Por Ronald Augusto*

Todo mundo caiu de pau (e, em alguma medida, com razão) em cima do recém nomeado presidente da Fundação Cultural Palmares por causa de suas declarações e trollagens contra os movimentos negros. Por outro lado, e curiosamente, o antropólogo Antonio Risério há anos vem nos oferecendo a mesma qualidade de leviandades (só que com aquele verniz intelectual que tantos apreciam) e ninguém expressa um par de palavras para contraditá-lo.

Mas, sim, Martinho da Vila respondeu aos comentários grosseiros de Sergio Nascimento de Camargo. Sim, o próprio irmão passou um pito neste cidadão. Sim, o pai é um importante escritor e tradicional militante negro. Encontrei essas notícias aqui e acolá, e gente conhecida, com presteza, veio me contar uma e outra novidade. Só que tudo isso ainda é informação irrelevante e maledicente, porque a intenção é demonizar o sujeito isolando-o do conjunto. Vocês não precisam disso para dizer que ele não passa de um preto de alma branca ou de que se trata de um capitão do mato, um negro da casa-grande. Por favor, não dissimulem. Vamos! Upa! Soltem seus cachorros e não me aborreçam com esse tipo de solidariedade.

O governo de Jair Messias Bolsonaro já havia trollado o feminismo, o movimento LGBT, os ambientalistas, os professores, a classe artística etc, agora parece ter chegado a vez de trollar os movimentos negros e personalidades representativas da causa.

A nomeação desse militante de direita para a presidência da Fundação Cultural Palmares significa mais um gesto simbólico do notório desrespeito do atual governo por todas as causas dos direitos civis. É apenas isso, o que é péssimo. Entretanto, o fato não garante salvo conduto para os progressistas liberarem seu racismo reprimido contra o negro em evidência do momento. O negro é sempre um incômodo, para o bem ou para o mal.

Se já é fácil injuriar uma pessoa negra mesmo que ela não tenha feito nada de censurável, imagine então quando uma pessoa negra é tóxica ou cai em algum tipo de contradição.

A propósito, quem lembra que Diego Hypólito simpatiza com o nosso homofóbico presidente? Por que, de repente, esquecemos de milhares de mulheres e gays bolsonaristas? Afinal de contas, qual a surpresa de haver negros no lado do protofascismo lacrador? Não estou defendendo nenhum tipo de resignação, apenas constatando um fato.

Então você não vai criticar o novo presidente da Fundação Cultural Palmares? O racismo inadvertido e/ou oportunista da branquesia o fará por mim. Difícil é conter a crítica dura em relação às falas discriminatórias de Sergio Nascimento de Camargo –  crítica que pode e deve ser feita por negros e brancos comprometidos com as lutas da população negra –, porém, sem que isso se transforme em rendição ao racismo inercial com que nos toleramos minimamente.

Em relação ao abaixo assinado que já circula na internet, pedindo a destituição do atual presidente da Fundação Cultural Palmares, e em que pese a boa intenção, só uma coisa pode ser dita: é inócuo. Mesmo que seja exitoso, a troca será de seis por meia dúzia. Alguém me diga de que adiantou, por exemplo, a mudança no comando do Ministério da Educação?

Qualquer um que venha a ocupar um cargo nesse governo é um colaboracionista do protofacismo, portanto, os ataques meramente pessoais ao presidente da Fundação, esquecendo convenientemente a circunstância em que ele está implicado, são seletivos e racistas. Por isso mencionei os ouvidos moucos dos progressistas e antirracistas às afirmações do poeta Antonio Risério em relação aos ativismos negros e que diferem muito pouco das apresentadas por Sergio de Camargo.

A Fundação é uma mera extensão da ideologia do governo Bolsonaro. Esse político, saudado por um ex-líder da Ku Klux Klan como uma espécie de igual, e que acredita que não escravizou nenhum negro e que nega nosso racismo cotidiano, só poderia mesmo autorizar o nome de um subalterno, negro ou branco, que defendesse suas ideias. Ou seja, só nominalmente a Fundação é hoje um equipamento voltado aos interesses e problemas dos negros. Como alguém já disse, se o Ministro do Meio Ambiente não mede esforços para se indispor com os ambientalistas, se seu colega da Educação se ocupa em destruir as políticas públicas para a educação, então, o que se poderia esperar do sujeito que fosse guindado à presidência da Fundação Cultural Palmares? Não há o que remediar. É necessário encarar a situação sem ingenuidade e sem temor. A Fundação, certamente, não é mais aquela. E, diante das circunstâncias, não há motivo para crer que pode nos representar.

Post-Scriptum

Nove jovens morrem em decorrência de ação policial em baile funk. São Paulo, Paraisópolis. Eruditos, denunciamos: isso é necropolítica! Acontece que o conceito que usamos não faz a menor diferença para o Estado e a sociedade dos cidadãos de bem. Cada episódio desse genocídio (outro conceito que está indo para o ralo) não passa de uma “operação desastrosa” das forças policiais. Os excessos serão investigados, dizem os representantes do alto escalão.

Felizmente a literatura nos salva. Salva quem, afinal? Brancos adoram ler relatos de escritores negros que narram os transes de uma vida de negro. Gente que não passa fome adora ler os relatos impactantes dessa galera que passa fome.

*Ronald Augusto é poeta, músico, letrista e ensaísta. É autor de, entre outros, Homem ao Rubro (1983), Puya (1987), Kânhamo (1987), Vá de Valha (1992), Confissões Aplicadas (2004), No Assoalho Duro (2007), Cair de Costas (2012), Decupagens Assim (2012) e À Ipásia que o espera (2016). Dá expediente no blog www.poesia-pau.blogspot.com e e escreve quinzenalmente no http://www.sul21.com.br/jornal/

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: