Por Nicolas Sales*

Cabaret é um musical com mais de 40 anos. Sua primeira produção ganhou diversos Tony Awards (prêmio voltado para as peças da Broadway), incluindo o de Melhor Musical. Já a adaptação para o cinema levou oito Oscars. A mais nova versão brasileira chegou a Porto Alegre no Teatro do Sesi na última quinta-feira (21) e se despediu nesse domingo, dia 24, com praticamente todos os ingressos vendidos. O sucesso inesgotável do espetáculo comprova uma coisa: todos desejam passar uma noite em Berlim, no Kit Kat Club.

Musical é produzido e estrelado por Claudia Raia e tem versão brasileira assinada por Miguel Falabella (Crédito: Caio Gallucci)

Miguel Falabella é o responsável pelo roteiro e pelas letras em português das músicas originais. O seu grande triunfo é transformar a história multinacional em uma trama atraente para o público brasileiro. Dessa forma, a inglesa Sally, a principal atração do cabaré Kit Kat Club, e o seu desajustado romance com o escritor americano Cliff, enfim, todo esse contexto da Berlim nos anos 1930 que os rodeia torna-se uma realidade palpável através do coloquialismo da nossa língua. 

 A abordagem do enredo faz um importante contraste com a leveza do roteiro. O início da perseguição aos judeus, a promiscuidade no clube e a possível homossexualidade de Cliff são assuntos tratados com delicadeza e, ao mesmo tempo, profundidade. Além disso, a polêmica em volta de tais temas faz de Cabaret uma narrativa completamente atual. A sensação transmitida quando as imagens das suásticas descem no palco, por exemplo, é provocadora e marcante, denotando como a história permanece realista mesmo com o passar do tempo.

A montagem traz Claudia Raia no papel da cantora Sally Bowles (Crédito: Caio Gallucci)

Embora sejam de Claudia Raia e Guilherme Magon os papéis principais (Sally Bowles e Cliff Bradshaw), o destaque no elenco vai para Jarbas Homem de Mello, que interpreta o mestre de cerimônias do Kit Kat Club. A performance que o ator desenvolve durante o espetáculo é, em parte, produto da interação com a plateia, o que comprova a sua versatilidade a cada apresentação. Jarbas ainda assume uma linguagem corporal curiosa, misturando trejeitos masculinos e femininos, dando ao personagem a indefinição necessária para gerar controvérsia. Esses elementos também consagraram a atuação de Joel Grey, vencedor do Tony e do Oscar pela sua atuação na versão original e na adaptação para o cinema de 1972.

Os números musicais contam, ainda, com a coreografia de Alonso Barros, cuja marca do  trabalho é a sensualidade e o humor. Tais características ficam claras já no número de abertura, “Wilkmommen”, no qual o mestre de cerimônias apresenta os dançarinos enquanto a dança aperfeiçoa a definição dos seus nomes artísticos (Rosa, por exemplo, se exibe sensualmente enquanto o mestre diz que o seu nome deve-se ao fato de ela adorar mostrar o “botão”).  

 “Deixem os seus problemas lá fora”, pede o mestre de cerimônias, “aqui dentro, a vida é linda”. Cabaret há anos ousa lidar com temas controversos – a liberdade sexual, o nazismo, a prostituição – para transmitir a simples mensagem de que você pode parar de se preocupar e ser quem quiser. 

*Estudante de Jornalismo da  UFRGS

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support