...

Com show eficiente, Jake Bugg leva fãs ao êxtase em Porto Alegre

Jake Bugg (1 de 1)-15
Fãs se aglomeram na frente do palco à espera da jovem sensação do folk

Fotos: Ita Pritsch

O assédio pré-show era grande, com relatos de fãs no aeroporto e no hotel à espera de Jake Bugg, o menino prodígio do folk rock britânico. No final da tarde, o público já fazia uma grande fila nos arredores do Pepsi on Stage. No entanto, quando os portões se abriram, o que se viu foi uma pista com apenas um terço de sua capacidade ocupada.

A casa não estava cheia, mas nem isso desanimou a plateia, bastante jovem e predominantemente feminina. Sorte de John Folk: poucas vezes um artista local foi tão ovacionado. Em geral, o público é pouco paciente com números de abertura, chegando a vaiar.

Pontualmente às 21h30min desta terça-feira, 25 de novembro, Bugg subiu ao palco para iniciar sua apresentação em Porto Alegre, dando início à turnê brasileira do álbum Shangri La, lançado em 2013 – antes, ele havia vindo para um único show no festival Lollapalooza. Logo de cara, o cantor mandou ver um de seus maiores sucessos, “Messed Up Kids”. Comoção geral na pista.

Jake Bugg (1 de 1)-2
Com uma banda enxuta, Bugg tocou durante pouco mais de uma hora no Pepsi on Stage

Bugg, que já entrou com o público ganho, mostrou que não é preciso de grandes parafernálias para fazer um bom show. Por sorte, a (geralmente embolada) acústica do Pepsi estava acima da média, permitindo que se ouvisse perfeitamente os arranjos simples e eficientes das canções, resumidos a violão/guitarra, baixo e bateria. Quando não se ouvia algo, era por causa da plateia: em “Seen it All”, o cantor teve dificuldades para sobrepor o coro dos fãs, que entoaram a música a plenos pulmões.

Tímido e baixinho, Bugg arrancava suspiros das meninas – muitas delas menores de idade, acompanhadas pelos pais. “Lindo” e “fofo” eram alguns dos gritos mais ouvidos na beira do palco, especialmente quando ele cantava baladas ao violão – isso quando dava para distinguir alguma coisa. Imagine se Justin Bieber tivesse uma banda, em vez de ser um cantor pop…

Jake Bugg (1 de 1)-9
Tocando baladas ao violão, Bugg arrancou suspiros das jovens fãs

Felizmente, ao contrário do pop star canadense, Bugg coloca a música em primeiro plano. Praticamente sem interagir com o público, ele apostou na consistência de seus hits para manter as coisas funcionando. E, pelo que se viu em “Two Fingers”, “There’s a Beast and We All Feed It” (melhor título) e “Lightning Bolt” (que encerrou o show), a aposta foi correta.

Com apenas dois discos na bagagem, Jake Bugg se despediu depois de apenas uma hora e dez minutos de apresentação. No entanto, foram quase 20 músicas, pouca conversa e nenhuma encheção de linguiça. Por isso, ficou de bom tamanho.

Se ele continuará a ser um fenômeno – já chegou a ser chamado de “novo Bob Dylan”, de quem diz nem ser muito fã –, isso é uma incógnita. Mas não há dúvidas de que o cara sabe o que quer, e a excelência de seu show é uma prova disso.

Ler mais sobre
Destaque jake bugg john folk
Ler mais sobre
Comunidades tradicionais Processos artísticos Resenha

Do ventre da árvore do mundo vem “O som do rugido da onça”