Lançamentos editoriais para ficar de olho em 2022 

Rafael Gloria

O ano de 2022 promete grandes lançamentos de livros. Entre alguns temas que aparecem de forma recorrente nos títulos previstos, está a questão do modernismo e a sua revisão, impulsionada pelo centenário da Semana da Arte Moderna. Há também espaço para livros aguardados de grandes autores e obras que ganham a edição em português pela primeira vez. O Nonada preparou uma lista com alguns títulos para ficar de olho. Em todas as indicações, tentamos trazer um pequeno resumo e possível data. Naquelas que ainda não há sinopse, deixamos apenas a previsão. A maioria desses lançamentos são para o primeiro trimestre do ano, e mais novidades devem ser anunciadas ao longo do ano. 

Companhia das Letras

Diários de Oswaldo de Andrade serão lançados pela editoria Companhia das Letras. (Foto: Divulgaçao)

Diário confessional, de Oswald de Andrade – Os cadernos inéditos de um dos protagonistas do modernismo. Previsão de lançamento: Final de janeiro

Modernidade em preto e branco, de Rafael Cardoso – Geralmente entendido como um movimento de elite, o modernismo brasileiro costuma ser associado a um seleto grupo paulistano. Contudo, o modernismo perpassou diversas classes sociais e áreas geográficas. Neste livro, o pesquisador Rafael Cardoso oferece uma releitura radical do movimento, trazendo à luz elementos centrais para seu desenrolar – e que não se encontram somente em terras paulistas. Previsão de lançamento: Final de janeiro

Modernismos 1922-2022, de Gênese Andrade – Vinte e nove ensaios inéditos que festejam, questionam e provocam reflexões sobre a Semana de 22 e seus desdobramentos, revisitando suas memórias e fortuna crítica. Previsão de lançamento: Final de janeiro. 

Gótico nordestino, de Cristhiano Aguiar – Em nove contos, Cristhiano Aguiar mergulha nos elementos góticos e folclóricos — buscando referências nas séries televisivas, no cinema e nos quadrinhos — para criar narrativas vibrantes e inesperadas, que fogem da prosa literária tradicional. As histórias vão desde os tempos do cangaço, passando pela ditadura militar e chegando até os ecos sombrios de um futuro próximo. Previsão de lançamento: Fevereiro

Dublinense 

JJ Bola lança livro pela Dublinense. (Foto: Divulgação)

O involuntário ato de respirar, de JJ Bola – Na trama, um professor da periferia de Londres se sente frustrado com sua própria vida e seus sucessivos fracassos em tirar seus alunos da espiral de violência que os empurra para a marginalidade. Diante disso, resolve fazer uma viagem de fuga radical. Vai aos EUA para tentar se transformar em alguém novo. Previsão de lançamento: 2022.

Cinco ou seis dias, de Danichi Hausen Mizoguchi – João e Dante são dois amigos recém-saídos da universidade no despertar dos anos 2000, idealistas e cheios de planos. Enquanto Dante acredita que pode fazer sua parte através de uma empresa inovadora, João tenta entender o mundo a partir da vivência nas ruas. Previsão de lançamento: Envio de livros previsto para iniciar no final de janeiro. 

 Outra novelinha russa, de Gonzalo Maier – No início da década de 1990, um aposentado chileno chega a Moscou com um plano tão heróico quanto louco: derrotar os melhores enxadristas russos. Nas idas e vindas de seu quarto de hotel ao antigo parque onde costumam se encontrar os fãs mais temerários, a viagem de Emanuel Moraga se revelará como uma espécie de caminhada onírica, com toques de comédia, pela paisagem raquítica do pós-Guerra Fria. Previsão de lançamento: 2022. 

A solidão do amanhã, de Henrique Schneider – Trata-se do segundo volume de uma trilogia sobre a ditadura, que enfocará a tortura, o exílio e a censura, e foi iniciada com o Setenta (sobre a tortura), vencedor do Prêmio Paraná de Literatura 2017. A solidão do amanhã é sobre o exílio. Previsão de lançamento: 2022. 

Todavia 

Esse cabelo, de Djaimilia Pereira de Almeida, ganha lançamento no Brasil. (Foto: Divulgação)

Lira mensageira: Drummond e o grupo modernista mineiro, de Sergio Miceli – No centro desta obra estão Drummond e seus contemporâneos em Minas Gerais. Miceli mostra de forma inovadora os caminhos disponíveis para aqueles literatos que se encontravam no café Estrela. A obra traz olhares sobre o modernismo paulista e a classe política na Era Vargas. Lançamento: Fim de janeiro. 

Esse cabelo, de Djaimilia Pereira de Almeida – A obra de estreia da celebrada autora traz um diálogo global cada vez mais fervente sobre racismo, feminismo, colonialismo e independência. Lançamento: 14 de janeiro. 

Em carne viva, de Jacqueline Woodson – Este romance centra-se em duas famílias negras que se uniram quando Iris e Aubrey, um casal de adolescentes ainda no colégio, descobriram que seriam pais. Ao revelar esta nova família singular — e remontar ao massacre racial de Tulsa em 1921—, a autora explora desejo sexual, identidade, ambição, gentrificação, educação, classe, status e as mudanças de vida advindas da paternidade. Lançamento: 14 de janeiro. 

The Twilight World, de Werner Herzog –  Em seu primeiro romance, Herzog conta a incrível história de Hiroo Onoda, um soldado japonês que defendeu uma pequena ilha nas Filipinas por 29 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial. Previsão de lançamento: 2022. 

Don’t let me be lonely, de Claudia Rankine – A premiada poeta Claudia Rankine, conhecida por sua escrita experimental de vários gêneros, funde poesia, ensaio e o visual neste exame política e moralmente feroz da solidão no ataque voraz e movido pela mídia à individualidade que é a América contemporânea. Previsão de lançamento: 2022.

Figura de Linguagem

Sem vergonha, de Futhi Ntshingila, será lançado pela editora Figura de Linguagem. (Foto: Divulgação)

Sem vergonha, de Futhi Ntshingila – O romance tem como personagem central Thandiwe, uma jovem que tem de lidar desde cedo com a pobreza e o abandono e que, adulta, trabalha como prostituta nas ruas de Yeoville, no subúrbio de Joanesburgo. Por meio da narração de Zonke, amiga de infância de Thandiwe, acompanhamos as situações de abuso e miséria a que a personagem é submetida, além da destruição da sua comunidade KwaZulu-Natal, alvo de violência do final dos anos 1980. Previsão de lançamento: 2022.

Solo rachado por dentro, de Priscila Pasko – Segundo livro de contos da escritora erradicada em Porto Alegre. Em seu primeiro livro, Como matar uma ilha, Pasko trouxe 37 narrativas líricas e filosóficas, textos curtos que apresentam as mulheres como protagonistas.  O novo livro tem apresentação de Luciany Aparecida e reúne contos que apresentam uma radicalização da experiência estética da autora. Previsão de lançamento: Primeiro semestre de 2022. 

Porto Alegre em Letras, de Luiz Maurício Azevedo & Luís Augusto Fischer – Trata-se de uma publicação sobre a história da produção literária na cidade de Porto Alegre, suas editoras, seus órgãos de fomento à leitura, seus veículos mais importantes. O livro tem lançamento esperado para o primeiro semestre de 2022. 

Raça e cor na literatura brasileira, de David Brookshaw (tradução Ian Alexander & Luiz Mauricio Azevedo) – Com a curiosidade e o distanciamento de quem se aproximava da literatura brasileira com olhar de estrangeiro, o pesquisador Brookshaw revelava personagens afrodescendentes sendo retratados de forma estereotipada  e autores negros sendo ignorados ou esquecidos. Lançado em 1983 pela editora Mercado Aberto, ganha agora nova edição. Previsão de Lançamento:  2022. 

Record 

Record vai lançar livro infantil de Alice Walker. (Foto: Divulgação)

O antimodernista Graciliano Ramos, organização de Thiago Mia Sala e Yeda Lebensztayn – O livro traz textos do escritor alagoano a partir de um ponto de vista crítico ao modernismo e sua influência nas artes brasileiras. Os pesquisadores reuniram ensaios, resenhas de livros, entrevistas e cartas do autor de Vidas Secas em que ele reconhece a importância do movimento, mas se propõe a discuti-lo sem fanatismos. Previsão de lançamento: Fevereiro de 2022. 

Oscarina, de Marques Rebelo – Publicada em 1931, a coletânea de contos Oscarina é o volume de estreia do escritor carioca Marques Rebelo (1907-1973). Escritos na década de 1920, os 16 contos marcam o desenvolvimento da prosa brasileira urbana, na esteira de autores como Machado de Assis e Lima Barreto. Ganha reedição para apresentar a obra do autor a mais audiências. Previsão de lançamento: 2022. 

Gente legal tem em todo lugar, de Alice Walker – Literatura infanto-juvenil. Previsão de lançamento: 2022. 

 

Compartilhe
Jornalista, Especialista em Jornalismo Digital pela Pucrs, Mestre em Comunicação na Ufrgs e Editor-Fundador do Nonada - Jornalismo Travessia. Acredita nas palavras.
Ler mais sobre
Memória e patrimônio Reportagem

Centenário é importante para revisar mitos da Semana de Arte Moderna

Comunidades tradicionais Entrevista Processos artísticos

“Ocupamos esses lugares como coletivo, não com o sentimento de artista ocidental, individual”, diz Ziel Karapotó na 60º Bienal de Veneza