O artista premiado vai representar o Brasil na Bienal de Veneza deste ano (Crédito: Bienal de São Paulo/ Divulgação)

A maior distinção espanhola da área das artes plásticas foi concedida neste ano a um artista radicado no Brasil. Artur Barrio, que utiliza restos de comida, sangue, carne, pedras, terra e desperdícios entre outros elementos para realizar as suas obras, venceu o Prêmio Velázquez das Artes Plásticas 2011. O anúncio foi realizado nesta terça-feira, dia 10, pela ministra da Cultura espanhola, Ángeles González-Sinde. Ela ressaltou do universo de Barrio “a construção de uma poética radical, que produz uma relação e um eco com as situações políticas e sociais.”

Artur Barrio é português do Porto, nascido em 1945, que deslanchou a carreira artística depois de 1965, quando se mudou para o Rio de Janeiro. Seu trabalho é caracterizado por na maioria das vezes não poder ser guardado em museu: ele trabalha com a arte conceitual valorizando a experiência como um todo com o objeto artístico, e não só a imagem. Utilizando materiais baratos e perecíveis, ele realiza o que a imprensa internacional apelidou de “arte visceral”, bastante chocante.

Uma das obras mais conhecidas de Barrio foi criada durante a ditadura militar brasileira, quando ele depositou trouxas ensanguentadas nas margens de um córrego na cidade de Belo Horizonte. Chamou assim a atenção da polícia e dos passantes para triste situação do país no que tocava os direitos humanos, a partir de uma ideia barata e significativa. Neste ano de 2011, o artista foi selecionado pela Fundação Bienal de São Paulo para representar o Brasil na 54ª Esposizione Internazionale d’Arte – Biennale di Venezia, que acontece de 4 de junho a 27 de novembro em Veneza/Itália.

Desde 2002, o Prêmio Velázquez agracia anualmente artistas de todo o mundo. Neste ano o valor do prêmio foi de 125 mil euros. A seleção é feita por um júri composto por pessoas ligadas à arte de diversos países, a partir de indicações de academias de belas artes, museus de arte moderna e contemporânea, associações de críticos de arte e outras instituições de artes plásticas. A artista agraciada no ano passado, a colombiana Doris Salcedo, compôs o júri neste ano.

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support