Texto: Daniel Sanes

Fotos: Fernando Halal (halalson@yahoo.com.brhttp://www.flickr.com/fernandohalal)

Os saudosistas que sentiam falta da efervescente cena rock dos anos 80 em Porto Alegre não têm mais do que reclamar há muito tempo. Se o número de shows internacionais na capital – mesmo com um crescimento significativo nos últimos anos – ainda é considerado baixo pelos mais exigentes, não se pode dizer que faltem boas opções locais para os roqueiros gaúchos.

Felizmente, há demanda para isso. Que o digam Gulivers e Cartolas. As duas bandas se apresentaram no dia 28 de outubro e, mesmo em uma quinta-feira, na iminência de um feriadão, quase lotaram o Verde Club.

Divulgando seu disco de estreia, os Gulivers fizeram um show de abertura redondo e sem firulas

Os Gulivers subiram ao palco conscientes de que grande parte do público estava ali pela atração principal. Afinal, mesmo tendo cinco anos de estrada, a banda só lançou seu primeiro álbum, Em Boas Mãos, há cerca de três meses, o que faz com que ela seja uma novidade para muitos dos que foram ao show.

E já é possível notar diferenças entre as apresentações anteriores ao disco e as atuais. Mais confiantes e afiados no palco, os Gulivers fazem um show redondo  e sem firulas, preocupando-se somente com o que realmente interessa: a música. Algumas canções, naquele estilo “rock gaúcho britânico”, já são cantadas pela galera, como Amigo Macaco e Ausente. Prova de que, aos poucos, com um “trabalho de formiguinha”, o grupo está conseguindo arrebatar novos fãs a cada show.

Entre as diversas bandas porto-alegrenses influenciadas pelo britpop, os Cartolas, sem dúvida, estão entre as mais criativas. Com letras que parecem que não vão encaixar nas estrofes, mas que sempre acabam encaixando, e bem – cortesia do guitarrista Dé Silveira –, o grupo merecia ter mais reconhecimento fora do Rio Grande do Sul. É verdade que gravou seu primeiro disco, Original de Fábrica , ao vencer um festival fora do Estado, o Claro que é Rock. Mas depois disso parece que o mercado externo encolheu um pouco para os caras, que não deixariam nada a desejar em uma “disputa” com bandas como Cachorro Grande e Pública, por exemplo.

Alheios (ou não) a isso, os Cartolas esbanjam carisma quando sobem ao palco. O que é um tanto paradoxal, considerando a postura a la Liam Gallagher – veja bem, não estamos falando de arrogância – do vocalista Luciano Preza. Com danças esquisitas e eternamente de óculos de sombra, o cara é um show a parte.

Um tanto mais lento que seu antecessor, Quase Certeza Absoluta já caiu nas graças dos rockers de Porto Alegre. Partido em Franja, Meu Bem e o Assovio e O Divórcio (aqui sem a especialíssima participação de Izmália) conquistaram lugar, arrisco a dizer que cativo, no repertório da banda.

Mesmo numa quinta-feira, show dos Cartolas levou um bom público ao Verde Club

Mas é claro que as primeiras músicas, aquelas que tornaram os Cartolas conhecidos, ainda sejam as mais esperadas pelo público. Realmente seria um absurdo imaginar um show dos caras sem o O Rabugento, Acusações Baratas, Que Diabos Tu Tem Dentro da Cabeça? e a inevitável Cara de Vilão. Grande banda, grande show e a certeza de um amanhecer de sexta-feira mais feliz, mesmo para quem tinha que acordar cedo.

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *