...

Documentário revela as cores do Hospital São Pedro

Fundado em 1874 como Hospício e, atualmente, chamado de Hospital Psiquiátrico, o São Pedro ainda é visto com olhar de manicômio, apesar de toda evolução na forma de atender e tratar pacientes. O local que já chegou a ter 5 mil moradores, possui agora apenas 200 remanescentes do antigo modelo manicomial.

 (Crédito: Epidemia das Cores/ Divulgação)
Documentário Epidemia de Cores apresenta a rotina de pacientes e funcionários da Oficina de Criatividade (Crédito: Epidemia das Cores/ Divulgação)

Sempre que ouço a palavra hospício lembro do clássico de Machado de Assis, O Alienista. Foi nele que pela primeira vez pensei que a loucura pode ser também um ponto de vista. Os problemas psiquiátricos já foram tratados de diversas formas pelo mundo e, não faz muito tempo, os internados em hospícios e instituições faziam tratamentos envolvendo práticas desumanas, como a lobotomia e o eletrochoque. No documentário Epidemia de Cores, que estreia dia 02/06 e estará em cartaz até o dia 08/06, na Cinemateca Paulo Amorim, Casa de Cultura Mario Quintana, o diretor Mário Saretta retrata uma nova forma de tratar os problemas psiquiátricos no Hospital São Pedro. A Oficina de Criatividade já tem mais de 20 anos e, desde então, serve como válvula de escape para muitos pacientes.

Manicômio pior é o que está dentro de cada pessoa. – Solange, paciente

A produção tem financiamento do Fumproarte e apresenta a rotina de pacientes e funcionários da Oficina. Com um toque caseiro e pessoal, daquele tipo que só tendo direção, produção e roteiro nas mãos de uma só pessoa pode ter, o que vemos ali é a visão da câmera de Saretta, com foco nos detalhes, nas pessoas, nos cantos mais peculiares desse espaço. Os ângulos mais fechados aproximam daquela realidade, fazendo com que a gente entre nesse mundo e questione onde está a loucura nisso tudo.

Não se procura mostrar as origens de cada paciente, o que os levou à loucura ou ou seus diagnósticos. A pretensão é diferente. É mostrá-los como indivíduos, pessoas que possuem vidas, problemas pessoais além dos psicológicos, pois é ali na Oficina de Criatividade que eles podem expressar seu individualismo, escolher as oficinas das quais vão participar, o que vão pintar, as cores que vão usar. Ali eles são instigados a lembrar quem são. João, Guilherme, Solange, o que cada nome significa de verdade.

O local onde a Oficina acontece é mais iluminado que o restante do Hospital, mais amplo, parecendo ser um pedaço à parte, tanto que muitos pacientes depois de realizar as atividades falam de “voltar ao São Pedro”. A diferença talvez seja a variedade de cores e a sensação de alegria que o ambiente transmite. Os últimos residentes das unidades psiquiátricas do Hospital e alguns pacientes indicados participam da Oficina, que oferece trabalhos com pintura, desenho e bordado, além de ocasionais oficinas com música e confecção de instrumentos musicais. É nesse espaço onde as paredes exalam uma liberdade que as mentes ali presentes nem sempre conseguem encontrar, que algo mágico acontece: as celas são abertas e a imaginação flui.

Eu gosto de colorido. Cor dá alegria, não dá tristeza, não dá nada – João, paciente

Obra de autoria do paciente João, do acervo da Oficina de Criatividade
Obra de autoria do paciente João, do acervo da Oficina de Criatividade

O documentário, juntamente com esse raro acervo de obras, é o registro que o Hospital São Pedro tem dos seus últimos anos no modelo manicomial, que já possui uma grande diferença da sua inauguração: existe mais alegria, mais conversa entre as pessoas, mais troca de afeto. É um retrato dos moradores e da loucura que é a arte.

Aqui na Oficina eu aprendi a receber e dar amor. Porque receber é muito fácil, mas dar é muito difícil, principalmente aqui dentro. – Brenda, funcionária

Se enclausura ou liberta, a arte é a válvula de escape de muitas pessoas para o “mundo dos loucos”.

Não precisa fazer de conta que não existimos, nem fechar os seus olhos, pois quando abrires saberás que somos reais e fazemos parte do seu dia-a-dia, dentro ou fora do camuflados sanatórios. Esqueça o passado onde os doentes ficavam enclausurados, confinados como loucos irrecuperáveis e depósitos humanos disfarçados de porões. – Solange, paciente

Clicando aqui é possível conferir mais pinturas dos pacientes.

Ler mais sobre
Destaque
Ler mais sobre
Comunidades tradicionais Processos artísticos Resenha

Do ventre da árvore do mundo vem “O som do rugido da onça”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.