Lívia Motta é uma das maiores especialistas em Audiodescrição do País (Crédito: Divulgação)

Lívia Maria Villela de Mello Motta é professora doutora em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela PUC de São Paulo e trabalha como audiodescritora e professora de cursos de audiodescrição desde 2005, sendo responsável pela elaboração de roteiros e formação de audiodescritores no Teatro Vivo. Recentemente ela organizou junto com Paulo Romeu Filho o primeiro livro brasileiro sobre o tema, o Audiodescrição: Transformando Imagens em Palavras. Nesse bate papo que tivemos com a Lívia por email ela nos contou um pouco sobre seu trabalho com a AD e o livro que lançou sobre o assunto.

Nonada – Como a audiodescrição ajuda na inclusão cultural de pessoas com deficiência visual?

Lívia Motta – A audiodescrição é um recurso de acessibilidade comunicacional que amplia, e muito, o entendimento das pessoas com deficiência visual em produtos audiovisuais. Ela permite uma equiparação de oportunidades, ou seja a pessoa com deficiência visual pode assistir e entender, assistir e comentar, assistir e tecer suas considerações a respeito do filme, peça de teatro ou outro espetáculo, sem depender de um amigo ou parente para lhe explicar aquilo que não pôde compreender pela falta da visão. Com o recurso, esse público, que tem sido historicamente e culturalmente excluído das artes visuais, poderá aprender ou reaprender a apreciar este tipo de arte, e passará também a consumir produtos culturais.

A formação de plateia, de um novo público consumidor, ávido por mais opções de entretenimento acessível, tem sido realmente um grande desafio. O Teatro Vivo, o primeiro teatro brasileiro acessível às pessoas com deficiência visual, tem apresentações de peças com audiodescrição todos os domingos, desde 2007, e dispõe de uma cota de convites para pessoas com deficiência visual, auditiva e surdos. Além de fazer a formação de audiodescritores e a elaboração de roteiros para as peças que lá são exibidas, também envio convites para as pessoas com deficiência visual, confirmo presença e, posteriormente, solicito o feedback. Este trabalho tem sido fundamental para a divulgação da audiodescrição, para o aprimoramento do recurso e para a formação desse novo público consumidor de cultura.

Nonada – Como foi o processo de criação do livro “Audiodescrição Transformando Imagens em Palavras”?

Lívia Motta – O livro organizado por mim e por Paulo Romeu Filho, o articulador do movimento pela audiodescrição no Brasil, e publicado pela Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, é uma coletânea de artigos e depoimentos de audiodescritores, pessoas com deficiência visual e pessoas videntes engajadas na luta pela implementação do recurso na televisão brasileira. É uma mostra significativa da produção intelectual brasileira sobre o tema, que registra os trabalhos pioneiros em filmes, documentários, óperas, peças de teatro, comerciais, festivais; além de apresentar um histórico e panorama brasileiros e a saga das leis e decretos. Reunir tudo isso, discutir terminologia e fazer o alinhamento teórico de todo o material, foi um trabalho intenso e demorado. Marco Antonio de Queiroz, o autor do prefácio, foi nosso interlocutor neste trabalho. O livro está disponível para download em diversos formatos acessíveis no site da Secretaria: http://www.centroruibianchi.sp.gov.br/sis/noticias.php?c=209, no site VER COM PALAVRAS: http://www.vercompalavras.com.br/livro e no Blog da Audiodescrição: http://blogdaaudiodescricao.blogspot.com/

Nonada – Qual o objetivo do livro e qual a importância desse tipo de literatura para a evolução do estudo sobre audiodescrição?

Lívia Motta – O livro objetiva informar profissionais de TV, cinema, teatro, museus e outras artes visuais, assim como professores e alunos de cursos de audiodescrição, profissionais da área de Letras, Tradução, Comunicação e Artes, Educação e outras ligadas a questões de acessibilidade. Além disso, servirá como material de referência e apoio técnico-teórico para pessoas que buscam conhecer a técnica, que frequentam os cursos de formação de audiodescritores e que já trabalham com pessoas com deficiência visual.

O registro das experiências e pesquisas já realizadas no Brasil é muito importante para podermos dar continuidade aos estudos, e um incentivo para alunos e pesquisadores a investigarem os mais diversos gêneros e práticas como também as preferências do público com deficiência visual.

Nonada – Há muita pesquisa nessa área?

Lívia Motta – A pesquisa nesta área vem crescendo no Brasil, com trabalhos expressivos em algumas universidades federais como na Bahia, Pernambuco, Ceará, Distrito Federal e Minas Gerais. O professor Francisco Lima, por exemplo, da Universidade Federal de Pernambuco é o responsável pela organização da Revista Brasileira de Tradução Visual, uma publicação eletrônica, trimestral, de acesso gratuito, que discute a audiodescrição, legendagem, acessibilidade cultural entre outros temas.

Nonada – Qual a importância da classe artística para a evolução da audiodescrição no País?

Lívia Motta – O conhecimento sobre acessibilidade cultural e comunicacional é algo que precisa chegar até a classe artística, pois, desta forma, a audiodescrição poderá ser viabilizada em outras produções. Atores, produtores culturais, diretores, cineastas e outros profissionais desta área precisam saber que a arte pode também chegar até outros públicos e que o público com deficiência visual pode ver com palavras toda a riqueza dos cenários, dos figurinos, pode conhecer os personagens e suas características físicas, acompanhar o desenrolar do enredo com as entradas e saídas no palco ou na tela, os gestos e trejeitos, e tudo o mais. Para isso, preparamos um roteiro minucioso e de dentro de uma cabine transmitimos para fones de ouvido e receptores todas essas informações que farão toda a diferença para as pessoas com deficiência visual. Em filmes, programas de TV, a audiodescrição poderá ser gravada.

Nonada – E qual é a receptividade dos deficientes visuais? Há alguma história que mais lhe marcou?

Lívia Motta – É algo marcante perceber a emoção das pessoas com deficiência visual ao assistir um espetáculo com audiodescrição pela primeira vez. A ópera, por exemplo, é um espetáculo grandioso e ainda tão elitista, que mistura canto lírico com artes cênicas, música instrumental, literatura, poesia e dança, geralmente cantado em italiano. Os cenários, os figurinos são sempre magníficos e, sem acessibilidade, nada disso pode ser conhecido pelos cegos e pelas pessoas com baixa visão. Neste tipo de espetáculo, além da audiodescrição, também é necessário fazer a leitura das legendas.

Em uma parceria da Vivo com o Theatro São Pedro e a APPA – Associação dos Amigos das Artes, já foram oito as óperas exibidas com audiodescrição neste lindo teatro tombado pelo patrimônio histórico. Mais de 1000 pessoas com deficiência visual e seus acompanhantes puderam participar e se emocionar com Cavalleria Rusticana, Pagliacci, O Barbeiro de Sevilha, Tosca, Rigoletto, Don Pasquale, Norma e A Viúva Alegre.

As mulheres cegas, geralmente, deliram com os vestidos longos bordados com fartos decotes, os chapéus, babados, mangas bufantes e outros adereços; os homens com os heróis traídos, as tramas e intrigas, as poéticas declarações de amor. O depoimento abaixo ajuda a compreender o que a audiodescrição significa para a pessoa com deficiência visual:

“Acredite, este foi um dos mais maravilhosos espetáculos que eu já assisti. Eu nunca havia assistido a uma ópera, e acreditava que não iria gostar muito, e que talvez não fosse compreender,  por ser esse um espetáculo todo musical. Mas qual não foi minha surpresa, quando pela audiodescrição eu além de compreender tudo o que se passava, me senti imensamente feliz porque até o repertório musical elas nos descreveram, sobre tudo o que cantavam e gestos que faziam, a sensação é de que realmente eu estava enxergando tudo.

Fiquei fascinada, desta vez inclusive me senti bem localizada. As audiodescritoras descreveram todo o ambiente interno, as cores das paredes laterais do palco, as cortinas, o lustre central do teatro… A descrição completa das vestes e dos acessórios dos atores, dos cantores, de tudo,, para mim foi perfeito…”

Nonada – A senhora ministra cursos de audiodescrição. Há muita procura? Qual deve ser o perfil do interessado? Como funciona esses cursos?

Lívia Motta – Ultimamente, a procura por cursos de audiodescrição tem aumentado. Acredito que com o início da veiculação da programação com audiodescrição na televisão a partir de 1º de julho, a procura cresça ainda mais. É uma nova profissão que exige dos interessados um bom comando da língua portuguesa, conhecimento sobre a deficiência visual, senso de observação, fluência verbal, bom repertório cultural, conhecimento sobre acessibilidade cultural. Pessoas com graduação em Letras, Rádio e TV, Cinema, Comunicações, Artes Cênicas, Locução, terão mais facilidade para desenvolver as habilidades necessárias. Entretanto, percebo que mesmo pessoas que são de outras áreas, se identificam bastante com o recurso.

Os cursos têm, em média, duração de 45 horas e são compostos de encontros presenciais e atividades em ambiente virtual de aprendizagem, mesclando aspectos teóricos com atividades práticas.

2 comentários em “Transformando imagens em palavras”

Deixe uma resposta

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support