...

Festa de luzes, cores e cantos: o pintor das hinchadas

Pintor argentino é conhecido por pintar momentos do futebol latino-americano
Pintor argentino Ricardo Martínez Gálvez é conhecido por pintar momentos do futebol latino-americano

Texto Leonardo Cortes

O escritor argentino Mempo Giardelli escreveu uma vez um conto sobre um sujeito melancólico e fleumático que vivia sendo motivo de chacota de seus amigos. O homem, chamado Amaro Fuentes, vivia e sofria as frustrações por seguir e alentar a um time do oeste da capital portenha de menos reconhecimento do que a tradicional rivalidade Boca-River. O homem era nada mais nada menos que um hincha, traduzindo do castelhano: o torcedor de futebol.  Amaro era hincha. O autor deste parágrafo é hincha. Provavelmente, quem está lendo é um hincha. O que nos torna iguais perante à religião que o saudoso escritor Eduardo Galeano já nomeou, que é o futebol.

Também o artista Ricardo Martínez Gálvez é um hincha. Um dos temas recorrentes em seus quadros é o torcedor de futebol que encoraja sua equipe, aguenta os fardos viciantes que qualquer time contém e se prevalece das vantagens virtuosas que alguns possuem. O pintor já retratou desde as bandeiras nas arquibancadas, jogadores argentinos notórios e o mais importante: o torcedor de futebol. Gálvez pinta os Amaros Fuentes espalhados pela Argentina. Gálvez pinta os torcedores.

Nascido em Buenos Aires em 16 de dezembro de 1955, Ricardo é filho de uma família onde orbitavam o futebol e a arte. Aprendeu a aperfeiçoar o traço com cursos por correspondência. Até que, vendo o interesse pelo desenho, a mãe lhe deu um curso ministrado pelo artista plástico Domingo Méndez Terrero. Nesse tempo, passa a exercitar suas obsessões pela prática da pintura em óleo, por meio do qual adquiriu reconhecimento pela sua capacidade como artista.

Na sequência, você confere a entrevista que o Nonada fez com o artista, assim como algumas obras espalhadas entre as perguntas:

Hincha (16)

Nonada – Como começou a gostar de futebol?

Martínez Gálvez – Foi por causa do meu pai, ele era muito torcedor, me levava à cancha, eu e meus irmãos. Também escutávamos juntos as partidas pela rádio.

Nonada – E o teu interesse na arte?

Martínez Gálvez – Minha mãe, à parte de criar eu e meus sete irmãos, gostava de pintar, era muito boa e muito hábil para todo tipo de trabalhos manuais. Evidentemente foi ela que me encorajou e me levou a aulas de pintura.

Nonada – Quando começou a juntar futebol e arte?

Martínez Gálvez – Como tudo de criança, enchia blocos de papéis inteiros de jogadas. Os blocos de desenho de cem folhas que se vendiam nessa época, com folhas medias amarelentas, mas bem econômicas, e com uns poucos lápis de cores de duvidosa qualidade, eu pintava nas cem folhas as jogadas e as arquibancadas. Logo quando fiquei grande e me sentava na torcida popular e tudo me parecia tão forte e incrivelmente colorido e até diria estético – que comecei a pintar.

Nonada – Tu disseste em teu site que “Cada quadro transmite as emoções, os sonhos e a vida cotidiana dentro de um estádio de futebol; a pobreza, a morte e a fome afora da cancha; retratos de uma Argentina que vemos todos os domingos e poucas vezes olhamos”. Como é a Argentina que tu retratas?

Martínez Gálvez – A de um país com gente submergida, pobre, enganada e roubada por seus governantes. Porém, ela é nobre e faz do futebol uma religião, inclinando todas as suas esperanças em algo que deixe de se sentir perdedor por um momento, e assim, esquecer sua realidade por este dia. Essa linda e inigualável capacidade que a gente humilde tem para fazer uma festa de paixão e cor…. do nada.

Nonada – Por que pintar algo popular e não erudito?

Martínez Gálvez – Ao contrário do que muitos acham, não posso entender como não há mais gente que pinte o futebol. Não me refiro ao ídolo, sim ao torcedor e seu folclore. O futebol move a centenas de milhões de pessoas em todo o mundo, que voltam sua paixão neste jogo e, muitas vezes, dá a eles um sentido de propriedade.

Os torcedores fazem sacrifícios que fariam por sua família (às vezes) para ver e seguir seus times, e suas alegrias na vida (que são muito poucas) passam muito pelas conquistas de sua equipe. Só eles podem entender o que gera um gol no último minuto, que te salva de uma eliminação segura ou te condena à derrota. O momento de alegria ou tristeza nesse minuto é impressionante. A volta a tua casa ou ao teu país tu não esqueces nunca. Como não pintar estes sentimentos, esta paixão, esta festa de luzes, cores e cantos? Não fazer isso seria um pecado!

Hincha (6)

Nonada – Que outros temas tens inspiração para desenhar e pintar?

Martínez Gálvez – Gosto de pintar a pampa, a fronteira e o gaúcho do século passado. Agora faço coisas da praia, cavalos e crianças, com muita influência do pintor espanhol Joaquín Sorolla.

Nonada – Podes falar também dos seus outros trabalhos, como nas histórias em quadrinhos e a série “Caballos y Gauchos”?

Martínez Gálvez – Me fascina a história argentina, acima de tudo a época da guerra com o índio, a fronteira, os “malones” (quando os índios vinham e arrasavam as instâncias e as cidades levando tudo), o gaúcho, sua liberdade e o cavalo. Uma época onde não havia o ruído de agora e alguém podia contemplar a paisagem e os animais.

Nonada – Como é a tua rotina de pintura?

Martínez Gálvez – Faço um monte de esboços pequenos todo o tempo, de recordações, coisas que vejo ou imagino e que se passam. Quando gosto de um esboço, ponho cor, os claroescuros* e logo trabalhos as figuras grandes e depois passo para tela e pinto.

Nonada – Pollock disse que a pintura é uma autodescoberta. Você mudou muito em tua vida e em teus quadros?

Martínez Gálvez – Acho que alguém vai mudando na vida porque é parte do crescimento. O que passa é que na obra de arte é mais evidente.

Hincha (12)

Nonada – O futebol argentino sempre foi um sinônimo de um jogo pegado e árduo. Como é para você descrever o futebol argentino?

Martínez Gálvez – Sei que muitos estrangeiros vêm deste modo, talvez agora seja assim. Embora historicamente o futebol argentino era jogar bem; não éramos Brasil, que era o melhor, mas o seguíamos de perto. O futebol árduo ou de garra, mais que nada, era o uruguaio. O futebol argentino estaria entre o brasileiro e o uruguaio.

Nonada – Tem algum momento que sempre te chama a atenção?

Martínez Gálvez – Eu vivia a uma hora de trem do estádio do meu time. Quando eu tinha entre 10 e 14 anos, eu recordo que era inverno e eu voltava de uma partida com meus amigos eu ficava em cima do teto do trem (pois não havia lugar dentro dos vagões); o último raio de sol na cara, o vento frio que nos pegava e as bandeiras que flameavam pela velocidade da locomotiva. Nunca voltei a sentir assim.

Nonada – És um hincha ou simpatiza de muitos times?

Martínez Gálvez – Supostamente, sou muito hincha, mas eu gosto de todas as torcidas, pois todas fazem sua festa e põem cor neste maravilhoso jogo, que dá as únicas alegrias que os povos tem.
O futebol nas arquibancadas é o jogo mais democrático e genuíno que existe. O torcedor mais pobre pode se sentir feliz e ganhador, enquanto um rico e poderoso senhor, na bancada da frente, não tem consolo.

Nonada – Tem algum projeto para o futuro?

Martínez Gálvez – Gostaria de fazer um mural grande em qualquer parte da cidade de Buenos Aires ou qualquer outra cidade futebolística do mundo, homenageando o hincha anônimo do futebol, pois é ele que dá realmente sentido a este esporte.

Nonada – Onde estás mostrando os seus quadros?

Martínez Gálvez – Na Galeria del Socorro, em Buenos Aires, e nos links:
https://www.facebook.com/pages/Ricardo-Martinez-Galvez-Pinturas/188136561245094 e www.martinezgalvez.com.

*Claroescuro: do italiano “Chiaroscuro” é uma técnica de pintura envolvendo contrastes de luzes e sombras para representar um objeto. Da Vince é famoso por usá-la.

(Todas as pinturas aqui são de criação e propriedade do artista)

—–

Confira a galeria completa:

 

 

Ler mais sobre
Processos artísticos Resenha

“Em um bairro em Nova York” reflete o encontro de gerações de latinos por um olhar otimista

Direitos humanos Entrevista

“O movimento feminista demorou para valorizar Lélia Gonzalez”, diz neta da intelectual

Direitos humanos Notícias Políticas culturais

Unesco sugere salário mínimo a todos os trabalhadores da cultura

Os comentários estão desativados.