Os kadiwéu continuam lutando

nação-que-não-epserou-1200x520

“Essa história de que Pedro Álvares Cabral descobriu o Brasil… ele não descobriu. Ele invadiu.”

Dita por um líder dos índios kadiwéu em uma reunião com alguns fazendeiros, a frase parece escancarar ainda mais as injustiças que o povo indígena sofreu desde que viu suas terras tomadas pelos brancos em 1500. Triste é constatar tão de perto que tribos como a dos kadiwéu, conhecidos por seu passado guerreiro, ainda precisam lutar para conquistar um pouco de justiça social.

Foi esse sentimento que A Nação que não Esperou por Deus, documentário de Lúcia Murat e Rodrigo Hinrichsen, me provocou. O filme é o resultado do reencontro de Lúcia com os kadiwéu no interior do Mato Grosso do Sul, 17 anos após as filmagens de Brava Gente Brasileira, na qual os índios atuaram. Com o apoio de imagens de arquivo, podemos ver as mudanças que a luz elétrica causou na vida dos 2 mil kadiwéu.

Em uma entrevista recente, Lúcia comentou a reaproximação com a aldeia: “Em 2010 precisei ir a Campo Grande, capital do estado, e resolvi passar lá na comunidade deles. Fiquei chocada com as mudanças levadas pela chegada da luz elétrica, da televisão, pelo crescimento da atuação das religiões evangélicas na região e pelas disputas de terra com os pecuaristas. O interessante é a complexidade da situação deles, a gente tende a idealizar o indígena, mas não consegue ver o processo de mudança nesse conflito deles com outra sociedade.”

Com um misto entre entrevistas e um olhar antropológico, o documentário desconstrói a imagem romântica do índio isolado para mostrar um hibridismo cultural, um limiar entre a preservação dos costumes kadiwéu e a adaptação da vida entre os brancos. Um dos momentos sintomáticos, representado brilhantemente no filme com uma transição a corte seco, mostra que os kadiwéu, que, no passado, foram conhecidos dominadores de cavalos, agora dominam também as motos.

AnacaoQueNaoEsperouPor Deus_g4
Ademir Matchua durante as filmagens de Brava Gente Brasileira (foto: divulgação)

Da mesma forma que Eduardo Coutinho volta a Galileia, em Pernambuco, 17 anos depois das filmagens interrompidas em Cabra Marcado para Morrer, Murat revisita também a vida de alguns kadiwéu que atuaram no longa. É assim que vemos como Ademir Matchua , de simples cavaleiro, se tornou cacique; ou como Adeilson Silva, que mostrava grande identificação com a comunidade quando criança, foi trabalhar no posto de gasolina da cidade.

Dinâmico, o filme vai transitando sutilmente entre tópicos (rituais, religião, festas, sobrevivência…) para refletir o estranhamento sentido por Lúcia: agora os índios ouvem música sertaneja e assistem à tv enquanto conversam no idioma kadiwéu. É através da língua, aliás, que vemos de forma mais contundente a preservação da cultura da tribo. Todos os kadiwéu entrevistados (inclusive os que escolheram viver na cidade) dominam a língua. Os cultos evangélicos – religião que se disseminou por toda a aldeia – são realizados em kadiwéu, e até a bíblia foi traduzida.

O ponto mais marcante no documentário é a questão das terras, principalmente na forma como a sociedade branca intefere. A mão inevitável do capitalismo não deixa de causar um choque quando observamos, por exemplo, os homens da aldeia discutindo sobre lucro enquanto as mulheres observam de fora. O fato de os kadiwéu precisarem de dinheiro, aliás, é incompreendido por uma fazendeira durante a reunião entre eles. “Cada fazenda faz um acordo com a família que vai pra lá. O acordo que ficar bom pra essa família. Pra essa família poder ajudar ali, poder viver e ajudar a fazenda se tornar produtiva cada vez mais”, ela propõe. O encontro havia sido marcado porque os kadiwéu estavam sendo processados na Justiça após ocuparem as fazendas. É aí que aparece de forma mais contundente a angústia dos kadiwéu em tentar preservar seu passado e sua autonomia enquanto se adaptam à sociedade capitalista.

Durante as filmagens do documentário, a Comissão Nacional da Verdade descobriu um relatório que mostrava como os kadiwéu haviam perdido essas terras no passado. “Agora eu tenho a história dos meus antepassados. Como esses pecuaristas entraram pra cá. No duro, que nem a senhora está falando. Chegaram pra cá corrido da água. Quem cedeu pra eles ficar foi o Serviço de Proteção aos Índios (SPI). Foi em troca de gado”, resume Daniel Matchua.

Desde o fim das filmagens, o acordo com os pecuaristas foi desfeito. Três kadiwéu foram assassinados por disputas políticas na aldeia (entre eles Ademir Matchua), devido a discordâncias sobre a retomada das terras. O processo na Justiça contra os índios segue. Eles continuam lutando por suas terras. Por sua independência.

Compartilhe
Nortista vivendo no sul. Escreve preferencialmente sobre políticas culturais, culturas populares, memória e patrimônio.
Ler mais sobre
Entrevista Processos artísticos

A trajetória ascendente de Gautier Lee, cineasta e racializadora audiovisual

Comunidades tradicionais Processos artísticos Reportagem

Plataforma TePI reúne iniciativas da dramaturgia indígena, que convoca natureza para falar

Comunidades tradicionais Processos artísticos Resenha

Do ventre da árvore do mundo vem “O som do rugido da onça”