Emmerson Nogueira executou o melhor do rock n' roll em versão acústica

Fotos: Liny Rocks

Por mais que aparente uma simplicidade rara aos artistas de renome nacional, a história de Emmerson Nogueira é bastante inusitada. O cantor mineiro, que aprendeu a tocar violão sozinho aos quinze anos de idade, especializou-se em interpretar músicas em inglês após passar uma temporada nos Estados Unidos. No seu retorno ao país, o estilo acústico dado ao rock n’ roll dos anos setenta e oitenta proporcionou a Emmerson um contrato com a conceituada Sony/BMG e dez títulos – entre CD’s e DVD’s – até o momento.

Entretanto, é ao vivo que Emmerson Nogueira vem consolidando a sua carreira, mesmo que “Versão Acústica 3” (2003) e “Versão Acústica 4” (2009) tenham conquistado discos de ouro por ultrapassarem a marca de cem mil cópias vendidas cada. Com um repertório amplo e recheado de hits que marcaram duas décadas, sobretudo os anos oitenta, o intérprete mineiro retornou à capital gaúcha para mais um belíssimo show. O músico, que costuma aparecer com frequência na mídia, lotou novamente o Teatro do Sesi, justamente um ano após passar pela última vez por aqui. Não há dúvidas de que o público heterogêneo que compôs os três setores da casa saiu extasiado da FIERGS após duas horas de muito rock n’ roll acústico perfeito para se ouvir sentado.

A abertura do espetáculo principal, proporcionada pelo igualmente mineiro Gleison Túlio, impressionou muita gente e pode ser apontada como um destaque à parte. Com um estilo bastante excêntrico de tocar a sua guitarra acústica, o músico arrasou com versões para “Another Brick on the Wall” (Pink Floyd) e “Let It Be” (The Beatles). A performance aparentemente agressiva com o instrumento de seis cordas e a voz extremamente marcante de Gleison Túlio contornaram a sua breve passagem pelo palco do Teatro do Sesi.

Gleison Túlio foi mais do que apenas um coadjuvante
Gleison Túlio foi mais do que apenas um coadjuvante

Para a surpresa de muitos, Emmerson entrou em cena imediatamente após a saída de Gleison, precisamente às 21h05. A curta instrumental “Nucleus” serviu de aperitivo para o que viria depois – uma versão sensacional de “Breakfast in America”. A banda de Emmerson Nogueira (vocal e violão), formada por Marcos Falcão (violão), Fabinho Ferreira (baixo), Felipe Grillo (teclado), Zé Mario (bateria), Luciano Baptista (gaita) e Vanessa Farias (voz de apoio), proporcionou ao hit do Supertramp uma roupagem mais forte do que a música original. Na sequência, “Africa” (Toto) manteve o show interessantíssimo a partir de como Vanessa Farias conduziu o vocal da faixa.

O estilo acústico de Emmerson Nogueira – que privilegia uma abordagem refinada e bastante cadenciada – criou um ambiente contemplativo dentro do Teatro do Sesi. O público, que permaneceu sentado durante todo o show, pouco se aventurou a cantar junto com a estrela da noite. O som de qualidade impecável aliado à montagem do palco – sobretudo no que se refere à iluminação – criou o ambiente perfeito para se acompanhar o espetáculo apenas com os olhos. No entanto, o público arriscou um pouco e acompanhou Emmerson durante a dobradinha “Horse with No Name” e “Ventura Highway” (com um trechinho inclusive traduzido para o português) do America. O resultado foi excelente.

Em seguida, o primeiro pequeno deslize da noite. A voz de Emmerson Nogueira não se encaixou perfeitamente ao estilo bastante peculiar de Rod Stewart em “I Don’t Wanna Talk About It”. O mineiro possui consciência disso e até modificou um pouco o refrão para não precisar atingir o tom mais alto. Porém, a verdade é que o público pouco se importou e ainda aplaudiu quando Emmerson emendou à faixa de Stewart um pequeno trecho de “Metamorfose Ambulante” (Raul Seixas). O estilo sertanejo da música mineira começava a aparecer aos poucos no repertório e encontrou em “Mrs. Robinson” (Paul Simon) e em “Kayleigh” (Marillion) provavelmente o ápice do folk de raiz nacional. A faixa funcionou muitíssimo bem e se contrapôs ao resultado apenas mediano de “Eu Sei” (Legião Urbana” –  outro pequeno (e último) deslize cometido por Emmerson durante duas horas de espetáculo.

A inclusão do regionalismo mineiro ao rock n’ roll dos anos setenta e oitenta é provavelmente o toque mais pessoal proporcionado pelo show totalmente desplugado de Emmerson Nogueira. Não por acaso que “Mercedes Benz” (Janis Joplin) ganhou uma cara bem southern rock. Depois de um trecho de “I Want to Break Free” (Queen), o grupo batizado de Versão Acústica por Emmerson executou outra interessante faixa do Supertramp: “Give a Little Bit”.  Impressionante como as músicas da dupla Roger Hodgson e Rick Davies funcionam na voz do intérprete mineiro. Certamente esse foi outro destaque do show.

Em seguida, Emmerson optou por dar uma pequena pausa à sequência de hits para executar outra música de autoria própria. A faixa instrumental tocada com uma viola caipira ganhou contornos quase que psicodélicos com a performance da banda completa sobre o palco. Embora tenha soado muitíssimo bem ao vivo, não é essa a proposta de Emmerson Nogueira. A dobradinha “Shine on You Crazy Diamond” e “Wish You Were Here”, do Pink Floyd, emocionou uma parcela considerável da plateia gaúcha, que ainda acompanhou uma magnífica versão de “Hotel California” (Eagles). Os aplausos foram intensos e confirmaram o que os fãs esperavam de Emmerson Nogueira.

Impressionante a quantidade de hits que o intérprete mineiro emendou durante o seu espetáculo. A faixa “Show Me the Way” (Peter Frampton) foi intercalada com dois pequenos trechos de “Primeiros Erros (Chove)” (Capital Inicial) e “Me Chama” (Lobão). A sacada de usar a palavra “chuva” para conectar as duas músicas brasileiras foi simplesmente genial. Em seguida, Gleison Túlio retornou ao palco para, acompanhado de Emmerson Nogueira, comandar outro grande destaque da noite: a versão acústica de “Sweet Home Alabama” (Lynyrd Skynyrd). Entre aplausos mais fervorosos, o convidado ainda cantou e claramente destruiu na guitarra em “With or Without You”, dos irlandeses do U2. Não há dúvidas de que Gleison não foi apenas o coadjuvante da noite. Por diversos momentos ele assumiu o local de destaque e fez miséria nas seis cordas em uma performance individual que misturou trechos de “Bad” (Michael Jackson) e “Satisfation” (The Rolling Stones).

Emmerson Nogueira homenageou os gaúchos no encerramento do show

No palco ainda, Gleison Túlio acompanhou Emmerson Nogueira em uma dobradinha do Creedence Clearwater Revival: “Have You Ever Seen the Rain” e “Proud Mary”. O público interagiu bastante com os músicos e inclusive chegou a cantar sozinho o refrão da música que foi imortalizada anos depois por Tina Turner. O encerramento do show – sem Gleison no palco – foi com uma bonita versão da clássica “Every Breathe You Take” (The Police). As exatas duas horas de show foram finalizadas no bis com o tema de filme hollywoodiano “You are so Beautiful” (Joe Cocker) e com a surpreendente homenagem ao público gaúcho com “Deu Pra ti” – da dupla Kleiton & Kledir.

De certo modo, Emmerson Nogueira pode até ser criticado por fazer sucesso apneas executando músicas de renome e de apelo internacional. No entanto, todo o prestígio se mostra condizente com o bonito espetáculo que o intérprete mineiro proporciona aos olhos e aos ouvidos do público. Nas mãos de Emmerson, o rock de duas ou três décadas atrás se torna acústico e atraente a um público mais amplo – e é essa a grande virtude do músico. No fim, a plateia aplaudiu de pé, o que justamente comprova o quanto o repertório de Emmerson Nogueira atrai e agrada muita gente – inclusive os mais céticos.

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *