Foto: Luiza Dornele/CMPA

O Nonada – Jornalismo Travessia realiza uma série de entrevistas com os candidatos e candidatos à prefeitura de Porto Alegre. As perguntas têm como foco o setor cultural e os direitos humanos. Nesta entrevista, quem responde é o candidato Valter Nagelstein (PSD).

Nonada – Para o senhor, o que é cultura e qual o papel do Estado no fomento do setor?

Valter Nagelstein – O papel do Estado na cultura é fomentador e articulador. Eu farei na cultura o mesmo que já fiz na presidência da Câmara. Eu promovi espetáculos, eu inovei com iniciativas, eu articulei apoios e promovi cultura.

Nonada – Quem vai ser o secretário ou secretária da pasta caso seja eleito?

Valter Nagelstein – É muito cedo para esta questão. Vou buscar alguém, se eu tiver a oportunidade, que seja envolvido com o setor cultural. E vou buscar também apoiar e estimular atividades que tenham a ver com a nossa própria cultura local.

Nonada – Quais serão as prioridades da pasta na sua gestão? Que política deve adotar em relação aos equipamentos culturais do município?

Valter Nagelstein – Eu sou um entusiasta da cultura, deixei isso muito claro quando fui presidente da Câmara. Destinei recursos próprios orçamentários da Câmara para realizar grandes espetáculos e articulei iniciativas para buscar apoio para outros. Com relação aos equipamentos do município, nós temos que ver os recursos orçamentários e eu trabalho com a perspectiva sim de buscar recuperá-los e de fazer com que eles sejam autossustentáveis.

Nonada – O Fumproarte, de acordo com a Lei 7.328, deveria receber anualmente o mesmo valor destinado ao Funcultura. O senhor reativará os repasses ao fundo? E quanto a realizações de editais para os artistas?

Valter Nagelstein – Com relação à definição das políticas do Fumproarte, eu ainda não tenho posição firmada. É preciso saber como esses recursos vão ser destinados, se já foi pago o que era devido. 

Nonada – Quais políticas o senhor pretende adotar com relação aos direitos das mulheres e do público LGBT?

Valter Nagelstein – Eu defendo o respeito às pessoas, à individualidade de cada um, independentemente de credo, cor, religião, orientação sexual, e é esse o norte que eu vou perseguir permanentemente.

Nonada – A cultura negra sempre foi muito forte em Porto Alegre, embora com pouco incentivo, inclusive com a falta de reconhecimento oficial dos quilombos urbanos, por exemplo. Como o senhor vê a cultura afro-gaúcha em Porto Alegre e o que pretende fazer para fomentá-la?

Valter Nagelstein – Eu defendo o respeito às pessoas, à individualidade de cada um, independentemente de credo, cor, religião, orientação sexual, e é esse o norte que eu vou perseguir permanentemente.

Nonada – Apesar de existirem 23 milhões de pessoas com deficiência no Brasil, as políticas públicas de acessibilidade cultural ainda engatinham. O senhor pretende incluir o direito das pessoas com deficiência de terem acesso à arte na sua gestão? De que forma?

Valter Nagelstein – Eu defendo todos os direitos os direitos do indivíduo, o respeito ao próximo, e isso inclui evidentemente as pessoas que têm necessidades especiais (SIC), inclusive aqueles que necessitam de acessibilidade. Nas ruas, na cidade é preciso acessibilidade. E na cultura evidentemente que é preciso. Então eu vou buscar, da melhor forma que for possível, sem querer fazer políticas de distinção, de cota, de raça, qualquer tipo de divisão entre as pessoas, respeitar esses valores e esses princípios. 

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support