O economista Mauro Salvo atribui a existência do mercado de obras de arte roubadas à grande rentabilidade do processo.

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta