Filmes românticos, filmes sobre relacionamentos, filmes que falam sobre o começo e sobre o fim de uma vida a dois. Foi difícil, mas escolhemos alguns dos longas mais representativos e queridos do gênero, pelo menos para nós. Definimos a nossa lista em doze filmes, sendo que cada editor do Nonada selecionou quatro produções. Mas como a tarefa foi muito complicada adicionamos três bônus, sabe como é. Aliás, falamos sobre a nossa lista no podcast dessa semana, escuta aqui. Bons filmes!

Thaís Seganfredo

O Fabuloso Destino de Amélie Poulain, de Jean-Pierre Jeunet (2001)

amelie-poulain-620x305São tempos difíceis para os sonhadores. A protagonista desta comédia romântica dirigida por Jean-Pierre Jeunet sabe bem disso, sonhadora nata que é. Eternizada pela atriz Audrey Tautou, Amélie Poulain é uma tímida mulher parisiense que se contenta em apreciar os pequenos prazeres da vida – como mergulhar a mão em uma cesta cheia de grãos, por exemplo – e ajudar as pessoas que a cercam a encontrarem a felicidade. Até o dia em que ela conhece Nino Quincampoix (Mathieu Kassovitz), por quem se apaixona. A partir daí, em meio aos belos tons de verde, vermelho e amarelo da película embalada por uma linda trilha sonora, Amélie apresenta seu jeito peculiar de se aproximar do rapaz, enviando recados e deixando pistas para ele a seguir. E é com a delicadeza e a paciência de quem sabe apreciar cada pequena experiência da vida que Amélie nos encanta e nos faz acreditar que, afinal, os tempos não precisam ser tão difíceis assim.

Encontros e Desencontros, de Sofia Coppola (2003)

lost-in-translation-scarlett-johansson-and-bill-murrayA cidade de Tóquio é o cenário escolhido por Sofia Coppola para narrar a história de duas pessoas passando por um momento de crise e que encontram conforto na companhia um do outro. A trama já foi vista em outras obras, mas se torna única através do olhar sensível de Sofia, que projeta um filme melancólico, mas de certa forma acolhedor. Formada em Filosofia, Charlotte (Scarlett Johansson) não sabe o que fazer da vida e está em Tóquio acompanhando o marido fotógrafo que não lhe dá atenção; Bob (Bill Murray) é um ator famoso em decadência cada vez mais isolado de sua família. Eles se conhecem no hotel em que estão hospedados e começam a compartilhar suas angústias, esquecendo a vida solitária que levam por alguns momentos. Um desses instantes é uma cena marcante em um karaokê, no qual as músicas escolhidas são quase uma previsão do destino que os aguarda. Encontros e Desencontros não é bem a história de um casal, mas de duas pessoas que emocionalmente se encontram e se entendem, e o resultado que fica é uma conexão profunda e verdadeira entre eles.

O Filho da Noiva, de Juan José Campanella (2001)

El-hijo-de-la-noviaRafael (Ricardo Darín, excelente como sempre) é um homem de 40 anos que trabalha muito e ama pouco. Preocupado com os negócios da família, ele mal tem tempo para dar atenção à filha e à namorada Naty (Natalia Verbeke), além de manter uma relação ruim com a ex-mulher. Enquanto isso, seu pai Nino (Héctor Alterio) quer realizar o antigo sonho da esposa Norma (Norma Aleandro), que sofre de Alzheimer, de se casar na igreja. Depois de sofrer um ataque cardíaco, Rafael começa a repensar alguns valores, enquanto ajuda o pai com o casamento. Dirigido por Juan José Campanella, O Filho da Noiva traz a mistura certa entre romance e humor, fórmula conhecida nos filmes do diretor e roteirista. A capacidade que Campanella tem de extrair a essência das relações humanas e transformá-las em pura poesia resulta em um filme sensível e nostálgico, sem nunca se aproximar do piegas.

