interestelar

por Laura Souza

Quem classifica os longas “A Origem” ou a trilogia Batman como filmes insuperáveis da carreira do diretor anglo-americano Christopher Nolan corre sério risco de sair do cinema de queixo caído após assistir a Interestelar. Nolan mantém o espectador atento e maravilhado por três horas que passam despercebidas. O roteiro, escrito por Christopher em parceria com seu irmão, Jonathan Nolan – e baseado nas teorias do físico especialista em ondas gravitacionais Kip Thorne –, desenvolve-se por meio de características já conhecidas nos filmes de Nolan, como a resistência à apresentação dos acontecimentos de forma linear e muito plot twist.

O alvoroço que precedeu o lançamento do filme não é surpreendente, se for levada em conta a escalação de dois ganhadores do Oscar como protagonistas. Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas) e Anne Hathaway (Os Miseráveis) atuam de forma impecável em cenas sequenciais de tirar o fôlego.  Jessica Chastain (A Hora Mais Escura), que interpreta a filha do personagem principal em sua fase adulta, se destaca pelo olhar sensível de menina esperançosa e, ao mesmo tempo, de uma cientista pronta para salvar o mundo.

Com um orçamento que bateu a marca dos 165 milhões de dólares e um projeto criado para exibições em iMax, Nolan transmite em ricos detalhes o que seria uma provável realidade espacial. O compositor alemão Hans Zimmer assina a trilha sonora que é o acabamento preciso à obra.  A equipe ainda conta com o supervisor de efeitos visuais Paul Franklin – reconhecido entre outros trabalhos pelo Oscar em “A Origem” – e o designer de som Richard King. Todos já consagrados companheiros de Nolan em outras obras.

Interestelar
McConaughey interpreta Cooper, um engenheiro espacial e ex-piloto da NASA

O diretor sempre brincou com o tempo de formas distintas (“O Grande Truque” e “A Origem”), mas, em Interestelar, decide arriscar um pouco mais e faz com que seis décadas passem em alguns minutos. Matthew McConaughey chegou a comentar em uma coletiva que nenhum trabalho de Nolan teria sido tão audacioso. O que é entendido quando o próprio Nolan assume suas influências em obras consideradas marcos no cinema de ficção-científica, como Star Wars e 2001: Uma Odisseia no Espaço.

Na trama, McConaughey interpreta Cooper, um engenheiro espacial e ex-piloto da NASA que sofre os efeitos causados por tempestades de areia e a falta de oxigênio. Cooper deixa a família quando recebe a missão de explorar outra galáxia, junto a outros astronautas, em busca de planetas que possam receber os seres humanos.

Ao desenrolar do filme notamos que o tema central, acima da física quântica e todas suas teorias, é o amor, retratado pela atitude de um homem que é capaz de fazer uma viagem interestelar de 90 anos para encontrar um novo lar para a humanidade e salvar sua família.

Considerando o peso do nome do diretor e de seu elenco, somado à proposta técnica grandiosa que pode ser comparada com o aclamado Gravidade, é previsível que Interestelar esteja entre os principais indicados ao próximo Oscar.

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *