Por Edgar Aristimunho*

Reunião de crônicas escritas ao longo da vida do escritor (Crédito: Alfaguara)

Durante sua vasta produção literária, centrada nos extensos romances, o português António Lobo Antunes jamais abandonou a crônica, gênero tão rico em terras brasileiras e tão sentimental em terras além-mar. Lançada recentemente, As coisas da vida (Alfaguara, 2011, 231 pg.) é a reunião de crônicas escritas pelo autor ao longo de diferentes e espaçados anos. Os temas são incidentais, mergulha na psicologia dos eventos, como, aliás, aí se concentra a força da obra do autor. Estamos diante de um apanhado digno de um dos últimos grandes escritores de uma geração que produziu gigantes como José Cardoso Pires e José Saramago. Este último com quem Lobo Antunes teria duelado literariamente pelo posto de maioral nas letras lusitanas – uma guerra de vaidades muito mais incitada pelos leitores do que de fato existiu – a parte disso o autor é reconhecido hoje pela profundidade psiquiátrica de sua obra e personagens, e não seria no campo da crônica que António Lobo Antunes aliviaria para o leitor.

As coisas da vida é um livro composto por 60 crônicas divididas em sete partes e que não seguem nenhum ordenamento lógico ou temporal. O leitor é atirado na doçura dos primeiros títulos que remetem à primeira infância (Descrição da infância), mas logo o erro se desfaz: mesmo ao lembrar dos primeiros anos Lobo Antunes é um cruel observador do ser humano que se forma escondido nos vãos deixados pelos adultos e seus dramas. Na segunda parte, Retrato do artista, temos o melhor do livro para quem busca conhecer o retrato do artista quando jovem que foi Lobo Antunes. Seu escárnio e desprezo pela publicidade (e aí o choque era real com a celebridade comportada em que se tornou o radical e visceral José Saramago de O evangelho segundo Jesus Cristo e Ensaio sobre a cegueira) e pelas premiações divertem o leitor. Mas para além da diversão estão também todas as angústias de quem um dia perde a inspiração (o belo texto A crónica que não consegui escrever). As outras partes do livro se alternam entre o demasiado humano que há na linha perceptiva de um escritor do porte de António Lobo Antunes e as observações absolutamente incidentais de fatos pequenos do cotidiano que neste caso, nas mãos de um artesão da palavra, viram literatura universal. A tal ponto que As coisas da vida, Esta maneira de chorar e Antes que anoiteça formarem três partes de uma sinfonia na qual o autor nos apresenta um verdadeiro “ensaio sobre o entendimento humano”. Nenhuma pretensão há quando estamos nos referindo ao carpinteiro das letras que escreveu de Os cus de Judas, Manual dos Inquisitores e O arquipélago da insônia, títulos que ao longo dos anos mostram a inquietação de um artista enquanto maduro.

Lobo Antunes é um dos grandes escritores português de sua geração. (Crédito: Divulgação)

A grande força do livro parece vir de sua segunda parte: Retrato do artista. É nesta parte desta reunião de crônicas que António Lobo Antunes consegue despir parte de suas dúvidas e ovulações quanto ao ato mesmo em si de escrever, de ser o portador de uma verdade provisória e nem sempre coerente. E ele se banha nesses pequenos entrechos a que rigorosamente chama crónicas, mas que em verdade cavalgam pelos mesmos trilhos do estilo rebuscado e profundamente psicológico de outro mestre, William Faulkner. E é como Lobo Antunes nos dissesse a todo instante – como faz na crônica Não entre por enquanto nesta noite escura – que o oficio do escritor é doloroso porque é trabalho operário de quem constrói sua escrita por finas camadas de pensamentos, pela alternância de narradores, pelas mudanças bruscas de tempo-espaço, qualidades que são capazes de deixar o leitor no seu melhor ápice: na dúvida.

As coisas da vida é um livro de incertezas, sim, mas todas elas falam sobre a nossa capacidade de olhar e ao mesmo tempo capturar no cotidiano trivial do dia-a-dia o sentido maior não só de uma obra literária que já produziu obras fundamentais da literatura de língua portuguesa, mas da vida em si mesma. Daí o título. Daí a leitura atenta que não se deixa levar pela aparente suavidade das ondas de um gênero “leve”, como a crônica, pois António Lobo Antunes produz excelente literatura em nos colocar diante da humanidade em poucas laudas. Sim, as narrativas são curtas e possuem uma intensidade assustadora, sem jamais abandonar o leitor ao desconforto da descoberta. É uma literatura que nos mostra que o desconforto está tanto nos atos e nos fatos, como nas pessoas e experiências. Como bom psiquiatra de formação, de quem viu os horrores da guerra colonial em África, António Lobo Antunes nos ensina isso.

*É escritor e revisor, com pós-graduação lato senso em Letras pela UniRitter. Tem publicado pela editoria Dom Quixote o livro de contos O Homem perplexo (2008) e participou da antologia Ponto de Partilha”. Escreve no blog O Íncubo (http://oincubo.blogspot.com)

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support