Se meu Apartamento Falasse, de Billy Wilder (1960)

Screen-shot-2012-07-15-at-3.07.54-PM-700x504Jack Lemmon e Shirley MacLaine compõem um dos casais mais adoráveis de Hollywood nesta clássica comédia romântica, vencedora de cinco Oscars. Ele interpreta C.C Baxter, funcionário de uma empresa que empresta seu apartamento para os grandes executivos levarem suas amantes. Ela faz o papel de Frank Kubelic, ascensorista do prédio e apaixonada por um dos empresários. Os dois se aproximam quando ele a ajuda depois de um momento difícil. Com roteiro e direção de Billy Wilder, o filme é pontuado por diálogos irônicos (marca do cineasta), personagens corruptíveis, cheios de falhas e, portanto, humanos, além de frases memoráveis (“quando você está apaixonada por um homem casado, não deveria usar rímel”). Um romance que poderia acontecer com qualquer pessoa, em qualquer apartamento.

Gustavo Dutra

A Árvore do Amor, de Zhang Yimou (2010)

UTHT16Histórias de amor adolescentes dependem de uma abordagem muito particular para funcionar. Aqui, Yimou acerta em cheio ao tratar a aproximação (e consequente romance) entre Jing (Dongyu Zhou) e Sun (Shawn Dou) não como um grande acontecimento dramático, mas com uma discrição inesperada para o diretor de obras grandiloquentes como Herói e O Clã das Adagas Voadoras. Ambientado durante a Revolução Cultural chinesa, o cineasta aborda as dificuldades na vida do casal (particularmente de Jing, centro narrativo da história) com naturalidade, explorando suas nuances por meio de uma encenação simples, mas evocativa – de tal modo que, quando chegamos ao desfecho, já estamos mais do que convencidos da intensidade dos sentimentos do casal.

Aconteceu Naquela Noite, de Frank Capra (1934)

it-happened-4Primeiro da tríade de “vencedores dos principais Oscars” (Filme, Direção, Ator, Atriz e Roteiro – empatado com Um Estranho no Ninho e O Silêncio dos Inocentes), Aconteceu Naquela Noite permanece um pilar definidor do gênero “comédia romântica” – e mesmo 80 anos depois, as aventuras de Peter Warne (Clark Gable) e Ellie Andrews (Claudette Colbert) continuam divertindo mesmo dentro de uma fórmula mais do que desgastada: o casal que se odeia, mas se ama. Ela, filha mimada de um milionário que foge de casa para casar. Ele, um repórter típico, sempre atrás de uma boa história e que encontra uma na garota. O acordo é: desde que Ellie permita que Peter a acompanhe para escrever sua matéria, ele concorda em não entregá-la ao pai para receber a recompensa. O filme é também responsável pela popularização do subgênero screwball comedy, marcado pelos diálogos rápidos e afiados e pelas situações repletas de sugestão. Piadas de duplo sentido abundam (“a queda das muralhas de Jericó”) e as peripécias da dupla tem uma sensualidade bem marcante para a década de 1930 – tanto que sua cena mais parodiada é o truque infalível de Ellie para pedir carona. Em meio às risadas e até ao retrato das dificuldades sociais da Grande Depressão, Gable e Colbert exibem uma química explosiva que desperta a torcida do público – não só para que fiquem juntos, mas também para que não parem de se alfinetar um pouco depois disso…

Embriagado de Amor, de Paul Thomas Anderson (2002)

Punch-Drunk-Love-2002Mais inesperado do que uma parceria entre P.T. Anderson e Adam Sandler, só o fato de que ela tenha dado tão certo. E que Sandler esteja tão bem em cena, com um personagem fascinante. Emocionalmente reprimido e socialmente frustrado, Barry Egan (Adam Sandler), em meio a uma confusão envolvendo tele-sexo e chantagem, acaba encontrando uma possível brecha para a tão sonhada felicidade ao conhecer Lena Leonard – que, numa ótima escalação, é vivida por Emily Watson, longe de ser um ícone hollywoodiano de beleza. Ao tratar as dificuldades sociais e familiares de Barry não como piadas, mas como particularidades deprimentes, Anderson reforça que o sucesso desse possível relacionamento amoroso é importante para o sujeito nem tanto por uma questão de satisfação, mas de sobrevivência – um realismo combinado exemplarmente com a visão idealizada do sujeito na sequência adorável ao som da música He Needs Me. Mais uma vez explorando ao máximo as potencialidades da imagem como ferramenta narrativa, de modo a encher a tela de simbolismos, Anderson entrega um filme atipicamente doce para sua filmografia. Taí uma parceria que eu não me importaria de ver repetida.

