Punk e metal, os dois estilos mais extremos do rock (isso sem contar os subgêneros inseridos neles), sempre andaram lado a lado. Mesmo com eventuais rixas entre carecas e cabeludos no passado, hoje a realidade é outra.

Jerry Only (c) é o único remanescente da formação original do Misfits (Crédito: Divulgação)

O radicalismo diminuiu muito graças ao pioneirismo de algumas bandas, que conseguiram aliar a sonoridade de ambos os estilos. Duas delas estarão em Porto Alegre na próxima quarta-feira, 25 de abril, no Teatro do Bourbon Country: Anthrax e Misfits. Os primeiros, que estão no chamado “big four” do thrash metal (junto com Metallica, Slayer e Megadeth), têm muita influência do punk e do hardcore em suas músicas, e já gravaram até rap – pesado, é claro. Já o Misfits acelerou o punk, acrescentou a ele uma temática e um visual de filmes de terror e assim caiu nas graças de muitos headbangers.

Encarnação humana do mascote Fiend Skull (certamente um dos símbolos mais famosos do rock), o baixista Jerry Only só assumiu os vocais após a separação do grupo, nos anos 80. Com a saída definitiva de Glenn Danzig, o nome Misfits foi alvo de uma disputa judicial, vencida por Only. Quando a banda de Nova Jersey voltou à ativa, em 1995, Michael Graves foi o vocalista escolhido, mas depois abandonou o barco também. Após outras tentativas frustradas, Only, hoje o único integrante original do grupo, resolveu encarar o microfone, estreando na função no álbum Project 1950, de 2003.

Em Porto Alegre, os fãs poderão conferir muitas faixas de The Devil’s Rain, lançado em 2011, e, claro, muitos clássicos. A seguir, o próprio Jerry Only dá uma prévia do que os brasileiros podem esperar dessa turnê em parceria com o Anthrax.

Nonada – Como vocês decidiram unir bandas de diferentes estilos na turnê? Você acha que ainda há algum ranço entre o publico do punk e do metal hoje em dia?

Jerry Only – Eu acho que o punk é simplesmente um metal bem rápido, com menos notas e menos acordes! (risos)

Nonada – Qual será a banda de abertura, e como vocês definiram isso?

Only – Em nossa Resurrection Tour, em 1996, o Anthrax nos honrou fazendo o número de abertura. Agora é a nossa vez. Cada banda é um headliner em seu próprio rito. O mais importante é que o ego não tem nada a ver com isso. Os shows são tudo o que importa para os fãs, e nós estamos todos concentrados nesse propósito.

Nonada – Os Misfits estão na estrada desde o final dos anos 70. Quanto tempo mais você acha que a banda vai continuar nesse ritmo?

Only – Esta é minha vida, e isso é o que eu sou. Nós vamos continuar a fazer o que fazemos enquanto conseguirmos fazer isso bem.

Nonada – O que os brasileiros podem esperar dessa turnê? Dá para adiantar alguma coisinha sobre o setlist?

Only – O set começa com o material mais novo. Eu gosto de ver a reação das pessoas diante das músicas novas logo de cara. Me passa um sentimento sincero em relação ao que estamos trabalhando agora. Então, depois disso, nós vamos para o material clássico, incluindo “She”, que é a primeira música que eu aprendi, enquanto Glenn ainda tocava teclados! Nós tocamos músicas dos álbuns American Psycho e Famous Monsters, mais algumas do novo, The Devil’s Rain, e então “Halloween” e por aí vai. A partir disso, eu tendo a escolher canções que eu acho que os fãs irão curtir, baseado na reação deles durante o show. Eu deixo o final do set nas mãos da galera. O único problema disso é ter certeza de que a banda conheça as músicas e esteja pronta para tocá-las! (risos) Nós encerramos com “Die, Die My Darling”, como usual. É quando “Elvis deixa o recinto”…*

* “Elvis leaves the building” era uma expressão usada pelos organizadores dos shows do rei do rock para fazer com que o público, na esperança de mais um bis, finalmente fosse para casa.

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *