...

Lançamentos editoriais para ficar de olho em 2022 

Rafael Gloria

O ano de 2022 promete grandes lançamentos de livros. Entre alguns temas que aparecem de forma recorrente nos títulos previstos, está a questão do modernismo e a sua revisão, impulsionada pelo centenário da Semana da Arte Moderna. Há também espaço para livros aguardados de grandes autores e obras que ganham a edição em português pela primeira vez. O Nonada preparou uma lista com alguns títulos para ficar de olho. Em todas as indicações, tentamos trazer um pequeno resumo e possível data. Naquelas que ainda não há sinopse, deixamos apenas a previsão. A maioria desses lançamentos são para o primeiro trimestre do ano, e mais novidades devem ser anunciadas ao longo do ano. 

Companhia das Letras

Diários de Oswaldo de Andrade serão lançados pela editoria Companhia das Letras. (Foto: Divulgaçao)

Diário confessional, de Oswald de Andrade – Os cadernos inéditos de um dos protagonistas do modernismo. Previsão de lançamento: Final de janeiro

Modernidade em preto e branco, de Rafael Cardoso – Geralmente entendido como um movimento de elite, o modernismo brasileiro costuma ser associado a um seleto grupo paulistano. Contudo, o modernismo perpassou diversas classes sociais e áreas geográficas. Neste livro, o pesquisador Rafael Cardoso oferece uma releitura radical do movimento, trazendo à luz elementos centrais para seu desenrolar – e que não se encontram somente em terras paulistas. Previsão de lançamento: Final de janeiro

Modernismos 1922-2022, de Gênese Andrade – Vinte e nove ensaios inéditos que festejam, questionam e provocam reflexões sobre a Semana de 22 e seus desdobramentos, revisitando suas memórias e fortuna crítica. Previsão de lançamento: Final de janeiro. 

Gótico nordestino, de Cristhiano Aguiar – Em nove contos, Cristhiano Aguiar mergulha nos elementos góticos e folclóricos — buscando referências nas séries televisivas, no cinema e nos quadrinhos — para criar narrativas vibrantes e inesperadas, que fogem da prosa literária tradicional. As histórias vão desde os tempos do cangaço, passando pela ditadura militar e chegando até os ecos sombrios de um futuro próximo. Previsão de lançamento: Fevereiro

Dublinense 

JJ Bola lança livro pela Dublinense. (Foto: Divulgação)

O involuntário ato de respirar, de JJ Bola – Na trama, um professor da periferia de Londres se sente frustrado com sua própria vida e seus sucessivos fracassos em tirar seus alunos da espiral de violência que os empurra para a marginalidade. Diante disso, resolve fazer uma viagem de fuga radical. Vai aos EUA para tentar se transformar em alguém novo. Previsão de lançamento: 2022.

Cinco ou seis dias, de Danichi Hausen Mizoguchi – João e Dante são dois amigos recém-saídos da universidade no despertar dos anos 2000, idealistas e cheios de planos. Enquanto Dante acredita que pode fazer sua parte através de uma empresa inovadora, João tenta entender o mundo a partir da vivência nas ruas. Previsão de lançamento: Envio de livros previsto para iniciar no final de janeiro. 

 Outra novelinha russa, de Gonzalo Maier – No início da década de 1990, um aposentado chileno chega a Moscou com um plano tão heróico quanto louco: derrotar os melhores enxadristas russos. Nas idas e vindas de seu quarto de hotel ao antigo parque onde costumam se encontrar os fãs mais temerários, a viagem de Emanuel Moraga se revelará como uma espécie de caminhada onírica, com toques de comédia, pela paisagem raquítica do pós-Guerra Fria. Previsão de lançamento: 2022. 

A solidão do amanhã, de Henrique Schneider – Trata-se do segundo volume de uma trilogia sobre a ditadura, que enfocará a tortura, o exílio e a censura, e foi iniciada com o Setenta (sobre a tortura), vencedor do Prêmio Paraná de Literatura 2017. A solidão do amanhã é sobre o exílio. Previsão de lançamento: 2022. 

Todavia 

Esse cabelo, de Djaimilia Pereira de Almeida, ganha lançamento no Brasil. (Foto: Divulgação)

Lira mensageira: Drummond e o grupo modernista mineiro, de Sergio Miceli – No centro desta obra estão Drummond e seus contemporâneos em Minas Gerais. Miceli mostra de forma inovadora os caminhos disponíveis para aqueles literatos que se encontravam no café Estrela. A obra traz olhares sobre o modernismo paulista e a classe política na Era Vargas. Lançamento: Fim de janeiro. 

Esse cabelo, de Djaimilia Pereira de Almeida – A obra de estreia da celebrada autora traz um diálogo global cada vez mais fervente sobre racismo, feminismo, colonialismo e independência. Lançamento: 14 de janeiro. 

Em carne viva, de Jacqueline Woodson – Este romance centra-se em duas famílias negras que se uniram quando Iris e Aubrey, um casal de adolescentes ainda no colégio, descobriram que seriam pais. Ao revelar esta nova família singular — e remontar ao massacre racial de Tulsa em 1921—, a autora explora desejo sexual, identidade, ambição, gentrificação, educação, classe, status e as mudanças de vida advindas da paternidade. Lançamento: 14 de janeiro. 

The Twilight World, de Werner Herzog –  Em seu primeiro romance, Herzog conta a incrível história de Hiroo Onoda, um soldado japonês que defendeu uma pequena ilha nas Filipinas por 29 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial. Previsão de lançamento: 2022. 

Don’t let me be lonely, de Claudia Rankine – A premiada poeta Claudia Rankine, conhecida por sua escrita experimental de vários gêneros, funde poesia, ensaio e o visual neste exame política e moralmente feroz da solidão no ataque voraz e movido pela mídia à individualidade que é a América contemporânea. Previsão de lançamento: 2022.

Figura de Linguagem

Sem vergonha, de Futhi Ntshingila, será lançado pela editora Figura de Linguagem. (Foto: Divulgação)

Sem vergonha, de Futhi Ntshingila – O romance tem como personagem central Thandiwe, uma jovem que tem de lidar desde cedo com a pobreza e o abandono e que, adulta, trabalha como prostituta nas ruas de Yeoville, no subúrbio de Joanesburgo. Por meio da narração de Zonke, amiga de infância de Thandiwe, acompanhamos as situações de abuso e miséria a que a personagem é submetida, além da destruição da sua comunidade KwaZulu-Natal, alvo de violência do final dos anos 1980. Previsão de lançamento: 2022.

Solo rachado por dentro, de Priscila Pasko – Segundo livro de contos da escritora erradicada em Porto Alegre. Em seu primeiro livro, Como matar uma ilha, Pasko trouxe 37 narrativas líricas e filosóficas, textos curtos que apresentam as mulheres como protagonistas.  O novo livro tem apresentação de Luciany Aparecida e reúne contos que apresentam uma radicalização da experiência estética da autora. Previsão de lançamento: Primeiro semestre de 2022. 

Porto Alegre em Letras, de Luiz Maurício Azevedo & Luís Augusto Fischer – Trata-se de uma publicação sobre a história da produção literária na cidade de Porto Alegre, suas editoras, seus órgãos de fomento à leitura, seus veículos mais importantes. O livro tem lançamento esperado para o primeiro semestre de 2022. 

Raça e cor na literatura brasileira, de David Brookshaw (tradução Ian Alexander & Luiz Mauricio Azevedo) – Com a curiosidade e o distanciamento de quem se aproximava da literatura brasileira com olhar de estrangeiro, o pesquisador Brookshaw revelava personagens afrodescendentes sendo retratados de forma estereotipada  e autores negros sendo ignorados ou esquecidos. Lançado em 1983 pela editora Mercado Aberto, ganha agora nova edição. Previsão de Lançamento:  2022. 

Record 

Record vai lançar livro infantil de Alice Walker. (Foto: Divulgação)

O antimodernista Graciliano Ramos, organização de Thiago Mia Sala e Yeda Lebensztayn – O livro traz textos do escritor alagoano a partir de um ponto de vista crítico ao modernismo e sua influência nas artes brasileiras. Os pesquisadores reuniram ensaios, resenhas de livros, entrevistas e cartas do autor de Vidas Secas em que ele reconhece a importância do movimento, mas se propõe a discuti-lo sem fanatismos. Previsão de lançamento: Fevereiro de 2022. 

Oscarina, de Marques Rebelo – Publicada em 1931, a coletânea de contos Oscarina é o volume de estreia do escritor carioca Marques Rebelo (1907-1973). Escritos na década de 1920, os 16 contos marcam o desenvolvimento da prosa brasileira urbana, na esteira de autores como Machado de Assis e Lima Barreto. Ganha reedição para apresentar a obra do autor a mais audiências. Previsão de lançamento: 2022. 

Gente legal tem em todo lugar, de Alice Walker – Literatura infanto-juvenil. Previsão de lançamento: 2022. 

 

Jornalista, Especialista em Jornalismo Digital pela Pucrs, Mestre em Comunicação na Ufrgs e Editor-Fundador do Nonada - Jornalismo Travessia. Acredita nas palavras.
Ler mais sobre
Comunidades tradicionais Processos artísticos Resenha

Do ventre da árvore do mundo vem “O som do rugido da onça”

Processos artísticos Reportagem

Do ubuntu literário ao novo terror: o poder transformador da criação coletiva