Sala P. F. Gastal: a comunidade cinéfila não foge à luta

Com horários reduzidos, sala de cinema do Gasômetro exibe mostras especiais (Foto: Fernando Halal)
Com horários reduzidos, sala de cinema do Gasômetro exibe mostras especiais (Foto: Fernando Halal)


“O futuro é incerto e o fim está sempre perto”, cantou, certa vez, Jim Morrison. A comunidade cinéfila de Porto Alegre resolveu se mobilizar e unir forças para que, pelo menos com a Sala P. F. Gastal, essa profecia não se concretize. 

Um dos grandes símbolos do circuito cinematográfico alternativo da Capital está com sua programação reduzida e atravessa um momento delicado devido à crise. Desde março, a sala de cinema localizada no 3° andar da Usina do Gasômetro teve de recorrer a uma solução temporária: funciona somente aos finais de semana, com uma sessão nas sextas-feiras, duas aos sábados e outras duas nos domingos.

Com o anúncio da redução das atividades pela Prefeitura, um grupo de apoiadores ergueu a bandeira pela causa. Para centralizar o debate, foi criada, nas redes sociais, a página P F Gastal Resiste (acesse aqui). Usando hashtags como “#OcupaPFGastal”, “NenhumaSalaDeCinemaAMenos” e “PFGastalResiste”, a ideia é lotar a sala nos próximos dois meses e provar que o espaço é, sim, frequentado. Uma carta aberta foi redigida e amplamente divulgada nas redes sociais, e uma petição online que defende a manutenção e preservação do espaço já colheu mais de 2 mil assinaturas. 

O espaço fechou em dezembro para o tradicional recesso de final de ano e, desde então, reabriu as portas apenas para a exibição de mostras especiais. A Cinemateca Capitólio, de responsabilidade municipal, também enfrenta problemas e chegou a suspender a programação em janeiro, por falta de substitutos para cobrir as férias de funcionários.

A retomada definitiva da P.F. Gastal depende da contratação de funcionários pela Prefeitura Municipal. No dia 18 de março, a prefeitura determinou por decreto o congelamento de recursos para “gastos extras”. Em nota publicada no Facebook, o grupo de apoiadores P F Gastal Resiste mostrou indignação: “Não compreendemos como a renovação dos contratos de funcionários essenciais para o funcionamento de uma sala que atua há 17 anos possa ser considerado um gasto extra”. Até a retomada, a sala segue com a programação reduzida – o que já determinou a suspensão temporária de projetos como as disputadas sessões Aurora e Plataforma, e o adiamento de diversas mostras e estreias de filmes como O Cavalo de Turim, de Béla Tarr. 

Projeto Raros teve sequência com debate dos críticos Paulo Blob Teixeira (esq.) e Carlos Thomaz Albornoz (centro) (Foto: Fernando Halal)
Projeto Raros teve sequência com debate dos críticos Paulo Blob Teixeira (esq.) e Carlos Thomaz Albornoz (centro) (Foto: Fernando Halal)

Atualmente, a sala exibe a Mostra David Bowie, que homenageia o artista inglês morto em janeiro. Entre os destaques, estão clássicos como Ziggy Stardust and The Spiders From Mars (1973), de D.A. Pennebaker, O Homem que Caiu na Terra (1976), de Nicolas Roeg, e Fome de Viver (1983), de Tony Scott. A mostra segue até o dia 8 de maio e a programação completa pode ser vista aqui. Os ingressos custam R$ 4. 

Também segue em andamento o tradicional Projeto Raros, dedicado à exibição de filmes inéditos no Brasil ou de difícil circulação no país. A sessão mais recente ocorreu na última sexta-feira, com a projeção do longa de horror Dr. Jekyll e as Mulheres (1981), de Walerian Borowczyk, seguida de debate pelos críticos e pesquisadores Carlos Thomaz Albornoz e Paulo Blob Teixeira. 

Inaugurada em maio de 1999, a P.F. Gastal pertence à Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre. Além de exibir títulos consagrados da produção cinematográfica contemporânea, o espaço realiza mostras históricas e eventualmente recebe a visita de cineastas de renome mundial, como Kenneth Anger e Claire Denis. A sala tem 118 lugares e é equipada com projetor para exibição de filmes em 35mm e 16mm. Seu nome homenageia o jornalista e crítico de cinema gaúcho Paulo Fontoura Gastal (1922-1996), um dos fundadores do Festival de Cinema de Gramado. 

Compartilhe
Ler mais sobre
Destaque Porto Alegre protesto
Ler mais sobre
Comunidades tradicionais Processos artísticos Resenha

Do ventre da árvore do mundo vem “O som do rugido da onça”

Memória e patrimônio Reportagem

Áspera e desigual: como Porto Alegre chega aos 250 anos segundo seus artistas

Processos artísticos Reportagem

Cartografias insurgentes: artistas e ativistas subvertem o uso hegemônico dos mapas