Os super-heróis do argentino "Kryptonita" (Foto: divulgação)
Os super-heróis do argentino “Kryptonita” (Foto: divulgação)

 

Por Filipe Rossau

E se o bebê Kal-El, que ganharia na Terra o nome de Clark Kent, não tivesse caído em Smallville, no Kansas, mas sim na periferia de Buenos Aires? Como seria a capital argentina no imaginário popular se seres com habilidades sobre-humanas vivessem ali? Foi nisso que o escritor Leonardo Oyola pensou quando escreveu Kryptonita, eleito melhor romance de 2011 pela Associação de Críticos e Escritores da Argentina. O livro deu base para o filme homônimo de Nicanor Loreti.

Oito versões do roteiro foram escritas até chegar ao texto original do terceiro filme solo do argentino, que fez sua estreia em longas-metragens com La H (2011). Em grande parte, esse trabalho de escrever e reescrever foi realizado para fugir das dificuldades de produzir super-heróis com um orçamento de US$ 400 mil. O desafio de Loreti, que escreveu o texto do filme com Nicolás Britos, Camilo De Cabo, Paula Manzone e o próprio Leonardo Oyola, consistiu em levar para as telas a história da gangue Gasolina Super, que invade um hospital em meio ao plantão do Dr. Gonzalez (Diego Velázquez).

O motivo é que o líder do grupo, o quase invencível Pinino (Juan Palomino), ou Nafta Super (o super-homem argentino, com direito a ‘S’ no peito e cabelos negros com a franja caída para o lado direito) está muito ferido após uma luta em que foi atingido por um material verde e brilhante que o enfraquece mais que qualquer coisa. Quem carrega Pinino é Lady Di (Lautaro Delgado), uma travesti que usa short azul e uma blusa vermelha, além de uma coroa de princesa, e Faisán (Nicolás Vázquez), usando uma camiseta verde do Deportivo Laferrere, que disputa a 4ª divisão do campeonato argentino. Mais do que salvar Pinino, a gangue precisa se livrar da polícia, que os persegue e os cerca no hospital.

As semelhanças de cada um dos personagens com heróis da Liga da Justiça é de simples reconhecimento até para os espectadores menos conhecedores do universo das histórias em quadrinhos. Ainda assim, Loreti se diverte com referências escrachadas, como o caso de Corona, um policial que abusa da maquiagem, de um humor psicótico, roupas coloridas e truques inesperados; ou Federico, motoqueiro de roupas negras que engrossa a voz na hora de intimar os inimigos.

Além dos personagens citados antes, temos ainda o calado telepata Juan Raro (Carca), que é pouco exigido e não compromete; o veloz Ráfaga (Diego Cremonesi), que irrompe na tela usando casaco com capuz vermelho e, como uma espécie de líder interino do grupo, ganha espaço na tela e se apresenta bem; e Cuñataí Güirá, numa atuação bastante apagada de Sofia Palomino. Não há espaço para todos no roteiro, ficando claro que alguns só estão ali para apresentar mais referências a nomes famosos das HQs. E talvez, nesse esforço quase exagerado de Loreti em criar ligação com os espectadores, é que esteja a única grande falha de Kryptonita.

Entretanto, se individualmente, alguns personagens passam batidos e se mostram pouco necessários em tela, por outro, no conjunto, o grupo se sai bem, já que os diálogos saem ao natural, o que passa a impressão de serem, de fato, amigos de longa data. Outro ponto positivo é Loreti demonstrar que reconhece em seu Kryptonita um projeto de baixo orçamento ao evitar a tentativa de efeitos especiais para focar no subjetivo, mesmo quando a ideia é mostrar os poderes de seus personagens. Um exemplo é Ráfaga sair de cena seguido por um efeito sonoro que nos diz que ele se moveu em alta velocidade.

O grande mérito de Kryptonita, no entanto, é não apenas entregar uma versão latina de um dos produtos de maior sucesso da DC Comics. O longa argentino é uma ode à visão descentralizada do mundo, virado de cabeça pra baixo e enxergado por nós, do hemisfério sul. Não é somente a origem dos personagens que muda, é a forma com que eles enxergam a vida ao redor que nos é trazida pela história. A explicação vem em uma das últimas falas do filme: “Somos deuses, somos homens, somos bons, somos maus… Somos reais”.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support