Wolverine deve voltar ao passado para impedir a extinção dos mutantes (Crédito: Divulgação)
Wolverine deve voltar ao passado para impedir a extinção dos mutantes (Crédito: Divulgação)

Em X-Men – Dias de um Futuro Esquecido, chegamos a um novo patamar nas histórias dos mutantes mais famosos dos quadrinhos e do cinema. Reunindo elenco da trilogia antiga, do início dos anos 2000, com a nova “antiga” geração o filme adapta bem a clássica história dos comics e traz alguns dos melhores momentos da franquia. É claro que alguns furos de roteiro na história que conta a trajetória dos mutantes no cinema ocorreriam uma vez que o filme se utiliza da viagem no tempo para também “rebootar” de vez essa trajetória. Mas eles não são tão importantes quando comparados a qualidade de Dias de um Futuro Esquecido, que marca o retorno de Bryan Singer como o diretor.

Acompanhamos um apocalíptico futuro, no qual os mutantes foram praticamente disseminados da Terra, graças aos Sentinelas, espécie de guardas e uma arma de destruição criada pelos humanos para detê-los. Nessa época, somente alguns X-Men continuam vivos, entre eles estão Wolverine, Kitty Pryde, Charles Xavier, Tempestade e Magneto. O filme começa com uma ótima abertura que já apresenta um dos pontos fortes: as ótimas cenas de ação e que também já deixa claro como os Sentinelas são um perigo iminente e incontornável, uma vez que conseguem se adaptar aos poderes de cada mutante. A única esperança dessa trupe reside no passado, mais especificamente em deter um acontecimento que levou os humanos a produzirem os Sentinelas.

Para isso, Wolverine deve ir a década de 70, graças aos poderes de Kitty Pryde, e impedir que Mística assassine o desenvolvedor bélico Bolivar Trask. Ele deve procurar e convencer o professor Charles, que estava em um dos piores momentos da sua vida, e Magneto, preso por um crime que ele diz que não cometeu, a ajudá-lo. Ambientando na maior parte do tempo nos anos setenta, o filme ganha também em ares de reconstituição da época, das vestimentas e do comportamento (há várias referências as drogas, como o LSD).  É interessante notar como os mutantes também estão atentos a acontecimentos históricos, principalmente a revelação sobre certo presidente dos Estados Unidos que foi assassinado…

Mercúrio é responsável por uma das melhores cenas do filme
Mercúrio é responsável por uma das melhores cenas do filme (Crédito: Divulgação)

Os melhores momentos dos filmes, é claro, são protagonizados pelos poderes de alguns dos mutantes, destaque para Blink, uma das sobreviventes no futuro, que abre portais para o teletransporte dos colegas X-Men. Outro, e que tem a cena mais memorável do filme, é o personagem de Mercúrio, o qual muita gente criticou quando saiu o seu visual. Ele aparece no passado e ajuda rapidamente (ahá) Wolverine a tirar Magneto da prisão de segurança máxima. Apesar de nos quadrinhos ele ser filho de Magneto, aqui não há nenhuma relação explicada. O Magneto “do passado”, interpretado pelo ótimo Michael Fassbender, também rouba a cena em alguns momentos da trama, particularmente no fim ao transportar um estádio de futebol americano inteiro. A Mística, de Jennifer Lawrance, não fica atrás, agora com mais cenas de ação e totalmente dedicada a acabar com Task ela personifica muito bem a eterna dúvida que sempre girou em torno dos filmes da série X-Men: Mutantes e humanos podem conviver bem?

Ou sendo mais amplo: é possível aprender a viver com a diferença? Podemos achar que o filme já responde a essa pergunta ao mostrar um futuro apocalíptico, mas sempre existe a chance de voltar no tempo (pelo menos na ficção) para repensar o modo como agir. E isto que é o importante neste filme de Singer, que ao nos conduzir a um passado não explorado dos X-Men, acaba fechando a trilogia anterior e deixando muitos anos de trabalho para os novos antigos X-Men. E encabeçados com um elenco tão talentoso como estes é fácil prever que os próximos filmes têm grandes chances de manter o nível de qualidade.

Obs: Há uma cena pós-crédito que só serve para atiçar ainda mais os fãs para o próximo filme da série.

Se quiser saber mais sobre o universo Marvel no cinema confira o nosso podcast da semana.

Jornalista, Especialista em Jornalismo Digital pela Pucrs, Mestre em Comunicação na Ufrgs e Editor-Fundador do Nonada - Jornalismo Travessia. Acredita nas palavras. Twitter: @rafaelgloria
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support