A Bienal de São Paulo foi a 12ª exposição mais frequentada do ano passado (Crédito: Divulgação)

A notícia surpreendeu os descrentes na frequência dos brasileiros em museus e eventos de arte: um ranking desenvolvido pela revista inglesa “The art newspaper”, considerada uma das principais fontes sobre arte, revela que os museus do Brasil estão entre os mais freqüentados do mundo em 2010, e as exposições brasileiras estão entre as mais populares.

O Instituto Brasileiro de Museus do Ministério da Cultura (Ibram/MinC) realizou a pesquisa para a publicação inglesa. É a primeira vez que o país participa deste ranking.

A 29ª Bienal de São Paulo aparece como a 12ª exposição mais vista do mundo no ano passado, com um público de 535 mil visitantes. As mostras Islã (445.598 visitantes), Regina Silveira – Linha de Sombra (477.106) e Rebecca Horn (313.756), todas organizadas pelo Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro, vêm logo na sequência. O Mundo Mágico de Escher, do CCBB Brasília, e a Expedição Langsdorff, do CCBB São Paulo, também aparecem na lista entre as cem exposições mais visitadas.

O Louvre de Paris lidera o ranking de museus mais frequentados em 2010, deixando o British Museum de Londres em segundo lugar e o Metropolitan Museum of Art de Nova Iorque em terceiro. O CCBB Rio aparece em 14º lugar, à frente de afamadas instituições como o Museu Reina Sofía de Madrid (15º), onde está a Guernica de Picasso, a Galleria degli Uffizi de Florença (20º), que abriga obras primas como “O nascimento de Vênus” de Botticelli, e o Van Gogh Museum (23º) de Amsterdam, detentor de boa parte da produção do artista holandês.

O Ibram está preparando um sistema de informações a ser lançado nos próximos 45 dias que fornecerá dados para o acompanhamento constante em relação à visitação das instituições brasileiras. Os critérios das pesquisas são similares aos adotados pela “The art Newspaper”.

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *