Divertida Mente: a melhor animação da Pixar nos últimos anos

Divertida Mente (Inside Out, EUA, 2015)

Direção: Pete Docter e Ronaldo Del Carmen

Roteiro: Pete Docter, Meg LaFauve e Josh Cooley

Vozes originais de: Amy Poehler, Phyllis Smith, Richard Kind, Bill Hader, Lewis Black, Mindy Kaling, Kaitlyn Dias, Diane Lane, Kyle MacLachlan, Paula Poundstone, Bobby Moynihan, Paula Pell, Dave Goelz, Frank Oz, Flea, Rashida Jones e John Ratzenberger.

jhvgoiygiyg

Divertida Mente brinca com as emoções, dando-lhes personalidade (Crédito: Pixar)

Divertida Mente é provavelmente a melhor animação lançada por um grande estúdio nos últimos cinco anos. Aliás, a Pixar devia um grande filme desde 2010, quando lançou o comovente Toy Story 3, mas nos anos seguintes deu uma série de escorregões criativos com o apenas correto Valente e os fracassados Carros 2 e Universidade Monstros. Aqui, o estúdio volta às boas graças dos magníficos WALL-E, Ratatouille e Os Incríveis, entregando uma história simples, mas ancorada em um conceito tão fascinante que confere contornos épicos à mente de uma criança – e não é nada difícil imaginar crossovers desse conceito com personagens em desenvolvimento (como Boyhood) ou mentalmente perturbados.

Escrito por Pete Docter (Monstros S.A., Up) ao lado dos estreantes Meg LaFauve e Josh Cooley, Divertida Mente apresenta a mente humana como um típico centro de operações coordenado pelas emoções. Ao nascer, a pequena Riley surge com a Alegria e a Tristeza – e, à medida que cresce, surgem a Raiva, o Medo e a Repulsa. Até os 11 anos, a mente de Riley é claramente liderada pela Alegria. Isto é, até que, aos 11 anos, Riley se muda com seus pais para São Francisco, levando-a a uma forte confusão emocional que pode atrapalhar sua capacidade de julgamento.

Expandindo ainda mais o talento para visuais imaginativos visto em Monstros S.A., Docter centra boa parte de sua história no centro de operações emocionais, mas seu retrato da mente humana é bem mais extenso – e é uma grande sacada que o aspecto daquele “lugar” vá se alterando à medida que Riley cresce. Ao nascer, o centro conta apenas com um botão, dedicado a gerar reações básicas (choro ou riso) dependendo de quem o aciona (a Tristeza ou a Alegria). Com a chegada de novas emoções, o lugar vai se expandindo, e cada uma delas modela as “memórias-base” que formam a personalidade de Riley (ligadas nessa idade, claro, à família, amigos, brincadeiras e algum interesse mais forte – no caso de Riley, o hóquei). Assim, é interessante ver um processo de confusão emocional surgir com a mudança, especialmente quando os percalços no caminho da menina são representados pela Tristeza “contaminando” memórias alegres – uma ressignificação que acontece com todos quando sofremos alguma ruptura (término de um relacionamento, brigas, mudanças, falecimentos, etc.). Também é fascinante perceber o crescimento de Riley quando no final, suas memórias já começam a se tornar mais complexas, não se definindo por um único sentimento.

heahaehe

Alegria e tristeza unidas (Crédito: Pixar)

Mas não é só: a confusão de Riley é representada por um acidente que retira a Alegria e a Tristeza do centro de operações, deixando apenas as outras três emoções no comando enquanto as principais se perdem no labirinto da mente, passando por regiões como a imaginação (que, não por acaso, tem sua riqueza gerada principalmente na infância), o depósito das memórias de longo prazo (salve, músicas irritantes que teimam em ser lembradas do nada!) e a “linha do pensamento” – um trem que, como quase todo o resto, para quando Riley dorme, revertendo a energia para a produção de sonhos. Sonhos que, aqui, são inspirados num estúdio cinematográfico que exige produções em série (e é divertido ver os responsáveis reclamando de sonhos clichês, como o “estar caindo” ou o “nu em público”). Além disso, conceitos como o subconsciente (representado como uma “masmorra da mente”) e o vale do esquecimento podem até ser apresentados rapidamente, mas funcionam em seu pouco tempo de tela.

Além disso, também é bacana termos visões do centro de operações de outras pessoas, especialmente dos pais de Riley – onde as emoções trabalham de forma ordenada, refletindo a postura mais equilibrada dos adultos (além, claro, da diferença de percepção entre homens e mulheres). Além disso, ao codificar as memórias por cores dependendo de quem as influenciou, Docter e Del Carmen criam um filme com um visual vibrante cuja paleta varia entre tons de amarelo, azul, roxo, vermelho e verde – e é uma pista econômica e elegante para a resolução que os cabelos da Alegria sejam azuis, contrastando com seu amarelo vivo. Resolução esta que, diga-se de passagem, mostra coragem em defender que emoções negativas e desconfortáveis são parte intrínseca da existência. Em outros tempos, talvez isso soasse anódino, mas não quando a regra geral parece ser colocar a si e aos outros em bolhas emocionais livres de problemas.

Tocante e engraçado, Divertida Mente é desde já, um novo clássico do estúdio de John Lasseter. E, assim como Os Incríveis, um filme do qual saímos da sala de projeção imaginando uma possível sequência. Afinal, o quão maluca seria uma continuação situada na adolescência?

Share Button

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *