Bebeto Alves: “Deslocado”, “Descolado” e Mandando Lenha

Texto  Felipe Azevedo*

Fotos  André Feltes

Nos últimos meses, o Brasil e o mundo têm presenciado acontecimentos cruciais em embates, catástrofes, injustiças e desenlaces políticos.

Cito alguns: o enfrentamento dos estudantes paulistas frente ao projeto de (des) escolarização do governador Geraldo Alkmin; a catástrofe ambiental do Vale do Rio Doce em Mariana (MG); a morte de cinco jovens negros na cidade do Rio de Janeiro pela polícia militar; a formalização do pedido de impeachment da presidenta Dilma por parte do presidente da câmara Eduardo Cunha; e justamente, no dia 13 de novembro, sexta-feira, dia do show de Bebeto Alves, o Mandando Lenha no Teatro São Pedro em Porto Alegre, o massacre em Paris deixando 129 mortos, 352 feridos em seis ataques praticamente sincronizados por parte do Estado Islâmico (ISIS), grupo terrorista e fundamentalista do Oriente Médio, de linhagem sunita e wahabista.

Bebeto 3
Músico apresentou o show Mandando Lenha no Theatro São Pedro

Em se tratando de Bebeto Alves, nada mais condizente com a vida e obra de um artista literalmente conectado com o mundo e com suas referências locais. Em meio a este “caldo” de acontecimentos neste mesmo período, há dois de significativa importância na cena cultural de nosso Estado e do país: o já citado show de Bebeto Alves, marcando o lançamento simbólico (dezoito anos depois) de um álbum gravado em 1997, o Mandando lenha; e o prêmio açorianos 2014-2015 de melhor DVD do ano para o documentário Mais uma canção (2012), sobre a vida e obra deste artista.

Para entenderem a importância daquilo que estamos tratando aqui proponho aos amigos leitores um pequeno exercício de visualização como se estivéssemos com uma câmera fotográfica.

Em um primeiro e grande plano, uma paisagem fictícia com seus lagos, árvores e colinas. Em proximidade e adequação, eis aqui um retrato deste artista: uruguaianense, nascido em 1954, com 27 álbuns gravados, criador, fotógrafo, músico, com uma noção diferenciada de fronteira e que já circulou e morou em diversos lugares do país e do mundo, dentre outros no Rio de Janeiro, São Paulo, Boston, Espanha, Portugal, Marrocos, e atualmente em São Leopoldo (RS).

Agora, um plano mais reduzido, tomando por referência o álbum que o lançou, Paralelo 30 (1978) e sua regravação em 2001, Paralelo 30, ontem e hoje. Com isso podemos visualizar nas proximidades o álbum solo Bebeto Alves (1981), e outros quatro de relevância conceitual, Bebeto Alves y la Milonga Nova (2000), Blackbagualnegovéio (2006), Devoragem (2008) e Milonga Orientao (2014), todos dentro de um mesmo recorte, ainda que em períodos distintos, os quais podemos caracterizar como de longa duração.

E finalmente, reduzindo ainda mais o foco, num pequeno plano de nossa paisagem fictícia, uma trilogia de álbuns de milongas de idêntica relevância (que podemos caracterizar como ciclos), porém com canções, não de autoria de Bebeto, e sim de Mauro Moraes; compositor também uruguaianense, e que esboça nas composições destes álbuns uma leitura de mundo, da vida e das coisas a partir do universo campeiro, de galpão, da lida do peão, no campo, etc: Milongueando uns troços (1993), Mandando lenha (1997), Milongamento (1999).

Em minha pesquisa de Especialização e Mestrado acadêmico, em que estudei a obra de Bebeto Alves constatei após avaliar sua discografia completa que 72% das canções são do gênero milonga, 52 % versam ou abordam o tema da fronteira e 65% tratam do tema “deslocamento”, ou do sentir-se “deslocado”. Se por um lado constatamos nesta paisagem fictícia um artista “deslocado”, em contínuo movimento no seu espaço-tempo; de outro, temos o “descolado”, ou seja, aquele que não se adéqua a rótulos, portanto atípico.

Especificamente sobre esse “deslocamento”, Bebeto Alves sempre se autodefiniu como alguém em constante movimento, deslocado, inquieto, traço comportamental que o produtor musical carioca Sérgio Carvalho definiu como peripatético em seu depoimento para o filme Mais uma Canção (2012). Graficamente , apenas para efeito ilustrativo, esse comportamento pode ser representado virtualmente por um ponto de origem, do qual o artista se desloca em duas linhas vetoriais, expande-se e abre-se para o mundo.

CRONOTOPO BEBETO IMAGEM
(Crédito: Felipe Azevedo)

Voltando à trilogia dos álbuns de milongas onde nosso artista figura num primeiro momento como intérprete e noutros como coautor e produtor, chegamos especificamente no Mandando lenha show, o que assistimos no dia 13 de novembro, no Teatro São Pedro.

Num palco despojado de cenário com uma luz interagindo fluentemente com o trio formado por Bebeto Alves (voz), Marcello Caminha (violão) e Clóvis Boca Freire (contrabaixo acústico), o mesmo caráter inusitado que se percebe no tratamento das canções quando se escuta o álbum, transpareceu em cena: Bebeto vestindo uma túnica marroquina com um casaco por cima e por baixo desta uma calça vermelha, sapato preto e trazendo nas mãos uma corrente artesanal com um crucifixo; Marcello totalmente pilchado a caráter – bombacha, camisa, colete e boina vermelhos e calçando botas, típico gaúcho rio-grandense; e Clóvis, de calça e camisa, típico músico urbano.

Bebeto 2
Bebeto Alves: entre o “descolado” e o “deslocado”

Em conversa após o show com o compositor Mauro Moraes pude saber mais detalhes sobre a feitura do álbum Mandando lenha: Mauro gravou uma voz “guia” – voz auxiliar, ainda não definitiva, para fins de orientação na gravação final – enquanto Lúcio Yanel (violonista argentino) juntamente com Clóvis, ambos foram simultaneamente inserindo os seus instrumentos improvisando fraseados e solos violonísticos, arcadas e pizzicatos no contrabaixo. Após, a partir da voz “guia” de Mauro, Bebeto inseriu sua voz de intérprete. Ou seja, o resultado desse processo é que as canções não soam no álbum como típicas do cancioneiro regional gaúcho e tampouco, como melodias cantadas e acompanhadas por um violão e contrabaixo. Pelo contrário, soam como três instrumentos dialogando constantemente e como se estivessem sendo tocados ao vivo, quando na verdade foram praticamente gravados dessa forma.

Das 14 canções apresentadas no show, praticamente na mesma ordem do disco, destaco quatro: “Milonga amarga”, “Charla de tropa”, “Na ponta dos dedos” e “Com cisco nos olhos”.

Enquanto “Milonga amarga”, “Charla de tropa” e “Na ponta dos dedos” foram interpretadas com forte teor ibérico nos vocalizes e na dramaticidade gestual de Bebeto, “Com cisco nos olhos” realçou o aspecto textural musical registrado no disco ao apresentar Bebeto cantando em diálogo contínuo com o contrabaixo de Clóvis e sem a participação do violão de Marcello; lembrando que no álbum esta canção não está gravada desta maneira. Aliás, durante todo o show, em momentos pontuais Bebeto circulou pelo palco sapateando e executando palmas como um típico andaluz.

bebeto
Com que cena a música de Bebeto dialoga?

Se no álbum o violão de Lúcio dá um caráter argentino, tangueiro; no show, o violão de Marcello soa misto, não deixando de referenciar a sonoridade de Lúcio, porém imprimindo a sua, também singular e muito à vontade com os gêneros das canções apresentadas como as milongas, chamamés e rancheiras.

Numa conversa certa feita, tempos idos em minha casa com Marcello Caminha, este me comentou: “Não acredito numa música que não me remeta a uma paisagem. Pra mim o Zeca Pagodinho é um baita milongueiro! Tu escuta qualquer canção dele e nos primeiros acordes já enxerga uma paisagem carioca”. Em depoimento no facebook alguém comentou, após o show, ter visto não um show, mas um filme, infinidade de cenas, ambientes e múltiplas sensações. Fica a pergunta: com que cena, com que ambiente a música de Bebeto dialoga? Até que ponto a música deste artista tem sido verdadeiramente compreendida?

Ainda sobre o aspecto textural musical, de um modo geral quando Bebeto se apresenta solo (ele e seus instrumentos – violão, guitarra ou o turco saz baglama, etc.) as canções soam como melodias acompanhadas, ou seja, típico cantautor (como um típico payador, cantando e se acompanhando no instrumento). Já com uma formação de trio ou banda o resultado sonoro é de uma textura mista: melodia acompanhada e com participação simultânea dos outros instrumentos, exatamente como no álbum e show Mandando lenha.

Desse modo o que vimos entre nossa paisagem fictícia e neste show são possíveis conexões que interligadas possibilitam vislumbrar o fechamento de um ciclo na obra deste autor: a noção de fronteira, de “deslocamento”, de “descolamento”, de uma forma singular de tratar e pensar a milonga (mais rock’n roll e andaluz que a própria milonga) e de possíveis e novos desdobramentos (qual a próxima esquina?). Ainda, vale lembrar, o show foi filmado via financiamento crowdfunding, e será lançado em futuro próximo possivelmente com nova apresentação.

Enfim, “deslocado” ou “descolado”, atualmente podemos constatar um artista na plenitude de sua produção e de suas inquietações criativas, contudo, para apreendermos o conjunto deste processo, desta paisagem vale o esforço de escuta, ainda que abrangente, de toda sua obra.

Finalmente, outra boa nova: em nossa conversa na mesma noite após o show o Mauro Moraes me comentou de um novo álbum inédito de milongas totalmente pronto e na espera das interpretações “deslocadas” e “descoladas” de Bebeto. E daí Bebeto, por que não?

*Felipe Azevedo é compositor, violonista, cantor, educador musical e ensaísta. Vencedor de seis prêmios açorianos (o mais representativo do Sul do Brasil) e Mestre em Letras (UFRGS), o artista já fez turnê por países como Suíça, Noruega, Uruguai e França. Com quatro álbuns gravados e lançados, atualmente está em divulgação do seu último “Tamburilando Canções – Violão com Voz”, projeto multimídia com livro-cd e hotsite interativo. Contatos: www.violaocomvoz.com.br

Compartilhe
Ler mais sobre
Processos artísticos Resenha

Em show autobiográfico, Caetano endossa “Fora, Bolsonaro” do público

Políticas culturais Reportagem

Prefeitura de Porto Alegre usou projeto reprovado para licitar obra na Usina do Gasômetro