Em uma época em que a quantidade de informação é infinitas vezes maior do que a capacidade do ser humano para absorvê-la, o ato de ouvir música vem perdendo espaço para inúmeras outras atividades. Escutar um disco inteiro parece ser coisa de apaixonados; afinal, as opções de lazer são inúmeras, mas o dia continua tendo “só” 24 horas. Não é de se estranhar, então, que a música tenha se tornado apenas mais um ruído entre buzinas num engarrafamento.

Dentro desse contexto, a realização de um festival como o El Mapa de Todos torna-se uma experiência mais do que necessária. Um espaço para um público que ama música em suas variadas formas, e que não se contenta em tê-la como mera trilha sonora para lavar a louça.

IMGP50272
Antes da música, rolou o tradicional Sarau Elétrico do Ocidente (Crédito: João Vicente Ribas)

Em 2014, o El Mapa se expandiu em tamanho (pulou de três para cinco dias, entre 11 e 15 de novembro) e espaço (deixou de ser realizado apenas no bar Opinião, com shows no Ocidente, no Theatro São Pedro e no Teatro Bruno Kiefer, da Casa de Cultura Mario Quintana). A ideia, como explicou o curador do festival, Fernando Rosa, era ampliar e diversificar o público. Deu certo: em alguns dias, havia gente bem mais jovem – crianças, até, como no caso do sábado –, além de pessoas com mais de 70 anos, que talvez nunca tenham ido a alguma edição anterior, mas sentiram-se mais à vontade para assistir a um show no conforto de um teatro.

Sem dar um passo maior do que a perna, o festival mostra, em 2014, que tem potencial para crescer ainda mais, ampliando o interesse do público pela cultura latino-americana e tornando Porto Alegre uma referência importante no cenário musical do continente. Organização competente, atrações interessantes e ingressos a um preço justo: isso é El Mapa de Todos. Bom, se você gosta de música, já deve saber disso muito bem.

Primeiro dia (por Daniel Sanes)

IMGP51012
Andrés Correa deu uma canja no Ocidente; dias depois, se apresentou com banda no Opinião (Crédito: João Vicente Ribas)

 

Uma espécie de “esquenta” para o El Mapa de Todos, a terça-feira foi nada menos que o tradicional Sarau Elétrico do Ocidente, mas com temática latina, encaixando com a ideia do festival. A mestra de cerimônias do sarau, Katia Suman, acompanhada por Cláudio Moreno, Diego Grando e Sergius Gonzaga, recebeu o escritor paulistano Santiago Nazarian, que veio a Porto Alegre para lançar, na Feira do Livro, sua oitava obra, Biofobia. Bem-humorado, Nazarian confessou que a literatura latino-americana não foi sua principal influência, e acabou lendo um trecho de seu novo livro, enquanto os demais citaram obras de autores clássicos como os argentinos Jorge Luis Borges e Julio Cortázar, o colombiano Gabriel García Márquez e o peruano Mario Vargas Llosa, entre outros. A noite foi encerrada com uma breve apresentação de Andrés Correa, cujo som, meio folk, meio pop, foi apresentado de forma crua, somente com voz e violão. O “cantautor” colombiano voltaria ao festival na noite de sexta-feira, com banda completa.

 

Segundo dia (por Daniel Sanes)

A ideia de levar o El Mapa de Todos para o imponente Theatro São Pedro funcionou, especialmente porque o público de Daniel Viglietti dificilmente acompanharia uma apresentação do uruguaio em pé, em uma casa de shows. Mas a grande sacada foi a inclusão, no mesmo dia, de Luiz Marenco. Um show de música tradicionalista no São Pedro? Não é todo dia que se tem uma chance de ver isso acontecer.

Luiz Marenco - El Mapa de Todos
Thedy Corrêa fez uma participação no show do amigo Luiz Marenco (Crédito: Belisa Giorgis)

Dono de uma voz potente e admirado por muita gente não familiarizada com o cancioneiro nativista, Marenco fez valer a oportunidade (“é a realização de um sonho me apresentar aqui no São Pedro”) e caprichou no repertório. Em “Querência, Tempo e Ausência”, contou com o “irmão” Thedy Corrêa, que ainda dividiu o microfone com o amigo em “Diga a Ela”, sucesso do Nenhum de Nós.

O grupo que acompanha Marenco é um show à parte, com destaque para o acordeonista Aluisio Rochembach, que, diante da acústica perfeita do teatro, mostrou todo o seu talento na gaita. Ao som de “Cantador de Campanha” e “Batendo Água”, Marenco se despediu do público, tão entusiasmado quanto ele.

Daniel Viglietti - El Mapa de Todos
Daniel Viglietti contou histórias e emocionou o público no Theatro São Pedro (Crédito: Belisa Giorgis)

Aos 75 anos, Daniel Viglietti é uma lenda da música uruguaia. Sentando em um banquinho com seu violão, sem um músico de apoio sequer, o cantor mostrou que a idade não lhe tirou a voz e muito menos a irresignação com as injustiças do mundo. Em cerca de uma hora e meia, apresentou seus principais clássicos, além de canções dos saudosos Alfredo Zitarrosa, seu compatriota, e Violeta Parra, do Chile. Sempre interagindo com a plateia, Viglietti emocionou ao tocar “Milonga de Andar Lejos”, cuja letra inspirou o nome do festival, e “Canción para mi América”. Uma boa síntese do show, feita pela estudante de Jornalismo Bárbara Ramos, no Twitter: “Hoje eu aprendi com Viglietti mais do que em qualquer aula de história. #ElMapaDeTodos#PraVida *-*”. Simples assim.

 

Terceiro dia (por Henrique Coradini)

skrotes (1 de 1)-4
Trio instrumental Skrotes foi um dos destaques da quinta-feira (Crédito: Ita Pritsch)

 

Em sua terceira noite, o El Mapa de Todos buscou explorar as novas perspectivas pop do continente sul-americano. A primeira banda a subir no palco do Opinião foi a Skrotes, que brindou o público com um misto instrumental encorpado de ritmos como rock, funk, jazz e samba. Trocando a guitarra por um conjunto de teclados, o trio parece estar criando uma alternativa tropical ao Krautrock (com bem mais calor humano). O show teve ainda participação especial de Tonho Crocco, que fez algumas intervenções no talkbox acompanhando os catarinenses.

O público que chegou depois da Skrotes foi recebido pelo indie folk morno dos uruguaios da Molina Y Los Cósmicos. As melodias perenes, que bailam entre o doce e o melancólico, dão um ar subtropical a conjuntos derivados de Los Hermanos, como Banda do Mar e Little Joy. O show acabou com uma versão de “Cowboy Fora da Lei”, de Raul Seixas, com a participação dos músicos locais Alex Vaz, Clarissa Mombelli e Santiago Neto.

Bomba Estéreo (1 de 1)-4
Sensação da música colombiana, Bomba Estéreo fez um show contagiante (Crédito: Ita Pritsch)

A explosão criativa da noite ficou por conta do Bomba Estéreo. Logo de início, o grupo de Bogotá já mostrou o “poder caribenho” que propõe em sua “música tropical psicodélica para bailar” (palavras da vocalista Liliana Saumet). A banda colombiana funciona incrivelmente bem ao vivo, há uma coesão explícita em busca de intensidade e, para além dos sintetizadores, a bateria e a guitarra ganham papéis essenciais no arranjo. Nesse momento, até mesmo algumas pontas de beck podiam ser vistas circulando como vagalumes pelo Opinião.

A dura tarefa de tocar depois da Bomba Estéreo ficou por conta dos sergipanos da Coutto Orchestra, que, aos poucos, conseguiu animar o ainda extasiado público remanescente com suas incursões regionalistas envoltas de texturas eletrônicas e performance teatral.

Buenos Muchachos (1 de 1)-7
Já no final da noite, Buenos Muchachos tocou para poucos (Crédito: Ita Pritsch)

 

Quarto dia (por Daniel Sanes)

La Cumbia Negra (1 de 1)-2
Com figuras conhecidas do rock gaúcho, La Cumbia Negra abriu a noite de sexta (Crédito: Ita Pritsch)

A quarta noite do festival – segunda em seu mais tradicional palco, o do Opinião – manteve o ritmo da anterior. Logo de cara, o público foi sacudido pelo grupo La Cumbia Negra, que, entre outros, tem em sua formação o ex-Pata de Elefante Gabriel Guedes, Guri Assis Brasil, da Pública, e o produtor musical Carlos Eduardo Miranda. Mesmo desconhecida, a banda fez todo mundo dançar com sua cumbia instrumental – incluindo, aí, uma versão suingada de “Marta”, da Pata de Elefante.

O pernambucano Juvenil Silva trouxe fortes doses de saudosismo a seu som, com teclados que remetem à Jovem Guarda e um quê de Raul Seixas na voz. O certo é que ele agradou ao público com canções simples, mas eficientes. Pena que, nesse momento, o som dos microfones estava irregular, dificultando a compreensão das (boas) letras de Juvenil. No final, ele chamou Wander Wildner ao palco para tocar o clássico “Eu não Consigo Ser Alegre o Tempo Inteiro”, do ex-Replicante, que acabou em ritmo de marchinha.

Andrés Correa, que já havia tocado sozinho na terça-feira, voltou com banda completa. Mesmo assim, o som melancólico do cantor não animou muito a plateia, bem dispersa na hora do show. O colombiano só teve mais atenção quando Ian Ramil subiu ao palco para fazer uma participação, e olhe lá.

Camila Moreno (1 de 1)-17
Com performance intensa, chilena Camila Moreno foi a grande surpresa da noite (Crédito: Ita Pritsch)

Do Chile, veio Camila Moreno. Pouco conhecida, a cantora de jeito meigo arrebatou o público – e, pelo que se via na pista, alguns corações. Com voz marcante e uma performance intensa, ela simplesmente matou a pau. O repertório deu destaque para seu disco mais recente, Panal (2013), mas, diante de uma plateia que ignorava sua existência, isso é um mero detalhe. O importante é que, depois dessa incrível apresentação, o Brasil – ou pelo menos Porto Alegre – descobriu que não é possível passar batido pela música de Camila Moreno.

Mundo Livre S-A (1 de 1)-2
Zero Quatro comandou o Mundo Livre no show de 20 anos de seu primeiro disco (Crédito: Ita Pritsch)

Em um festival raramente acostumado a atrasos, o Mundo Livre S/A, com problemas nos equipamentos de som, demorou mais do que o previsto para subir no palco. Mas os fãs não arredaram pé, pois sabiam que Fred Zero Quatro e cia. iriam apresentar seu debut, Samba Esquema Noise, de cabo a rabo, em comemoração aos 20 anos do álbum. Não foi exatamente na ordem, mas rolou o disco inteiro e, melhor ainda, algumas coisinhas mais, como músicas dos amigos da Nação Zumbi (“Meu Maracatu Pesa Uma Tonelada”), uma homenagem ao mestre Jorge Ben (“Mexe, Mexe”) e hits inevitáveis (“Meu Esquema”). Com um bis atrás do outro, o show dos pernambucanos foi terminar perto das cinco da manhã. Todo mundo estava acabado, mas ninguém reclamou.

 

Quinto dia (por Henrique Coradini)

Em seu último dia, voltado à produção independente, o festival foi realizado no Teatro Bruno Kiefer. Após alguns problemas com um porteiro meio megalomaníaco que insistia que o local estava lotado (não estava), adentrei para acompanhar os shows do três-coroense Jéf, que conquistou parte do público com seu indie rock baseado em Coldplay e Keane, e Bob Shut, que apresentou um pop rock sem muitos atrativos e que fez parte do público começar a esmorecer.

SONY DSC
Projeto Comma levantou o público ao tocar com senegaleses do Tam Tam África (Crédito: Sarita Reed)

No primeiro suspiro criativo do dia, o duo caxiense Projeto Ccoma apresentou um misto de ritmos típicos de culturas diversas com acompanhamentos orgânicos e eletrônicos. A apresentação já agradava bastante, mas os caxienses fizeram o público botar o teatro abaixo ao chamarem ao palco os senegaleses do Tam Tam Africa. A celebração multicultural que misturou ritmos africanos com batidas eletrônicas fez o público levantar das cadeiras do teatro para dançar pela primeira vez na noite. Um momento memorável.

SONY DSC
Com um rock direto, Bestia Bebé, da Argentina, teve grande aceitação do público (Crédito: Sarita Reed)

Após um show morno dos brasilienses da Beto Só e Banda, que só conseguiu animar o público com uma cover de “Banana”, da Superguidis, e uma participação especial de Frank Jorge, o teatro foi tomado pelos argentinos da Bestia Bebé, que logo de cara conquistaram o público com um guitar rock de arranjo carismático e estética tipicamente interiorana. Formada no bairro de Boedo, em Buenos Aires, a banda mostrou que boas bandas baseadas em peso e melodia já são tradição no país, como os compatriotas do El Mató a Un Policía Motorizado, velhos conhecidos do público do El Mapa.

SONY DSC
Uma das revelações do rock brasileiro, Boogarins fechou o festival (Crédito: Sarita Reed)

A grande atração da noite ficou por conta dos goianos da Boogarins, que tocaram para um teatro já lotado (com muitas pessoas de pé). A banda já tinha o público a seu favor, mas superou qualquer expectativa com sua música, que cadencia peso e lisergia em ambientações psicodélicas – elementos que tornaram o disco de estreia, As Plantas que Curam, um dos destaques da produção nacional em 2013. Sem subterfúgios, o quarteto tocou por uma hora, deixando o público em êxtase com uma união certeira de vocais lânguidos, guitarras versáteis e cozinha poderosíssima. Ao final, ficou óbvio que o som da banda subverteria o clima de teatro. Logo estavam todos de pé. E assim se encerrou o El Mapa de Todos: com o dia em que a Boogarins botou o Teatro Bruno Kiefer para dançar.

 

 

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *