Texto e fotos: Fernando Halal

Em 2h30min de show, músico exibiu o seu talento multifacetado

Ah, o underground gaúcho… sempre nos reservando belos prazeres. Esta semana, um novo capítulo dourado engrossou as páginas desse novelão insólito que é o rock made in RS. Jupiter Apple, o nosso rockstar por excelência, fez o seu primeiro registro oficial em DVD. Quem viu, concorda: foi cinematográfico.

Ao contrário dos artistas que, a certa altura da carreira, assumem um cosplay de si mesmos e mandam ver em repertórios no piloto automático, Jupiter enxerga arte também nesse tipo de mídia. No palco ele foi Apple, foi Maçã, foi Flávio Basso, foi Woody. Foi crooner, guitar hero, glam, mod, bossa-novista, krautrocker. E assim, triturando gêneros e estilos, sempre com o frescor intacto, ele entregou um novo clássico.

Com a multidão se aglomerando impaciente em frente ao palco do Opinião, o show tem início com uma hora de atraso. Palco armado, câmeras “on”, sobem as cortinas e entram os primeiros acordes de “Modern Kid”. É o velho Jupiter em plena forma. Empunhando sua reluzente Danelectro e fazendo a dancinha habitual, ele conduz o espetáculo sob um gritedo constante. A matadora sequência “Querida Superhist x Mr. Frog”, “Síndrome de Pânico”, “So You Leave The Hall” e “Little Raver” deixa a pergunta no ar: como uma discografia dessas ainda está fora de catálogo?

Em se tratando de Jupiter, era evidente que os convidados seriam escolhidos a dedo. O violino de Hique Gomez e o acordeon de Bibiana Graeff (ex-Space Rave) trouxeram dramaticidade a “A Land & A Maid In The Bloom” e “Mademoiselle Marchand”.

Com a cítara de Lúcio Vassarath, então, o transe foi completo. Sentado ao chão acarpetado e à meia-luz, ele dedilhou as notas serpentinas da trinca “Beatle George”, “Plataforma 6” e “As Tortas e as Cucas”. Só faltou o incenso.

Mas Jupiter, convém lembrar, está limpo. E espirituoso: entre um gole e outro de energético, arranca risadas ao relembrar alguns episódios surreais, como a vez em que, visitando Paris, abraçou e beijou o prédio onde morava Serge Gainsbourg.

Conjunto Bluegrass, de Petracco (C), transformou o Opinião em festa country

As participações especiais continuam. Sob a alcunha de Hamburg Black Cats, nova formação (destaque para a bateria robótica, quase industrial de Clegue França) e petardos como “Seventy Man”.

É hora do reencontro com outro amigo de décadas. De bandolim na mão, Márcio Petracco (ex-TNT) apresenta seu excelente Conjunto Bluegrass Portoalegrense. O cenário muda por completo e ganha ares de acústico. Entram em cena violino e baixolão, e o grupo pede silêncio para que a gravação saia bacana. Durante as três canções executadas (entre elas “Lovely Riverside”, pérola resgatada do álbum Bitter), o bar se transforma em uma grande festa country.

Lúcio Vassarath emprestou sua cítara a “Beatle George” e outras

Entre os fãs das antigas, era fácil identificar qual seria o momento mais esperado. “Nei Van Sória vai tocar! Vai rolar Casca!” era o comentário mais ouvido nas rodas de conversa. Quando o elegante ex-Cascavelettes foi anunciado ao microfone (“ao lado desse cara, eu quis montar uma banda que fosse melhor que Beatles e Stones juntos”) e deu início à base de “Lobo da Estepe”, houve quem chegasse às lágrimas. A dupla dividiu as cordas também em “All I Have To Do Is Dream” (Everly Brothers) e “Love Me Do”, de você-sabe-quem. Emoção pura.

Pouco antes do bis, Jupiter institucionaliza entre a plateia o grito de ordem “we want Apple!” e é prontamente atendido. No retorno ao palco, nada menos que “Marchinha Psicótica de Dr. Soup”. Em seguida, “Cachorro Louco” do TNT é um momento lindo de viver: várias rodinhas de pogo se abrem ao som guitarrístico de Petracco, que voltara para a canja final. O grand finale fica a cargo do hino “Um Lugar do Caralho”, quando o pogo se transmuta em inferno vermelho.

Em resumo, com a permissão da expressão, uma noite do caralho. Que venham logo o DVD e novos projetos. We want Apple!

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *