Somente o Hip Hop é foda? Não com Rael

 

IMG_20160318_241316343

A apresentação de Rael no Opinião teve duração de uma hora e meia

Texto: Camila Santos
Fotos: Mari Maciel

Eram exatamente 22h45min de quinta-feira (17) quando o show de abertura da noite, do rapper Kamau, iniciou. Era sua primeira vez em Porto Alegre após o lançamento do seu último CD Licença Poética (Experimentos Pessoais), trabalho realizado no ano passado e que está disponível de graça na internet. O público ainda estava chegando quando o rapper começou sua apresentação cantando “Com Licença”. Alguns quilos mais magro, mas com o mesmo poder na voz, Kamau conduziu o show junto com seu parceiro MC Jeff. Entre novas músicas e antigos sucessos, os dois aqueceram o Opinião. “É ela”, canção do setlist, tinha completado dez anos dia anterior à apresentação. O espaço ainda estava sendo ocupado quando Kamau encerrou sua participação, junto do rapper Carpie Diem. Esse aquecimento foi bom também para o público, que cantou junto à atração de abertura e esperava para ver a estrela da noite.

Rael subiu ao palco por volta da meia-noite e, em meio aos gritos e aplausos, cantou “Hoje É Dia de Ver”, composição do novo EP Diversoficando, de 2015. A segunda música escolhida pelo rapper foi “Tudo Vai Passar”, seguida dos sucessos “Vejo Depois” e “Num é só Ver”, uma colaboração entre ele Emicida. Apesar de ainda ser o começo, a esta altura ninguém estava imune à musicalidade de Rael. A facilidade com quê o músico misturou ao seu rap gêneros como jazz, bud, reggae e MPB contagiou a todos.

Próximo de começar a décima canção, Rael chamou ao palco Kamau e juntos eles cantaram “O Hip Hop é Foda Parte 2”. Uma continuação de um dos maiores sucessos do cantor: “O Hip Hop é foda”; presente no primeiro CD da carreira solo de Rael MP3 – Música Popular de Terceiro Mundo. O rapper integrava o grupo de rap Pentágono, e em 2008, iniciou sua carreira solo.

Um dos pontos altos das noite chegou com o remix de “Vida Loka Parte 1”, dos Racionais MC’s. O grupo, base do rap nacional, também é uma das influências musicais de Rael. Nesse momento, as vozes que lotavam o Opinião se sobressaíam à voz de Rael que por hora até parou de cantar , fazendo com que o somente o público acompanhasse os músicos. Seguindo no mesmo ritmo de rap tradicional, ele relembrou seus tempos de Pentágono e cantou “O Moio”. Era difícil diferenciar as músicas novas das antigas, já que os grandes sucessos e as músicas do novo trabalho do rapper eram igualmente cantadas.

IMG_20160318_241614892

O rapper apresentava em Porto Alegre seu mais novo EP: Diversoficando

Entre uma música e outra, Rael interagia e perguntava: “Tudo firmeza, Porto Alegre?” Os gritos e os aplausos respondiam à sua pergunta. Estava sim tudo firmeza! Quando o paulista fez um discurso contra diversos preconceitos sociais, já se podia prever que ele cantaria “Pré-conceito”. A música faz uma crítica ao pré-julgamento que a sociedade faz sobre as pessoas. Depois, Rael puxou uma cadeira e sentou, segurando seu violão. As luzes do palco diminuíram sua intensidade e a banda diminuiu seu ritmo. Com seu violão, Rael iniciou uma sequência de músicas mais melódicas. “O Senhor” e “Semana” fizeram parte desse momento mais intimista do rapper.

O show já se encaminhava para o fim quando Rael cantou “Envolvidão”, sua música de maior notoriedade na grande mídia. Não teve uma pessoa sequer que não cantasse e dançasse durante. Após cantar “Ser Feliz”, Rael se despediu e fez uma selfie com todo mundo. Entretanto, se ele pensava que poderia ir embora facilmente, estava muito enganado. Foram só as luzes do palco se apagarem que o público gritou em coro “mais uma, mais uma!” E ele atendeu ao pedido, deixando as pessoas alucinadas. Seus dreads locks bailavam novamente no palco. Como se não bastasse ter voltado, cantou mais cinco músicas, entre elas “Eles Não Tão Nem Aí”.

O encerramento desta vez de verdade ficou por conta de “Diversoficando”. Assim o rapper paulista encerrou seu show que durou mais de uma hora e meia. Com um repertório de mais de 25 músicas, foi constatado que, sim, o Hip Hop é foda. Mas não só ele, Rael, sua banda e seu show também são!

Share Button

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *