A prefeitura de Porto Alegre paralisou o pagamento a artistas e produtores da cidade, que vêm trabalhando sem receber desde 2016. Mais de 370 profissionais ainda não foram remunerados por eventos realizados no ano passado. Artistas estimam que a dívida se aproxima dos R$ 6 milhões, dos quais R$ 2 milhões são relativos aos projetos do Fumproarte, fundo municipal de apoio à cultura. A prefeitura ainda não tem dados oficiais. 

Entre os profissionais à espera dos recursos, estão pessoas contratadas para a realização de eventos tradicionais da cidade, como o Prêmio Açorianos, além de integrantes de dezenas de espetáculos e obras aprovadas em projetos como o Porto Alegre em Cena, Noites de Circo, Usina das Artes e Semana da Consciência Negra (confira a lista completa no final da página).

“Eu e muita gente que eu conheço só trabalhamos com produção cultural porque as políticas culturais avançaram muito no início dos anos 2000. Sem esse amparo do Estado, é muito difícil trabalhar. O Fumproarte que ganhei iria pagar vários meses de contas minhas, ia ser o principal trabalho do ano. Agora eu sinceramente não sei mesmo como vou pagar minhas contas”, conta a produtora Cristiane Marçal.

Protesto realizado no ano passado contra retrocessos na área (Foto: Camila Lara/Nonada)

Diego Mac participou do Porto Alegre em Cena 2016 com o espetáculo Abobrinhas Recheadas e também aguarda o pagamento. “Essa questão é muito séria para os profissionais de cultura. A gente começou a articular e mobilizar pessoas para iniciar uma campanha, para que a prefeitura pague o que está devendo”, diz. Os artistas estão em negociação com a Secretaria Municipal de Cultura (SMC) e realizam a campanha #prefeiturapagueacultura nas redes sociais pela visibilidade da questão.

Um levantamento do Observatório de Cultura de Porto Alegre, órgão ligado à SMC, mostra que o valor aprovado na Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2017 para a SMC é de R$ 65,417 milhões, correspondente a 0,94% do total da despesa da Prefeitura (R$ 6,949 bilhões). A LOA define o teto que a prefeitura tem disponível para investir em cada área, mas o governo tem autonomia para decidir o quanto deste valor vai ser gasto de fato. O prefeito Marchezan Jr. definiu, no início do ano, um prazo para que a Secretaria da Fazenda calcule todas as dívidas do governo. Em abril, o prazo foi prorrogado por mais 30 dias. 

Fumproarte

A questão do Fundo Municipal de Apoio à Produção Artística e Cultural de Porto Alegre (Fumproarte) é considerada a mais grave, já que muitos artistas ainda esperam receber por projetos aprovados em 2014. Ao todo, a dívida do fundo soma cerca de R$ 2 milhões. “Tive um projeto contemplado com o Fumproarte de 2016, a documentação foi reunida, o contrato assinado e a conta bancária aberta, porém a gestão anterior não empenhou os contratos, portanto não há a mínima previsão de pagamento desse contrato”, relata o artista e produtor cultural Ramon Ortiz, que também tem crédito com o projeto Teatro Aberto, que leva espetáculos gratuitos ao público infanto-juvenil.

Sem o empenho dos contratos, ou seja, o valor que o governo reserva para realizar o pagamento, que já deveria ter sido concretizado pela gestão anterior, a questão esbarra na burocracia. A produtora Cristiane Marçal teve um projeto aprovado e assinado em 2016. “Em dezembro, me garantiram que o valor já tinha sido empenhado. Liguei pra lá no mês passado e o novo gestor do Fumproarte [Miguel Sisto] me disse que a gestão anterior foi extremamente irresponsável e que não tem dinheiro para pagar todo mundo”. O Nonada entrou com um pedido pela Lei de Acesso à Informação (12.527/2011) no dia 23 de março para saber se de fato os projetos não foram empenhados na gestão de Fortunati, bem como o montante devido aos artistas. O prazo máximo de 30 dias para a resposta terminou sem nenhuma explicação da prefeitura.

Membros da comissão de avaliação e seleção do Fumproarte
(Foto: Maicol Morales/Divulgação PMPA)

O Fumproarte foi criado em 1993 pela Lei 7.328. Na época, foi visto como um projeto inovador na área das políticas públicas para a cultura no Brasil. Pela lei, o fundo possui “dotação orçamentária própria, representada, no mínimo, por um valor equivalente ao montante anualmente destinado ao Funcultura (Lei 6099/88)”. Ou seja, ambos os fundos devem receber, no mínimo, 3% do Fundo de Participação dos Municípios, cujos recursos são repassados pela União à prefeitura.

Alvaro Santi, coordenador do Observatório, afirma que, em 2016, o valor correspondia a R$ 7.323.922. Embora o orçamento para o Fumproarte no mesmo ano tenha sido a metade disso (R$ 3.116.857), muitos artistas ficaram sem receber. Segundo os profissionais da cultura, este repasse está completamente paralisado na Secretaria da Fazenda, provocando um gargalo nas finanças da pasta. O gestor atual do Fumproarte, Miguel Sisto, duvida que o repasse continue a ser cumprido.

“A prefeitura descumpriu com a lei, levando ao extremo colapso desse fundo tão importante para a Cultura em Porto Alegre. Políticas públicas para a cultura, que democratizam a produção e a distribuição de cultura na cidade estão sendo desmanteladas pouco a pouco, depois de tantos ativistas que lutaram para conquistar esse mínimo estamos vivendo um profundo retrocesso”, protesta Ramon. A comunidade cultural estuda entrar com uma ação na Justiça para reaver o direito.

Promessas

A Secretaria Municipal de Cultura informou aos artistas e produtores que os contratos de até R$ 8.000,00 serão pagos nos próximos dias. Já os contratos com dívidas maiores serão parcelados e pagos até 2018, com exceção do Fumproarte.

O gestor atual do fundo, Miguel Sisto, afirma que a prefeitura não tem recursos disponíveis no orçamento para quitar todas as dívidas, e a questão do Fumproarte segue sem perspectiva de resolução.

Lista de credores:

– Oficinas da Descentralização da Cultura
– Pareceristas do Fumproarte
– Projetos do Fumproarte
– Usina das Artes
– Semana da consciência negra 2016
– Quartas na Dança
– Noites de Circo
– Temporada de Teatro Aberto
– Novas Caras 2016
– Porto Alegre em Cena 2016
– Jurados Açorianos e Tibicuera
– Prêmios Açorianos para os vencedores
– Bailarinos, coreógrafos e produtores da Cia Municipal de Dança
– Grupo Experimental de Dança
– Atividades da EEPPA
– ONG-ACO Associação Cultural Oficineiros POA
– Professores da Escola Preparatória de Dança
– Artistas contratados para inauguração da praça em frente à Usina do Gasômetro
– Festival DançapontoCom
– prestação de serviço para a Coordenação de Artes Plásticas (Setor de Mostras e Exposições) em 2016 (janeiro a dezembro) – atividades: montagem de exposições, produção do Salão Internacional de Desenho para a Imprensa e do Prêmio Açorianos de Artes Plásticas, material gráfico, entre outros trabalhos.
– Festival de Teatro de Rua de Porto Alegre
– Coordenação de Cinema, Vídeo e Fotografia
– Funcionários da PF Gastal e da Cinemateca Capitólio
– Funcionários da Biblioteca Josué Guimarães (atualizado às 22h18)
– Cine Esquema Novo 2016 (atualizado em 9/5)
– Sons da Cidade (atualizado em 9/5)
– República do Rock (atualizado em 9/5)
– Fomento ao Trabalho Continuado em Artes Cênicas

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support