Fotos: Fernando Halal

Um dos projetos musicais mais bacanas surgidos recentemente, o Discografia Rock Gaúcho já proporcionou a muita gente a possibilidade de ver bandas que não estão mais na ativa – como De Falla e Graforréia Xilarmônica – tocando álbuns clássicos de cabo a rabo. Nesta quinta-feira, 29 de setembro, porém, as atrações foram dois grupos que não encerraram as atividades: Bidê ou Balde e Tequila Baby. Ambas bandas nascidas em meados dos anos 90, elas executaram seus discos de estreia em um Opinião praticamente lotado. As apresentações marcaram o aniversário de um ano do projeto.

Vivi, vocalista e tecladista da Bidê ou Balde, arrancou suspiros da plateia

A Bidê ou Balde subiu ao palco primeiro, mandando ver “Melissa”, maior hit de Se Sexo é o que Importa Só o Rock é Sobre Amor (2000), e o ótimo cover de “Buddy Holy”, do Weezer. Após “Tudo Bem”, uma pontinha de decepção: “E Por Que Não”, uma das faixas mais conhecidas do disco de estreia da Bidê, continua sob censura por causa de sua suposta “apologia à pedofilia”, e acabou impedindo a execução do disco na íntegra. A boa sacada da banda foi substitui-la por uma música de nome semelhante, “Porque Não”, dos Replicantes, que ganhou uma levada mais cadenciada.

Mesmo tendo os hits do álbum tocados logo no início do show, o grupo conseguiu mostrar que seu debut sobreviveu bem ao tempo. Carlinhos Carneiro continua sendo um frontman de peso (sem trocadilhos, por favor), com tiradas hilárias e muita interação com a plateia. É inevitável que divida a atenção com a vocalista e tecladista Vivi Peçaibes, certamente uma das mulheres mais bonitas do rock nacional – os suspiros e comentários na pista não deixam mentir…

Após a execução (quase) completa de Se Sexo é o que Importa Só o Rock é Sobre Amor, a Bidê emendou algumas músicas de outros discos: “Microondas”, Me Deixa Desafinar” , “Bromélias” e “Mesmo que Mude”. Como três delas estão no CD/DVD Acústico Bandas Gaúchas, da MTV, praticamente todo mundo cantou junto.

James Andrew, da Tequila Baby, e sua performance energética que contagiou os fãs

A Tequila Baby, que levou um séquito de seguidores “fardados” com camisetas da banda, também escolheu tocar seu primeiro álbum, autointitulado. Lançado em 1996, o disco tem as letras mais simples e debochadas da banda, e, pela reação do público, segue sendo um dos preferidos dos fãs.

A rápida “Balada Sangrenta” já provocou as primeiras rodas punk na pista, que continuou com o cover de “Minha Menina”, de Jorge Ben Jor. Os integrantes remanescentes da formação original, Duda Calvin  (vocais) e James Andrew (guitarra) se destacam pela postura oposta no palco: o primeiro, praticamente estático; remete à postura do ídolo Joey Ramone; já o segundo não fica um minuto no mesmo lugar, interagindo com os fãs do gargarejo a todo momento e dando alguns saltos inusitados.

“2×2”, de Wander Wildner, “Tira o Sutiã, Tira a Calcinha” e a megaclássica “Sexo, Algemas e Cinta-Liga” são músicas que até quem não é fã sabe a letra, mas o refrão hardcore de “Prefiro sua Mãe” foi que arrancou as reações mais empolgadas do pessoal do mosh.

Show terminou com jam entre Carlinhos Carneiro e a Tequila Baby

 

No bis, a Tequila preferiu deixar de lado os sucessos dos álbuns posteriores e mandou uma série de covers, começando por “Territorial Pissings”, do Nirvana. “Last Caress”, do Misfits, e “Teenage Lobotomy”, do Ramones, mativeram o clima de tributo do final do show, que ficou ainda mais bacana com o inédito dueto de Duda Calvin e Carlinhos Carneiro em  “Basket Case”, do Green Day, e “Blitzkrieg Bop”, outra do Ramones. E ao som de muitos “hey ho, let’s go” terminou uma das melhores noites do Discografia Rock Gaúcho, com o mérito de reunir duas das bandas mais bem-humoradas do Rio Grande do Sul.

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support