...

Livro revisita protagonistas do Novo Jornalismo

Recém-lançado nos Estados Unidos, A turma que não escrevia direito (392 páginas, Record, R$ 54,90), do americano Marc Weingarten, chega às livrarias brasileiras amanhã (27/9). O livro aborda a trajetória dos homens e mulheres que fizeram parte do movimento que reinventou o texto jornalístico. A tradução é do jornalista Bruno Casotti.

Nas décadas de 1960 e 1970, escritores americanos, como Tom Wolfe, Gay Talese, Hunter S. Thompson, Joan Didion, Michael Herr e John Sack, se rendeu ao que faziam Truman Capote e Noman Mailer, dois notáveis, para agregar uma narrativa mais próxima da literatura aos jornais e revistas norte-americanos. Surgiu, assim, o movimento chamado de Novo Jornalismo.

Para dar luz ao livro, Marc Weingarten entrevistou vários integrantes do grupo que reinventou a maneira de reportar a guerra, o consumo de drogas, a política e a vida americana. A obra conta como foram as conversas que originaram as pautas que romperam o paradigma da notícia tradicional e burocrática.

Weingarten é autor também de Who’s Afraid of Tom Wolfe? (Quem tem medo de Tom Wolfe?) e Station To Station: The Secret History of Rock & Roll on Television (De canal a canal: a história secreta do rock and roll na televisão), ambos ainda sem edições brasileiras.

Ler mais sobre
Gay Talese encerrou as discussões do penúltimo dia do 4º Congresso Internacional de Jornalismo Cultural.(Crédito: Revista Cult)
Coberturas Memória e patrimônio

Ele só queria contar histórias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.