Fotos: Fernando Halal

Quem realmente gosta de música sabe que a qualidade de um show não se mede pela quantidade de efeitos especiais ou pelo tamanho do palco. Se o som não for bom, não há produção que salve.

Quarteto britânico fez um show impecável - mesmo que curto - nesta quinta-feira, no Beco 203

E foi com um show simples, sem uma megainfraestrutura por trás, que o Metronomy cativou os gaúchos nesta quinta-feira, 1º de setembro. Incensado pela mídia alternativa como uma das melhores bandas surgidas nos últimos anos no cenário indie, o grupo britânico se apresentou em Porto Alegre para um público apaixonado por musica. E, mesmo diante de uma plateia supostamente exigente, conseguiu emocionar – e se emocionar.

Pontualmente as 23h30min, o quarteto sobe ao palco do Beco203 e manda “We Broke Free”, segunda faixa de seu mais recente disco, The English Riviera. Em seguida, emenda “Love Underlined” e “Back on the Motorway” – esta do segundo álbum, Nights Out –, diante de uma plateia alucinada e ao mesmo tempo atônita com o que está assistindo.

Chamar o Metronomy de electropop ou qualquer outro subestilo é quase uma ofensa. Não é fácil rotular o som da banda, tal a ousadia e a quantidade de influências condensadas no – desculpem o chavão – caldeirão musical de Joseph Mount e seus amigos. Aliás, a eclética formação do grupo já demonstra o quão longe da obviedade está o som do Metronomy. Mount é um líder carismático, mesmo com sua notável timidez. No entanto, todos os integrantes chamam a atenção pela performance no palco: o baixista Gbenga Adelekan, sem duvida, é o mais estiloso; o tecladista e saxofonista Oscar Cash, com suas dancinhas inusitadas, o mais engraçado; já a baterista Anna Prior, mesmo ficando no fundão, se destaca pelo modo agressivo de “espancar” o instrumento, contrastando com seu jeito discreto.

Até a ordem do setlist é digna de elogios, começando com músicas cadenciadas e aumentando o ritmo aos poucos. Na quarta faixa, a megadançante “Holiday”, o Beco vem a baixo. Nela, as esferas que os músicos carregam no peito se iluminam e mostram que uma boa dose de criatividade pode superar orçamentos milionários em termos de impacto visual.

O show segue com “She Wants” e o primeiro grande hit da noite, “Heartbreaker”, cantada em coro e de cabo a rabo. A empolgação aumenta ainda mais com “The Bay”, apontada por várias publicações respeitáveis como a música do ano. Se é ou não, pode-se discutir, mas no momento em que ela foi tocada deu pra sentir alguns leves tremores no chão.

Joseph Mount, a mente por trás do Metronomy, se emocionou com o público gaúcho

Com o público na mão, Mount, que se revezava entre o teclado e a guitarra, puxa o riff punk da instrumental “You Could Easily Have Me” – a única do primeiro disco, Pip Paine (Pay the £ 5000 You Owe), a ser tocada. “The End of You Too” também provoca suspiros dos fãs de carteirinha, mas em “Corinne” é possível concluir que English Riviera, lançado este ano, já é o disco mais popular do Metronomy. Com méritos, é bom dizer.

O show termina com uma trinca sensacional: “A Thing for Me”, “The Look” e “On Dancefloors”. Antes desta última, Mount se diz surpreso com a receptividade que teve no Brasil (a banda já havia tocado em São Paulo e depois seguiu para o Rio de Janeiro). “Vocês são o povo mais lindo que eu já vi”, afirma, quase chorando. Ok, pode ser que o cara diga isso em todos os países, mas com uma lágrima rolando no canto do olho é difícil não crer em sua sinceridade.

Menos de meio minuto após sair do palco, o quarteto retorna para o bis, que começa tranquilo, com a quase bossa “Some Written”, e termina com a arrasa-quarteirão “Radio Ladio”. Um aspecto negativo? Foram apenas 70 minutos de show.

Acaba o show em cima do palco, porque, fora dele, continua. Da boca do próprio Joseph Mount: “quando era menor, achava que quinta-feira era melhor que sexta”. Pelo que parece, segue achando, já que ele e seus amigos permaneceram no Beco durante a madrugada, bebendo cerveja, dançando e tirando fotos com todos que arriscassem duas palavrinhas em inglês. É, amigos, além de fazer música criativa e ousada, o Metronomy ainda faz questão de que seus fãs se sintam íntimos da banda.

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *