O Nonada segue a sua cobertura do Oscar 2012 com o filme A Invenção de Hugo Cabret. Acompanhe-nos para ficar por dentro dos filmes que têm (ou não) chance de levar alguma estatueta para casa.

A Invenção de Hugo Cabret tem 11 indicações ao Oscar (Crédito: Divulgação)

Scorsese fazendo filme infanto-juvenil? Onde estão os gângsteres, as traições? Os problemas modernos de uma sociedade contemporânea quebrada? Na verdade, temos a tendência a esquecer que o cineasta também já se aprofundou em outros temas além dos que estamos habituados, tais como New York, New York, de 1977 e A Época da Inocência, de 1993. Além do mais, ele é um dos criadores e diretores do prestigiado The Film Foundation, instituto a fim de preservar os filmes antigos, principalmente os mudos do começo do século passado. Há também o fato de Scorsese ter um grande interesse em documentários, principalmente no campo musical.

Dito isto, começamos a entender que Hugo Cabret é de fato todas essas últimas facetas juntas, o que só demonstra a versatilidade do diretor. Uma vez que o filme é uma mistura de história do cinema, com aventura fidedigna e recuperação de imagens clássicas da sétima arte. E de quebra uma homenagem ao francês Méliès, o primeiro a que se vale a alcunha de cineasta na história. O problema em escrever uma resenha sobre Hugo Cabret reside no fato de que é um filme apaixonante, principalmente para nós que gostamos de cinema. Logo, é preciso se afastar um pouco e observar com mais frieza, porque, apesar de ser um excelente filme, há alguns tropeços no roteiro. Mas, como toda história que se preze, vamos começar pelo começo, o enredo.

Ben Kingsley interpreta Méliès (Crédito: Divulgação)

O garoto que dá título a obra (papel de Asa Butterfield) perde o pai em um incêndio e é criado pelo tio alcoólatra, que trabalha na manutenção de relógios de uma grande estação em Paris. O pai (interpretado por Jude Law) lhe deixou um autômato quebrado que é capaz de escrever. O grande desafio de Hugo é consertar o robô e receber a tal mensagem. Sorte que Hugo herdou o talento do pai e é muito engenhoso para a mecânica. Vivendo praticamente sozinho, ele acaba roubando para se alimentar e também “pegando emprestadas” peças de um senhor (o sempre ótimo Ben Kingsley), dono de uma loja de peças e brinquedos. É importante frisar que essa estação em que se passa boa parte do filme é um microcosmo, uma mini Paris no pós-Primeira Guerra Mundial.  Só passear com os olhos e notar os tipos, e as situações já são gratificantes. Ainda mais com um belo 3D, que vem complementar o filme e que é tão significativo, porque ajuda a prestar uma homenagem para o cinema antigo e, ao mesmo tempo em que faz isso, também vislumbra um bom caminho para o futuro dessa técnica.

O problema maior de A Invenção de Hugo Cabret talvez esteja na demora em começar a aventura de fato. Somos apresentados a todos os personagens, arquétipos, o que é necessário – mas algumas ligações são lerdas, principalmente referente ao protagonista. Talvez porque ele não tenha força o suficiente na história, isto é, Hugo, na verdade, é um grande observador dos acontecimentos. Nesse sentido, Isabelle (Chloe Moretz) seja mais atraente, pelo seu natural espírito curioso e aventureiro. Voltando à história, tudo acaba se resolvendo quando descobrem que o tio de Isabelle é na verdade Méliès, o primeiro a começar a delinear o cinema, através da magia e dos sonhos (ele era um famoso mágico). Amargurado por ter sido esquecido nos dias atuais, ele reluta a olhar para o passado, mas as coisas mudam perto do fim do filme quando entra em cena um estudioso e pesquisador do cinema fã de sua obra.

É por aí que o filme também deixa um pouco a desejar, apesar de ser uma bela homenagem, acabamos caindo em uma espécie de didática, que nunca soa muito bem em um filme. É no mínimo estranho, mas ao mesmo tempo também é muito bonito visualmente, o modo como Scorsese faz isso. São aquelas cenas que invadem o cenário de produção dos filmes de Méliès, utilizando o 3D reapresentando cenas de alguns dos 500 filmes que Méliès produziu.

Apesar dessas rápidas reviravoltas mais para o fim da trama, A Invenção de Hugo Cabret é muito divertido e emocionante, principalmente para os cinéfilos e admiradores do cinema.

Jornalista, Especialista em Jornalismo Digital pela Pucrs, Mestre em Comunicação na Ufrgs e Editor-Fundador do Nonada - Jornalismo Travessia. Acredita nas palavras. Twitter: @rafaelgloria
Deixar um comentário

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support