...
Tânia Meinerz/reprodução

Oliveira Silveira será homenageado pelo Festival Internacional Literário de Gramado

Na manhã desta terça-feira (3), aconteceu o lançamento da FiliGram – Festival Internacional Literário de Gramado na Livraria Taverna, em Porto Alegre. Ocupando o segundo andar da Livraria, o lançamento lotou o espaço, que ostenta várias prateleiras cheias de livros, o que harmonizou com o propósito do Festival de preencher a cidade de Gramado de literatura durante os dias 2 a 11 de setembro. 

O Nonada Jornalismo é responsável pela cobertura oficial do evento, através da Riobaldo, nossa agência de conteúdo cultural. No site do FiliGram e nas nossas redes, vamos cobrir as principais mesas de debates e publicar entrevistas exclusivas com os convidados e convidadas. 

A diversidade está entre os pilares do festival, que pretende levantar questões sociais e contemporâneas a partir da literatura. Entre os escritores e escritoras confirmados, estão nomes como a sul-africana Futhi Ntshingila, Natália Borges Polesso, Jeferson Tenório e o editor britânico Michael Bhaskar.

No evento de lançamento, o poeta, intelectual e professor Oliveira Silveira foi anunciado como o grande homenageado do FiliGram 2022. Nascido em um distrito de Rosário do Sul, Oliveira foi um dos idealizadores do Dia da Consciência Negra junto ao grupo Palmares nos anos 1970. Sua obra, principalmente os artigos e poemas, influenciou gerações de escritores e pensadores do Brasil.

Naiara Silveira, filha do poeta, esteve no lançamento e falou sobre a importância da homenagem: “É uma emoção ver nosso pai ser homenageado nesse grande evento que será um sucesso, e dar visibilidade à obra de meu pai”. Já o escritor e pesquisador da obra de Oliveira, Ronald Augusto, lembrou que a literatura de autoria negra já existe desde o século XVIII, embora tenha sido valorizada por grandes editoras apenas nos últimos anos. “Não podemos deixar que as grandes editoras varram dos mapas selos e editoras pequenas de literatura negra. É graças a elas que agora tudo está acontecendo”, avaliou.

Segundo o secretário da Cultura de Gramado, Ricardo Bertolucci Reginato,  “o FiliGram foi pensado com muito carinho, para ser o mais diverso e abrangente possível e discutir as questões sociais do nosso tempo”. A estimativa é que o Festival, que também vai englobar a 25ª Feira do Livro de Gramado, atraia um público de 80 mil pessoas no espaço de 3500 m² que está sendo preparado no Lago Joaquina Rita Bier.

Estão previstas mais de 100 atividades gratuitas, divididas em 5 eixos temáticos: Polaroid Brasil (Diversidade, sustentabilidade, futuros possíveis), Mercatto (Mercado editorial), Orgânico (Autores e leitores: engajamento digital), Campi (Academia, teoria, alegria e Digiteen (Lúdico, imagens e linguagens teens). 

O FiliGram é uma realização da prefeitura municipal de Gramado e conta com produção da Miraceti Projetos Educacionais e Culturais e patrocínio das empresas D´Gregio, Jolimont e Mãos do Mundo por meio do financiamento do Sistema Pró-Cultura RS.

Sobre Oliveira Silveira

Em seu cartão de visita, Oliveira Silveira se definia como pesquisador da cultura afro-brasileira e escritor de literatura negra. Falecido no dia 1 de janeiro de 2009, o poeta, professor e intelectual, com grande trabalho dentro do movimento negro (foi um dos idealizadores do Dia da Consciência Negra), deixou um legado vivo e que segue sendo objeto de pesquisas e influenciando novas gerações. Nascido no distrito de Touro Passo, na Serra do Caverá, em Rosário do Sul, Oliveira fez uma poesia que refletiu sobre o seu tempo e que se mostra, cada vez mais, universal.

No início da década de 1970, Oliveira Silveira, Antônio Carlos Côrtes, Ilmo da Silva, Vilmar Nunes, Jorge Antônio dos Santos (Jorge Xangô) e Luiz Paulo Assis Santos, recorrentemente, encontravam-se em frente à tradicional Casa Masson da Rua da Praia, no Centro de Porto Alegre. Reuniões posteriores incluíram membros e culminaram com a consolidação do Grupo Palmares, focado nos estudos de artes, literatura e teatro.

Ler mais sobre
cultura negra
Memória e patrimônio Reportagem

Oliveira Silveira, da poesia universal ao protagonismo no movimento negro