Trilogia Antes do Amanhecer/Pôr-do-Sol/Meia-Noite, de Richard Linklater (1995/2004/2013)

before-trilogyO transcorrer natural da vida é algo que claramente interessa a Linklater, haja vista o seu novo filme, Boyhood, filmado ao longo de 12 anos que acompanham seu jovem protagonista da infância ao fim da adolescência. Nesta (ao menos – e espero que – por enquanto) trilogia, temos uma história cujo cerne é a evolução do amor através do tempo – ao menos para a geração ali retratada, fruto das liberais mudanças de comportamento pós-anos 60. Em Antes de Amanhecer, vemos Jesse (Ethan Hawke) e Celine (Julie Delpy) se conhecerem por acaso em uma viagem a Viena, aos 23 anos; em Antes do Pôr-do-Sol, testemunhamos seu reencontro, aos 32; e voltamos a encontrá-los aos 41 em Antes da Meia-Noite, quando avaliam a própria trajetória amorosa. Muito do fascínio que esta trilogia desperta em tantas pessoas vem do fato de que ela não tem propriamente uma “trama” (ao menos nos moldes tradicionais): não conhecemos o casal por meio de suas ações, mas das conversas que mantêm, que jamais entediam mesmo discutindo os assuntos mais triviais – afinal, não é assim que conhecemos pessoas do lado de cá da tela? Também deriva daí o inevitável exercício que revela os efeitos do tempo não apenas sobre os rostos de Hawke e Delpy, mas também sobre seus personagens – da impulsividade juvenil de Amanhecer à ótica mais realista, desencantada, de Meia-Noite. Ao trazer desfechos parcialmente abertos, a trilogia sempre permite que o espectador projete neles suas próprias expectativas acerca de relacionamentos. Espero realmente que possamos rever Jesse e Celine em 2022, como os conhecemos: seres humanos imperfeitos, mas que encontraram um no outro algo que os completa.

Rafael Gloria

Noivo Neurótico, Noiva Nervosa, de Woody Allen (1977)

Annie-Hall-benchOs filmes do Woody Allen são um prato cheio para quem gosta de falar sobre relacionamentos e, nesse quesito, talvez o melhor deles seja Annie Hall, que foi toscamente traduzido no Brasil como Noivo Neurótico, Noiva Nervosa. No filme, acompanhamos a história de um casal, do ponto de vista do protagonista Alvy Singer (Woody Allen), um comediante stand-up que se apaixona por uma desengonçada e encantadora Annie Hall, papel marcante e que rendeu um Oscar de melhor atriz à Diane Keaton. O que traz ainda mais sutileza a esse filme é a narração em off do personagem de Woody Allen que, muitas vezes, também conversa com o público, quebrando a quarta parede. Tudo isso só nos aproxima ainda mais desse casal, porque os observamos desde o primeiro encontro, o modo como a relação se desenvolve e também como ela chega ao seu término. A melhor parte do longa, entretanto, é sua bela cena final e a conclusão pragmática em forma de piada de Singer: relacionamentos são complicados, irracionais e loucos, mas nós precisamos deles.

Quatro Casamentos e Um Funeral, de Mike Newell (1994)

Quatro Casamentos (1)Precisava ter um filme em que Richard Curtis estivesse envolvido nessa lista – senão ela estaria incompleta. Como sou um grande fã da maioria dos seus filmes, acabei escolhendo Quatro Casamentos e Um Funeral, o meu favorito. A direção é de Mike Newell e Curtis assina o roteiro. Antes de tudo, trata-se de uma produção com enredo elaborado e que se passa quase que exclusivamente nos eventos citados no título. É realizada uma divertida avaliação dos costumes da classe média alta britânica em casamentos. Mas, é claro, há espaço para o amor, assim como em todos os filmes de Richard Curtis. Aqui, porém, o amor surge aos poucos na figura de Carrie (Andie MacDowell) que atravessa o caminho de Charles (Hugh Grant) nos diferentes casamentos.  Ela, estadunidense, é atraente aos olhos britânicos dele, e essa oposição de comportamentos também traz graça ao filme. Ah, não dá para esquecer um dos discursos de despedida mais apaixonados em um funeral – e era de uma relação homossexual, outro ponto interessante que o filme levanta, ainda que implicitamente.

