Drive é um dos candidatos ao BAFTA 2012

Um homem solitário, em um carro, e que vê pela janela esquerda do automóvel um mundo distorcido. Pode parecer que você já assistiu este filme antes, mais especificamente com Robert DeNiro no volante e Martin Scorcese nas câmeras. Entretanto, apesar de peças semelhantes, o jogo não é o mesmo. Drive, dirigido pelo dinamarquês Nicolas Winding Refn, é um dos indicados a ganhar o prêmio BAFTA, uma espécie de Oscar britânico, especialmente nas categorias ligadas à direção.

A história de Drive não é complexa, no entanto cria algumas reflexões interessantes. Ryan Gosling interpreta o protagonista, um dublê inominado que faz free lances como ”motorista de fugas”, geralmente contratado por bandidos a alto custo.  Sua vida sofre uma virada quando um de seus trabalhos não dá certo, sendo que ele passa a ser perseguido por bandidos que não economizam na violência (muito menos o diretor) para tratar de seus assuntos. Apesar de não serem numerosas como em um filme de John Woo, as cenas de ação são muito bem construídas e bastante explícitas, desenhadas de modo corajoso pelo diretor. O título Drive também suscita reflexões interessantes, já que a palavra em inglês pode significar simplesmente ”dirigir”, ou ter significado análogo a de  expressões como “drive me crazy” ou ”drive me nuts”.

Indubitavelmente, Nicolas Refn mereceu o prêmio de melhor diretor em Cannes no ano passado. A câmera de Drive é desafiadora, os planos são construídos com maestria, pouco importa se o diretor utiliza uma grua, um contraplongê, um carro a 100 km/h. Na conjuntura do audiovisual atual, é maravilhoso presenciar um filme em que a câmera não é um meio, uma simples tinta de caneta necessária para contar uma história. Em Drive a câmera narra, possui valor não apenas estético; ela é matéria, o espectador deslumbra-se com o cuidado que se tem em relação a planos e à fotografia, creditada a Newton Thomas Siegel, outro nome a destacar no longa.

Quanto aos demais aspectos do filme, que não são necessariamente secundários, pode-se afirmar que não estamos perante uma história tão maravilhosa quanto a sua direção. O longa decai à medida que os seus minutos transcorrem. O desnível que há entre o clímax e o desfecho é bastante pronunciado, e muitos espectadores saem um pouco frustrados com o desencadear dos fatos. As metáforas feitas com Hollywood, principalmente através da figura do dublê, da sua associação com a imagem de um anti-herói, ou melhor ainda, de um ”humano comum” com contornos heroicos, são interessantes, porém não passam de um exercício pessoal, que não é essencial e não enriquece muito a trama. Há quem se incomode com o ritmo lento do filme, muitas vezes silencioso. Contudo, creio que assim cria-se um ambiente que reflete um pouco mais do personagem: calado, solitário e até mesmo um pouco sombrio.

A minha aposta para o BAFTA é que Nicolas Refn repita a dose e ganhe o prêmio de melhor direção. E acredito que o filme também possa estar entre os indicados a essa categoria no Oscar. Contudo, não há uma riqueza na trama suficiente para garantir algo além. As grandes proezas da direção contrastam com algumas deficiências e frustrações ao longo de Drive, especialmente em seu final. Ainda assim, o filme merece ser apreciado e visto como um marco inicial na carreira de quem já é considerado um dos mais promissores diretores da atualidade.

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support