Thaís Seganfredo

Foto: Iphan/reprodução

O governo Bolsonaro está mudando a estrutura do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) sem transparência. No dia 17 de dezembro, uma portaria extinguiu um cargo em comissão da Coordenação de Identificação e Registro (CGIR), realocando-o para a Coordenação-Geral de Licenciamento Ambiental (CNL), diretamente ligada à Presidência do Iphan. A CNL é a unidade responsável por avaliar o possível impacto de empreendimentos aos bens culturais tombados, registrados ou valorados pelo Iphan. Na prática, a área de licenciamento, que também aprova o andamento das obras, ganhará mais um cargo nomeado diretamente pelo governo. 

Internamente, servidores afirmam que a mudança representa a extinção da área de identificação de bens imateriais culturais do Iphan. Os técnicos também questionam o que acontecerá com as áreas de diversidade linguística e registro dos bens, que integram a CGIR, e se haverá mais alterações no setor. O processo sigiloso foi aberto pelo ex-diretor do Departamento de Patrimônio Imaterial, o pastor Tassos Lycurgo, e está em tramitação desde outubro de 2021, o que indica que outras mudanças podem estar ocorrendo na estrutura da instituição. 

Por meio de um ofício público datado de 23 de dezembro, a Co ordenadora-Geral de Identificação e Registro substituta pediu dispensa do cargo e registrou que não foi informada sobre a decisão de extinção da Coordenação de Identificação. A servidora também alertou sobre as consequências da alteração, que  segundo ela “implicará em impactos efetivos ao serviço de identificação do patrimônio cultural prestado à sociedade brasileira e à organização interna dos atos administrativos da CGIR”. Fontes ouvidas pelo Nonada Jornalismo afirmam que diversos processos do Iphan estão sendo realizados sem transparência, faltando diálogo com o quadro de funcionários e consulta às respectivas áreas técnicas. 

Em documento enviado no dia 24 de dezembro ao diretor do Departamento de Patrimônio Imaterial e à presidente do Iphan, Larissa Peixoto, a equipe de técnicos e analistas da Coordenação-Geral afetada pediu acesso às informações que constam no processo e o agendamento de uma conversa com as chefias. “Infelizmente, o antigo diretor nunca realizou uma reunião com toda a equipe, inviabilizando o estabelecimento de diretrizes para a nossa atuação durante o tempo em que esteve à frente do DPI”, diz o ofício. 

Desde 2019, o Fórum de Entidade em Defesa do Patrimônio Cultural vem alertando sobre as exonerações e nomeações promovidas no Iphan, inclusive para a presidência do Iphan e para as superintendências. “Ressalta-se que o caráter operacional dos referidos cargos exige de seus ocupantes uma formação acadêmica e uma experiência profissional prévia com a temática, como estabelecido pelo decreto citado. Sem o necessário conhecimento técnico nos postos-chave, coloca-se em risco todo o funcionamento da estrutura de preservação do patrimônio em nosso país”, diz nota publicada em maio de 2020.

Em meados de dezembro, o presidente Jair Bolsonaro confessou publicamente que interferiu na autonomia da instituição ao nomear a turismóloga Larissa Peixoto como presidente do Iphan devido a uma obra da Havan. “Tomei conhecimento que uma obra de uma pessoa conhecida, o Luciano Hang, estava fazendo mais uma loja, e apareceu um pedaço de azulejo nas escavações. Chegou o Iphan e interditou a obra. Liguei para o ministro da pasta: que trem é esse? O que é Iphan, com PH? Explicaram para mim, ripei todo mundo do Iphan. Botei outro cara lá”, disse Bolsonaro. 

No dia 18 de dezembro, a presidente chegou a ser afastada do cargo pela Justiça, mas a decisão foi revertida em segunda instância após recurso da Advocacia-Geral da União. Larissa Peixoto foi nomeada em maio de 2020 no lugar da historiadora Kátia Bogéa.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support