Economista e urbanista colombiano palestrou em Porto Alegre (Crédito: Divulgação/Fronteiras do Pensamento)

Por Caetano Braun Cremonini*

Imagine uma cidade com grandes e largas calçadas. Uma cidade na qual todas as ruas tenham, também, ciclovias seguras. Uma cidade na qual a estrutura para o bom funcionamento do transporte público seja mais importante que a estrutura voltada para os veículos particulares. Uma cidade compacta, com pessoas nas ruas, bares, cafés, bibliotecas e lojas. Pois esse imaginar foi o exercício proposto pelo economista e urbanista colombiano Enrique Peñalosa na última segunda-feira, 18 de junho, em mais uma conferência do Fronteiras do Pensamento 2012.

Com uma palestra intitulada “Uma cidade mais sustentável e amável”, Peñalosa dissertou de maneira bem-humorada e articulada, constantemente ilustrando sua fala com fotografias urbanas. O público que lotou o Salão de Atos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul era aparentemente simpático às suas ideias, como demonstraram os muitos capacetes ciclísticos dos espectadores e os constantes e entusiasmados aplausos.

O palestrante estudou Economia e História na Duke University, na Carolina do Norte (EUA), e fez seu doutorado em Administração Pública na Universidade de Paris II (França). Ele foi prefeito de Bogotá pelo Partido Liberal entre os anos de 1998 e 2001, gestão responsável por medidas como o Transmilênio (sistema de transporte coletivo inspirado no de Curitiba), o Distrito dos Parques e o Distrito das Bibliotecas. A sua gestão também chamou atenção por ter rechaçado uma proposta de construção de vias elevadas da Agência de Cooperação Japonesa, voltando os recursos para o transporte público, recuperação de calçadas e construção de ciclovias. Foi responsável ainda pela proibição de estacionamento no passeio público da cidade, o que conseguiu após uma grande discussão política. Em 2011, tentou uma nova eleição para a Prefeitura de Bogotá, dessa vez pelo Partido Verde Colombiano, sendo derrotado por Gustavo Petro.

Segundo Peñalosa, há um conflito por espaço entre pedestres e carros. Para resolver esse conflito, é necessário fazer uma reflexão sobre o tipo de cidade que queremos. Essa reflexão, por sua vez, levará ao questionamento de como queremos viver, porque uma cidade é um meio para a vida humana. Uma boa cidade é, para o conferencista, como aquela imaginada no início do texto, com ricos e pobres se encontrando no espaço público, com crianças nas ruas e pessoas caminhando.

O urbanista afirmou que a humanidade tem feito cidades para carros nos últimos 80 anos, mas nem sempre foi assim. Cidades existem há mais de cinco mil anos. “Um dia olharemos para o século XX como um desvio na história humana, e as pessoas pensarão ‘como podiam viver em cidades como aquelas?’”, previu ele. Modelos urbanos com grandes vias, calçadas espremidas e pessoas sitiadas, “sem poder atravessar as ruas, como gado entre cercas”, ilustrou.

Dentre as muitas lutas que assumiu na prefeitura de Bogotá, talvez a mais árdua tenha sido retirar os carros das calçadas. “Eu tinha cabelos negros antes de tomar essa decisão”, brincou o agora grisalho Peñalosa. Sua posição está baseada no fato do estacionamento não ser um direito constitucional, e das calçadas não serem parentes das ruas. “Elas são parentes dos parques”, explicou. Por esse parentesco, devem ser largas, bonitas e seguras, para que as pessoas caminhem com tranquilidade. O sintoma de uma cidade doente se dá quando os shopping-centers tornam-se o espaço público, substituindo as calçadas. Colocar carros sobre a calçada com o argumento de que elas são grandes o suficiente para comportarem pessoas e automóveis é o mesmo que colocar carros nos parques, disse.

Ainda sobre a questão do planejamento da cidade, ele dissertou sobre um tema especialmente importante para Porto Alegre. “Frentes de águas são um tesouro”, devendo ser, portanto, públicas e com grandes espaços para pedestres. “Se Porto Alegre tivesse uma mega-ciclovia de cem quilômetros em frente ao rio, ela não só melhoraria a qualidade de vida de seus cidadãos, mas também seria famosa em todo o mundo. Sejam conscientes do tesouro que vocês têm, que nós (de Bogotá), não temos”, suplicou em meio aos aplausos da plateia.

Sobre as bicicletas, Peñalosa – que participou de um passeio ciclístico pela cidade no dia anterior – disse que elas tornam as cidades mais humanas, alegres, divertidas e sensuais. “Pode-se flertar de bicicleta, não é necessário ter um Maserati”, brincou. Se hoje as calçadas são um direito, um dia as ciclovias também o serão: “Ciclovias constroem igualdade. Sua existência mostra que um ciclista com uma bicicleta de 30 dólares é tão importante quanto um motorista com um carro de 30 mil dólares”, afirmou.

Tratando especificamente sobre a questão do transporte, o conferencista comentou que o transporte costuma piorar quando a economia melhora. Esse é o modelo que deve ser invertido, e essa parece ser uma reflexão bem apropriada para o atual momento brasileiro. De acordo com Peñalosa, a mobilidade só melhorará com um grande investimento em transporte público e com uma cidade compacta. Ele afirmou seu entusiasmo no sistema Bus Rapid Transit, que prevê vias específicas exclusivas para ônibus expressos. Polêmico, afirmou ser essa uma saída mais inteligente que o metrô, que é ótimo, mas tem um custo de construção e manutenção muito alto – além de esconder os usuários de transporte público sob a terra.

Peñalosa afirmou ainda que “mais vias não resolvem engarrafamentos”. O que resolve engarrafamentos, para o urbanista, são medidas que restrinjam o uso de automóveis particulares, como o aumento de impostos automotivos e restrição ao estacionamento nas ruas. Isso porque os engarrafamentos dependem do número de viagens e do tamanho das viagens que as pessoas fazem por dia, que são aumentados com a construção de novas vias.

Por fim, o colombiano deu a sua versão de uma boa cidade. E ela se parece muito com aquela imaginada no início do texto. “Uma boa cidade não é aquela em que até os pobres se utilizam de carros para se locomover. É aquela em que até os ricos se utilizam do transporte público para se locomover”, descreveu. Algo a se refletir, especialmente para as gestões das grandes cidades brasileiras, palcos de gigantescos engarrafamentos e avenidas. “Uma cidade deve pensar que todos os seres humanos são sagrados. E também, iguais”, finalizou.

Há de se concordar, Peñalosa.

* Estudante de Jornalismo da UFRGS.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support