Abre los Ojos, de Alejandro Amenábar (1997)

abre-los-ojosConfesso que primeiro assisti a Vanilla Sky, de Cameron Crowe, e descobri só bem depois (eu tinha 12 anos quando vi) que era um remake desse excelente Abre los Ojos, de Alejandro Amenábar. Por muito tempo, Vanilla Sky foi um dos meus filmes favoritos, mas, ao envelhecer, e vê-lo novamente algumas vezes comecei a notar pieguices e deslizes no enredo – e o impacto só aumentou quando realmente assisti a obra original. Primeiramente, é importante dizer que este talvez seja o filme mais romântico da lista, no sentido de criar um mundo possível, e mais: um mundo com situações possíveis e idealizadas. Portanto, um mundo perfeito. E um mundo aparentemente perfeito deve ter a mulher perfeita e a aparência perfeita. O filme nos ganha, porém, ao percebermos que não há mais chance para aquilo que poderia ter sido real, não há mais chance para um sentimento honesto, que surgia pela primeira vez a um jovem que nunca tinha experimentado algo como aquilo. E, guardada as proporções, todo mundo já teve uma sensação semelhante.

Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças, de Michel Gondry (2004)
brilho-eterno-de-uma-mente-sem-lembraças-1Ah, Charlie Kaufman e seus roteiros mirabolantemente complexos. Mas, de certa forma, simples também. A premissa de Brilho Eterno é das mais antigas: casal rompe relacionamento e o homem quer a mulher de volta. Só que aqui descobrimos que a mulher, Clementine, resolveu simplesmente apagar da sua memória todas as lembranças de Joel, o homem. Quase de birra, quase de vingança, ele decide fazer o mesmo. E, a partir dessa premissa surreal e quase sci-fi, acompanhamos Joel apagando as suas lembranças de Clementine e, como ele se arrepende ao longo disso e tenta parar com o processo – tudo em seu inconsciente. É um filme com grandes atuações, um Jim Carrey contido, uma Kate Winslet agitada. E uma direção primorosa de Michel Gondry, que soube utilizar efeitos de câmera e jogos de luz para criar uma atmosfera única. Mas, sobretudo, é um filme sobre a força da palavra, sobre receios e, enfim, sobre aceitação. Em breve, escreverei um artigo para o Nonada mais completo sobre os dez anos de lançamento de Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças.

Bônus:

A Princesa e o Plebeu, de William Wyler (1953)

No filme que revelou Audrey Hepburn e deu a ela seu único Oscar, a atriz contracena com o já conhecido Gregory Peck para contar a história de Ann, princesa rebelde que só queria um pouco de liberdade para fazer o que quer sem ser vigiada. Na cidade de Roma, a moça conhece Joe Bradley, jornalista que logo descobre sua verdadeira identidade e a leva para passear na cidade, pensando em escrever a reportagem de sua vida – tudo isso sem ela saber, é claro. Mas as coisas não saem como planejadas, já que eles acabam se envolvendo. Além de ver esses dois grandes atores contracenando, A Princesa e o Plebeu ainda nos dá de presente as paisagens históricas da cidade de Roma.

WALL-E , de Andrew Stanton (2008)

Quem imaginaria ouvir La Vie en Rose numa fantasia infantil de ficção científica? Pois embora se enquadre no gênero citado, WALL-E também segue, em grande medida, regras da comédia romântica, saindo-se muitíssimo bem no processo – afinal, a felicidade de WALL-E e EVE não era tão importante quando o salvamento da Terra? E toda a trama não foi posta em movimento justamente a partir das cenas inesquecíveis em que o “casal” descobria a própria individualidade? Assim, é apenas apropriado que a icônica canção de Piaf (aqui, na voz de Louis Armstrong) pontue o romantismo inerente a este filme, que segue imbatível como a melhor obra da Pixar.

Ela, de Spike Jonze (2013)

Só poderia vir da mente de um cineasta como Spike Jonze um filme tão ligado ao nosso tempo na forma como aborda os relacionamentos. Theodore (Joaquin Phoenix), um solitário e desiludido escritor de cartas (sim, uma profissão), acaba se apaixonando pelo seu sistema operacional complexo, na voz sensacional de Scarlett Johansson, que realmente age e pensa como um ser humano. Importante notar como a voz é um elemento crucial nessa relação e como o diretor, sabiamente, não cai em uma resolução completa ou fácil, produzindo um dos grandes filmes do ano passado.

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *