...

De vento em popa

Por Riccardo Facchini
Fotos Michel Cortez

Tulipa Ruiz trouxe seu pop florestal para o Opinião

Quando Tulipa Ruiz entoou as primeiras notas de ‘É’, no Opinião, na quarta-feira, 19,  parecia que era seu disco tocando em playback. O domínio que a santista tem da sua voz é impressionante. A precisão com que alcança notas difíceis e passeia por diferentes técnicas e estilos evidencia uma cantora em ascensão com potencial para ser um dos grandes nomes da música brasileira.

Ela veio a Porto Alegre apresentar a turnê do seu elogiado e mais maduro segundo disco, Tudo Tanto, vencedor do Prêmio Multishow de melhor álbum. Sendo calorosamente recebida por um bom público, cantou com vigor todas as canções do novo registro e ainda algumas do primeiro, Efêmera, de 2010.

Depois de abrir com ‘É’, Tulipa, bem comportada, cantou ‘Ok’ e ‘Script’. Na sequência, quando foi de ‘Só Sei Dançar com Você’, ela começou a ser um tanto mais teatral, enrolando o cabo do microfone na cabeça e explorando o palco. A apresentação seguiu com ‘Pedrinho’ e voltou ao mais recente álbum com ‘Expectativa’, a rockeira ‘Like This’ e ‘Quando Eu Achar’. Sobre esta, a simpática cantora fez um comentário sobre o coro do final, dizendo ser uma espécie de “fado fake”, pedindo “consultoria” para um amigo português quando estava gravando.

O show continuou com ‘Do Amor’ e ‘Desinibida’, a qual foi chamada de “música carioca” –a música tem um quê de bossa nova–; o interessante nela é que Tulipa por momentos cantou como uma cantora lírica, solfejando com os violinos. Aí reside uma de suas maiores qualidades: ela vai do pop até amostras de erudito, passando por algo de psicodélico e experimental sem se perder, encaixando com competência tudo isso em seu autointitulado pop florestal. Em alguns momentos pode-se até ouvir ecos do trabalho dos Mutantes em suas canções. Além disso, ela articula com particular capacidade  alcances diferentes, indo de falsetes e agudos abertos mais gritados até tonalidades graves, apesar das poucas vezes em que estas são usadas.

A cantora venceu o Prêmio Multishow de Melhor Disco, por “Tudo Tanto”

Ainda no comentário depois de cantar ‘Desinibida’, falou sobre o Prêmio Multishow, dizendo que comemorou dando voltas olímpicas no quarto do hotel e chamando histericamente seu irmão, Gustavo Ruiz, que é guitarrista da banda, produtor do disco e ainda dividiu as tarefas de composição com a irmã. Depois, seguiu o show com a excelente ‘Dois Cafés’, que no álbum conta com a participação de Lulu Santos fazendo voz e guitarra slide.

A banda que acompanhou a cantora mostrou estar no nível exigido, com destaque para as participações dos guitarristas Gustavo Ruiz e Luiz Chagas, pai dos dois e ex-guitarrista da banda de Itamar Assumpção, e do baixista Márcio Arantes. Vale destaque especial para a corajosa decisão de ter um trio de cordas –formado por dois violinos e um violoncelo– no show, em vez de um fácil e prático teclado. Ainda chamou a atenção o figurino da banda, toda de camisetas de diferentes cores, em contraste com o preto uniforme da cantora e do humilde cenário, formado por projeções sobre alguns tecidos também pretos.

Ao término de ‘Bom’, um dos pontos fracos do show apareceu: uma lista quilométrica de agradecimentos desnecessários. Fazer um afago aos patrocinadores é suportável, mas agradecer aos técnicos de som, luz e o diabo a quatro já é exagero. É claro que a intenção é boa, mas dizer nomes que não dizem respeito a ninguém e que serão esquecidos dali a três segundos não acrescenta nada. Pareceu coisa de festival de garagem.

Apesar disso, ela ainda tinha ótimas cartas na manga. Depois de ‘Cada Voz’ todos saíram do palco e voltaram em seguida para finalizar o show. A primeira do bis foi a ótima e blueseira ‘Víbora’, que Tulipa cantou quase toda de joelhos. Depois vieram ‘A Ordem das Árvores’ e ‘Efêmera’. Nos acréscimos, ainda deu tempo de Tulipa cantar novamente ‘É’, marcando um gol contra: cantar mais de uma vez a mesma música é coisa para Michel Teló e semelhantes sem repertório, o que definitivamente não é o caso dela. Ainda assim, a cantora venceu o jogo com bela atuação e placar dilatado a seu favor, garantindo a alegria da torcida. Tulipa vai, cada vez mais, de vento em popa.

Tulipa veio mostrar a turnê do novo disco, tocando-o na íntegra


Ler mais sobre
Políticas culturais Reportagem

Prefeitura de Porto Alegre usou projeto reprovado para licitar obra na Usina do Gasômetro

One thought on “De vento em popa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: