Os coadjuvantes Melissa Leo e Christian Bale roubam a cena em "O Lutador" (Crédito: Imagem Filmes)
Os coadjuvantes Melissa Leo e Christian Bale roubam a cena em "O Vencedor" (Crédito: Imagem Filmes)

Se há uma modalidade esportiva que costuma produzir bons filmes, essa é o boxe. Foi assim com Rocky (filme de 1976 com Stallone), Menina de Ouro de Clint Eastwood (mais recente, de 2004) e Touro Indomável de Scorsese (na minha opinião o melhor deles). Deve render bons filmes porque o ambiente do boxe favorece duas narrativas clássicas: a da superação e a do declínio. O complicado, e é aí que nasce o nível de sua qualidade, está justamente no modo como o cineasta vai mostrar essa trajetória. Em Touro Indomável, por exemplo, Martin Scorsese fez poesia com a câmera acompanhando os passos de Jake LaMotta (papel de Robert DeNiro) utilizando, inclusive, peças de música clássica enquanto o boxeador se movimentava pelo ringue. Ao mesmo tempo, acompanhávamos seu vício em álcool e drogas, que levou sua carreira ao limbo.

Diferentemente do filme de boxe de 1980, O Vencedor*, do diretor David O. Russell, acompanha a tão almejada ascensão do boxeador Micky Ward. O início do filme, entretanto, já nos dá a dica de quem realmente brilha: é apresentado o irmão de Micky, Dicky Ward, um ex-boxeador que se orgulha por ter derrubado Sugar Ray em uma luta realizada no final da década de setenta. Ele é conhecido em toda a região de Lowell e agraciado por ter colocado a pequena localidade no mapa. Poderia realmente ter sido um gênio se não tivesse se viciado em crack

É nesse momento que o filme cria um “choque interno” em relação a sua própria narratividade. Qual personagem seria mais interessante de se acompanhar? O maluco, drogado e talentoso boxeador Dicky Ward ou o seu irmão em busca do título mundial? É um problema que o filme demora um pouco a resolver, pois só fica realmente definido quem é o protagonista – que acaba se tornando mesmo o Micky, aliás, interpretado por um morno Mark Wahlberg – perto da metade do filme.

A partir daí acompanhamos a busca de independência de Micky da sua família – principalmente da mãe que também é a sua empresária e do irmão que é seu treinador –, a  fim de tratar mais profissionalmente sua carreira. A relação que constrói com a sua namorada Charlene o ajuda a cortar o cordão umbilical.  Depois dessa separação, observar-se-á um conflito muito bem conduzido pelo diretor Russel: Micky, mesmo ciente que o irmão pode mais atrapalhar do que ajudar devido ao seu vício, sabe que não pode ganhar o título mundial sem a ajuda do talento nato de Dicky. O que Russell faz? Coloca a cena mais tensa, aquela que representa a luta interior dos personagens, em cima do ringue. É ali  no ringue do ginásio de treino que os três personagens chaves (Dicky, Micky e a mãe, Alice) buscam se entender. Só que ao invés de socos, são desferidos palavras ressentidas pelo lado de Micky contra Alice, que sempre o colocou como uma sombra de Dicky.

Nesse momento é que os dois talentos que mais chamam a atenção durante O Vencedor justificam suas vitórias como atores coadjuvantes no Globo de Ouro e a alcunha de favoritos também para o Oscar. Dicky, Christian Bale, e Alice, Melisa Leo, conseguem traduzir com muita atenção seus personagens coadjuvantes, porque ajudam o personagem principal a evoluir a partir das transformações de seus atos. Depois da cena em cima do ringue, Dicky toma atitudes diferentes e passa a pensar no melhor para o seu irmão, assim como Alice que compreende que deixara Micky em segundo plano durante boa parte de sua vida. E, assim, quando os dois personagens coadjuvantes extremamente carismáticos evoluem e ajudam o protagonista em sua busca final, no caso o título mundial do boxe, fica evidente que O Vencedor é um filme de coadjuvantes, uma história que é mais bonita e atrativa pelos “cantos” do que pelo “meio”.

* Indicado ao Oscar de Melhor Filme, Melhor Roteiro Original, Melhor Ator Coadjuvante e Atriz Coadjuvante, entre outros.

Jornalista, Especialista em Jornalismo Digital pela Pucrs, Mestre em Comunicação na Ufrgs e Editor-Fundador do Nonada - Jornalismo Travessia. Acredita nas palavras. Twitter: @rafaelgloria
Deixar um comentário

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support