição O Beijo)

O pixel engole a gota de tinta. Imagens viajam milhas e milhas em volta do globo. A obra de arte desprende-se de ambientes físicos para ser reproduzida nas vistas de qualquer pessoa com acesso a um aparelho conectado à rede. Um jovem de Hong Kong admira uma Madonna de DaVinci exposta no Louvre sem nem mesmo sair de casa. Essas são situações que a internet tornou cotidianas e que transformam o fazer e o perceber das artes visuais.

O avanço da informática não interfere apenas no alcance das imagens. Conforme a professora do curso de Artes Visuais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Ana Albani, “existe uma mudança muito significativa nas nossas relações com a imagem, a partir do computador”. Ela acredita que ainda é cedo para compreender como essa mudança incide na relação entre obra de arte, espaço e espectador, mas compreende que o assunto relaciona-se com as noções de quantidade e de velocidade.

Assim como a evolução dos processos de impressão, de reprodução de imagens e de tele transmissão que já acontecem há décadas, a web multiplica as informações visuais em circulação. As obras de arte aparecem nesse meio complexo inseridas em galerias e acervos virtuais, materializáveis em qualquer lugar do planeta. O computador enquanto banco de imagens permite usos didáticos e, como vem acontecendo, comerciais.

Novas oportunidades para artistas? Possibilidade de ampliação de acesso às Artes? Novos tipos de questionamento dos espaços tradicionais de exposição? Mudanças de atitude do público desse setor? São algumas das questões que se rascunham entre pixels e wwws quando o assunto é a disseminação de imagens em ambiente virtual. 

Spiral Jetty, do artista Robert Smithson, é uma das mais famosas obras da land art, realizada no deserto de Utah

Além das paredes das galerias É difícil pensar nas galerias virtuais sem questionar a autonomia delas em relação ao ambiente físico tradicional. Ana Albani lembra que foi ainda na década de 1960 que artistas da land art começaram a pensar a sua atuação para além das paredes das galerias e museus. Estes artistas faziam obras no meio de desertos, perto de rios, campos e lugares inabitados – intervenções artísticas que não poderiam ser aprisionadas em salões. A proposta da land art era justamente esta: integrar a obra de arte a um espaço não institucionalizado pelo sistema artístico.

A postal art, que despontou no mesmo período, também propunha uma nova forma de expor as obras motivadas pela troca de correspondências, e não por exposições fechadas. Em movimentos como o surrealismo e o dadaísmo, já eram questionados os espaços tradicionais de exposição. Portanto, não é de hoje que artistas tentam trabalhar fora dos lugares pré-estabelecidos enquanto espaços de arte. No fim das contas, a internet ainda mostra-se mais como um novo nicho de mercado de arte e de divulgação do que como um espaço de crítica deste sistema.

Segundo a professora Ana, contudo, existe um caminho de questionamento que os artistas visuais podem tomar, que é justamente o da crítica ao caráter espetacular que a questão da imagem ganhou na sociedade contemporânea, influenciada pelo avanço da informática. “Se produtos como os games, séries e videoclipes são super rápidos, se tudo é espetacular, talvez as artes visuais que continuam no mundo físico, ou mesmo o que seria o lado artístico do trabalho com essa linguagem do computador, deveriam investir na lentidão, num certo tédio, ir na contracorrente. Porque esse é o papel da arte: desestabilizar, incomodar, criar uma nova linha de pensamento”, afirma.

Novo nicho de mercado Marga Pasquali, diretora da galeria Bolsa de Arte de Porto Alegre, conta que começou a usar computador no trabalho com as artes visuais ainda na época em que a imagem aparecia em preto e branco na tela. Isso se deu em meados da década de 80. No fim dos anos 90, percebeu que era necessário criar o site do empreendimento. Hoje ele contabiliza mais de 3.500 acessos mensais, e vai passar por uma nova atualização em breve.

Marga Pasquali é galerista da Bolsa de Arte, que mantém um site com reproduções de obras (Foto de Mariana Gil)

Importantes nomes do meio artístico estão espalhados pelos ambientes virtuais e físicos da Bolsa de Arte. Para quem passeia pela galeria, impressionam os detalhes das obras expostas, como a técnica e o tamanho – detalhes que a reprodução virtual das mesmas não consegue abarcar, a não ser por indicações textuais. Mas Marga acredita que estas diferenças entre o físico e o virtual não devem preocupar, pois a galeria virtual tem uma função bem diferente da física, de acordo com interesses e motivações dos próprios internautas.

“As pessoas que não conhecem os artistas que expomos passam a ter uma ideia do que é a nossa galeria a partir do site. Já as pessoas que conhecem, e que sabem exatamente o que querem adquirir e apreciar, tomam as imagens do site como referência, pois já sabem como é o acabamento e a técnica dos nossos artistas”, comenta a galerista. A questão da dimensão de tamanhos das obras é trabalhada através da publicação de fotografias de dentro da galeria no site.

 

Lydia Himmen, curadora da Plus Galeria, investe na atuação pela internet (Foto de João Augusto)

Diferentemente da Bolsa de Arte, que mantém um site como referência, já existem galerias que atuam apenas pela rede. É o caso da Plus, criada em maio desse ano como uma loja de arte www, ou seja, uma loja de trabalhos em arte que atua primordialmente em ambiente virtual. Lydia Himmen, diretora da galeria, comenta que as limitações da exibição de imagens pela internet impõem-se, mas que não se configuram como um problema na venda: “Se você se apaixonou pela obra no site, pode ter certeza de que a paixão vai virar amor logo no primeiro encontro, quando ela chegar. É sempre muito melhor ao vivo, claro. Nenhuma máquina fotográfica ou scanner, por melhores que sejam, conseguirão captar todas as nuances de uma obra de arte. Ainda assim, pode-se ter uma boa noção”, afirma. A Plus já nasceu com preocupações próprias do mercado pela web. É bilíngüe e oferece frete grátis para todo o Brasil.

A professora Ana Albani também ressalta os aspectos positivos das galerias de arte que focam o seu trabalho na internet, acreditando tratar-se de “um outro nicho de mercado, uma outra possibilidade de trabalho que não elimina a outra, a das galerias físicas”. Ela acredita que “cada uma está indo pelo seu caminho, e tem cruzamentos”. Lydia Himmen, na mesma linha de pensamento, comenta que é bobagem pensar que a internet pode esvaziar museus e galerias: “O físico é físico e ponto. Teremos versões físicas da Plus, chamadas Pockets, primeiramente em Goiânia, que é onde eu moro agora. Nada impede de acontecer em outros lugares. A Plus é uma soma de parcerias que acontecem o tempo todo”.

O Sistema Artístico Não há dúvidas de que a web multiplica as oportunidades para os novos artistas divulgarem os seus trabalhos, abrindo portas no mercado das obras de arte. Porém, não há um consenso sobre os limites dessas novas formas de exposição dentro do sistema artístico, até mesmo quando se fala em consolidação da imagem de um artista.

Uma vez que o trabalho está online, e portanto acessível a partir de qualquer lugar, surgem mais facilmente as possibilidades de convites de instituições culturais. Quem observa é a professora e pesquisadora do Instituto de Artes Visuais da UFRGS, Sandra Rey. Mas ao mesmo tempo ela se diz cética quando o assunto é a venda direta de obras pela internet: “Para um artista ter sucesso comercial não basta simplesmente mostrar o trabalho. Esse trabalho tem que ser reconhecido no sistema, e esse reconhecimento passa pelo crivo dos especialistas, por curadorias, por salões, por bienais”. A professora complementa afirmando que o artista tem que saber como inserir a sua produção dentro deste sistema artístico, e para isso não existe fórmula.

Ao mesmo tempo, Sandra reconhece a influência do contexto que o computador no fazer das Belas Artes. Na própria faculdade em que leciona e pesquisa, ela observa a ampliação de possibilidades de investigação no processo de criação com o uso das ferramentas do computador: “Mesmo os estudantes que se interessam mais pelas categorias tradicionais da Arte, como a pintura, a gravura e o desenho, no momento em que eles passam por laboratórios para trabalhar com o tratamento de imagens e experimentar a reversibilidade do processo, eles também exponencializam as possibilidades nos meios materiais”.

Entre pixels, pinceladas, e todas as possibilidades técnicas e criativas das quais os artistas dispõem, as artes visuais vão configurando-se nos nossos tempos, nos espaços físicos e também pelas tramas da web. Afinal, como lembra a professora Sandra Rey, “a produção artística é sempre resultado da conjunção da subjetividade do artista, de questões culturais e também do desenvolvimento da ciência e da técnica”. Difícil é o artista não se adentrar nessa teia, ou por ela ser de alguma forma influenciado.

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

Um comentário sobre “Entre pixels e pinceladas”

  1. Parabéns pela matéria! Não conhecia as galerias online. Que ideia sensacional! E o texto bem instigante, principalmente pra mim, formada em Belas Artes em 1980, quando o computador era práticamente inacessível… Fazíamos artes finais a mão… Gostaria de saber mais sobre os laboratórios para trabalhar com tratamento de imagens, citado pela Sandra Reys. Nossa, a mudança tem sido vertiginosa nas últimas décadas! Preciso me manter mais atualizada. Qualquer novidade, gostaria de saber. Meu e-mail está no campo requerido. Mais uma vez parabéns à todos pelo belo trabalho.

    Um abraço,

    Luiza Pessoa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *