Avança na Câmara projeto que transforma censura em improbidade administrativa

Com informações da Agência Câmara de Notícias

A Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados aprovou projeto que classifica como improbidade administrativa o ato de constranger ou impedir a expressão da atividade intelectual, artística, científica, de comunicação e religiosa, em desrespeito às liberdades expressas na Constituição.

A proposta (PL 5499/19) é do deputado licenciado Marcelo Calero (RJ). O texto aprovado também revoga a Lei 5.536/68, que regulamentou a censura de peças de teatros e obras cinematográficas durante a ditadura militar.

Com a proposta, Marcelo Calero espera estabelecer uma norma clara que coíba a censura deliberada praticada por agentes públicos. “Ainda que tenha buscado proteger a liberdade de expressão, o ordenamento jurídico não conta com dispositivo para coibir a censura perpetrada por gestor público no exercício de sua função”, afirmou o parlamentar.

A aprovação foi pedida pela relatora, deputada Áurea Carolina (Psol-MG). Segundo ela, a proposta vem “em boa hora” e assegura a liberdade de expressão prevista na Constituição. A deputada também afirmou que a revogação da Lei da Censura é uma medida necessária.

“Essa lei não se coaduna com o novo espírito, inaugurado com a Constituição de 1988, que trouxe garantias constitucionais à livre expressão da atividade intelectual, científica e de comunicação e proibiu qualquer tipo de censura em nosso País”, disse Carolina.

O projeto será analisado agora pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ). Depois seguirá para o Plenário da Câmara.

Loteria da Cultura e Lei Paulo Gustavo

Outro projeto aprovado pela Comissão de Cultura da Câmara nesta terça feira foi o Projeto de Lei (PL) 2009/2021, que cria a Loteria da Cultura, cuja verba arrecada será destinada diretamente ao setor. O objetivo é constituir uma fonte de recursos própria para alimentar o Fundo Nacional de Cultura (FNC), que permita a manutenção de ações emergenciais destinadas ao setor cultural previstas na Lei Aldir Blanc.

De autoria da Deputada Jandira Feghali (PCdoB/RJ), o projeto segue agora para as Comissões de Finanças e Tributação (CFT) e em seguida para a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC). Sendo aprovado nas próximas Comissões, não haverá necessidade de votação pelo plenário da Câmara, agilizando a tramitação e aprovação final do projeto, que terá que passar ainda pela sanção presidencial.

Secretário de Cultura praticando tiro em evento oficial de “agenda cultural”. Foto: reprodução

Já o plenário da Câmara está para votar em breve o PL Paulo Gustavo, que destinatário R$ 4 bi oriundos do Fundo Nacional de Cultura e do Fundo Setorial do Audiovisual à cultura. Caso aprovada a lei, a destinação dos recursos será aos moldes da Lei Aldir Blanc.

No entanto, parlamentares tem encontrado dificuldade em colocar o projeto em votação, na medida em que ele tem sido retirado da pauta por deputados bolsonaristas, a pedido do governo. Nas redes sociais, o secretário especial de Cultura, Mário Frias, e o Secretário Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura, André Porciúncula, têm feito uma intensa campanha contra a aprovação da Lei. “Um absurdo que transformará o governo federal num caixa eletrônico de saque compulsório. Essa lei destinará anualmente 4 bilhões de reais para estados decidirem o destino desse recurso. Sou radicalmente contra!”, postou Frias horas antes do PL ser retirado da pauta, no dia 14 de setembro.

Compartilhe
Nortista vivendo no sul. Escreve preferencialmente sobre políticas culturais, culturas populares, memória e patrimônio.
Ler mais sobre
Direitos humanos Institucional Notícias

Pesquisa pretende identificar casos de assédio e discriminação na arte

Direitos humanos Notícias Políticas culturais

Unesco sugere salário mínimo a todos os trabalhadores da cultura

Notícias Políticas culturais

“SUS da Cultura”: entenda como vai funcionar o Sistema Nacional de Cultura