Akasha Villalobos tem boa performance como a última sobrevivente de um massacre
Akasha Villalobos tem boa performance como a última sobrevivente de um massacre

Depois de Natal Sangrento, Gremlins e outros menos cotados, mais um título chega para engrossar a seleta lista de filmes natalinos com alma dark. Follow é a estreia do norte-americano Owen Egerton em longas. Mesmo irregular, a modesta produção vem figurando em diversos festivais de cinema de gênero dos EUA e também teve sessões disputadas no Fantaspoa.

Faltando 5 dias para a noite de Natal, Quinn (Noah Segan) troca carícias com a namorada Thana (Olivia Applegate) na casa deles. Ela exibe um comportamento estranho após um jantar regado a uísque, e tem a ideia de presenteá-lo com um artigo um tanto insólito: um revólver. Thana garante que a arma não está carregada e propõe a Quinn um torneio de roleta-russa. Lógico que as coisas dão errado: na manhã seguinte, o homem desperta (desmemoriado, como manda a cartilha) e logo encontra a amada morta no chão do quarto.

O que vem a seguir não é exatamente um estudo aprofundado das emoções humanas, como sugere o ponto de partida; Egerton passa a comandar um desfile de situações rocambolescamente bizarras, onde o protagonista vai perdendo a sanidade enquanto tenta manter o cadáver apresentável para a ceia natalina. Através de flashbacks, somos informados que Quinn trabalha em um bar e é artista plástico nas horas vagas, num ateliê improvisado no sótão de casa. O espectador vai juntando as peças e descobre também que Thana não era exatamente a pessoa mais equilibrada da paróquia, e que isso pode ajudar a solucionar o mistério do crime.

Nos quesitos técnica e narrativa, não há do que reclamar do trabalho do cineasta. Ele sequer parece um estreante: o visual é cativante e imersivo em seu crescente realismo mágico, há planos de câmera elaborados e a trilha sonora está no lugar, intercalando temas orquestrados e as mais alegres canções de fim de ano. O elenco também se esforça, com o carismático Segan (de Looper e Starry Eyes, já exibido pelo Fantaspoa) dominando quase todas as cenas.

Mas o que poderia se tornar um thriller memorável jamais ultrapassa a linha do mediano. A culpa é do roteiro esquizofrênico, escrito pelo próprio Egerton com base em dois contos de sua autoria. Os personagens vão se atropelando e tomando decisões impetuosas e sem sentido, e por vezes a mirabolância de algumas sequências chega a incomodar. O pano de fundo da trama é frágil e também não chega a convencer.

Follow sobrevive graças ao toque de humor negro que permeia o script (Quinn não sabe o que fazer com o cadáver e as moscas vão tomando conta; o vizinho deficiente que bate à porta pedindo doações em troca de música). É em cenas como estas que o filme mostra vida, e que poderia ter sido algo mais. Do jeito que está, é apenas mais um título casual restrito ao circuito indie.

 

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *