...

O perfil das editoras gaúchas

Que o mercado editorial gaúcho é muito vasto, disso ninguém duvida. O público da 56ª Feira do Livro de Porto Alegre pôde ter contato com uma amostra dessa diversidade na tarde de hoje, na sala Leste do Santander Cultural. O mercado foi debatido por representantes de três editoras gaúchas com perfis bem diferentes. Segmentação é o segredo do sucesso das empresas que estavam lá.

Reunidos em uma mesa, às voltas com catálogos, livros e outras publicações, estavam o professor Jerônimo Braga, diretor da Edipucrs; Seu Diogo, representando a momentaneamente afônica Márcia Martins, proprietária da Martins Livreiro Editora; e Débora Bertol, administradora da Dulcinéia Livros. Apostando em nichos de mercado pouco explorados, as três editoras prezam pela qualidade de seus catálogos.

Para o professor Braga, a Editora Universitária cumpre um serviço à sociedade. A entidade, apoiada pelo conhecimento científico produzida nas salas da organização a que ela é ligada, deve oferecer ao público obras sobre assuntos que não são de forte apelo popular. “Temas como filosofia e sociologia, que a gente não vê nas bancas comerciais,têm um espaço garantido nas editoras universitárias”, explica Braga. Ele ainda destaca a importância das editoras universitárias na difusão das pesquisas produzidas nas faculdades e institutos técnicos.

A preservação do conhecimento e sua difusão também é preocupação da Martins Livreiro Editora, criada no final dos anos 1940 como uma loja de livros e transformada em editora em 1980, a Martins Livreiro aposta na cultura rio-grandense como diferencial de mercado. A história e a política gaúcha, além de reuniões de poesias e receitas culinárias ligadas ao RS fazem parte da gama de assuntos tratados nas obras da Martins Livreiro, que já editou mais de mil títulos diferentes. Autores não-gaúchos, mas identificados com a tradição do Estado, também têm seus livros publicados na Martins Livreiro. É o caso de Auguste de Saint-Hilaire, com Viagens ao Rio Grande do Sul, e de José Hernández, com suas poesias em Martín Fierro.

Com apenas um ano de existência, a Dulcinéia Livros já tem em seu catálogo próprio cinco publicações. Débora revela que mais cinco estão prontos para ir à gráfica e devem ser lançados em breve.  Voltados ao público infanto-juvenil, as obras primam não só pelo conteúdo de qualidade, mas projeto gráfico atraente aos pequenos leitores. Ideias inovadoras e a interação com o mundo virtual são bem-vindas, como a criação do blog do personagem principal do livro Beijo Mortal, de Luís Dill.

Ao ser perguntado sobre os critérios de qualidade das publicações, Jerônimo Braga lembrou que em “livro e filho a gente só vê defeito depois de pronto”, no que foi apoiado pelos demais palestrantes. Por mais que se revise o texto, a prova e a obra, sempre haverão detalhes a serem melhorados. Para o professor, um livro não fica pronto, ele é apenas impresso.

Ler mais sobre
Notícias Políticas culturais

Secretaria da Cultura do Estado tem corte de mais de 80 milhões da proposta orçamentária

Entrevista Políticas culturais

“Feira do Livro deve depender cada vez menos do poder público”, avalia Marco Cena, presidente da Câmara Rio-Grandense do Livro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.