Livros eletrônicos podem ser equiparados aos livros em papel, isentos de impostos (Crédito: arquivo/divulgação)

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou ontem, dia 17 de maio, o projeto que determina a isenção de impostos para livros eletrônicos. Trata-se de uma alteração proposta pelo senador Acir Gurgacz (PDT-RO) na Política Nacional do Livro, de 2003, de forma a tornar os livros eletrônicos equivalentes aos livros de papel no que diz respeito à tributação.

O projeto ainda vai ser votado na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado, antes de ser encaminhado para a Câmara dos Deputados. Se for sancionado, aparelhos que suportam as publicações eletrônicas receberão o mesmo tratamento do governo que os livros tradicionais, os periódicos e o papel destinado à impressão destes recebem.

Segundo o senador que fez a proposta, trata-se de uma ampliação no conceito de livro que vai ao encontro do que está determinado na própria Política Nacional do Livro, quando se pensa em ampliação do acesso à leitura. O texto constitucional que será revisado, caso o projeto em questão vá adiante, deve focar na facilitação do acesso aos vários meios de expressão, independentemente do suporte.

A difusão dos livros eletrônicos vem gerando um forte impacto no mercado editorial em alguns países. No Reino Unido a empresa Amazon, por exemplo, afirmou que tem vendido mais livros eletrônicos do que livros em papel. O projeto citado reforça que a discussão sobre o assunto também vem crescendo no Brasil.

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support