...

A hora de Sharon Jones

1 (349)b

Fotos: Mariana Gil

“E aí, como é que foi o show da Sharon Jones?”

Já respondi a esta pergunta algumas vezes desde a última sexta-feira e creio que em nenhuma delas consegui resumir, de forma justa, o que foi a apresentação dessa extraordinária cantora e, claro, da não menos extraordinária banda que a acompanha, os Dap-Kings. Qualquer adjetivo, por mais elogioso que seja, parece pouco para definir o que aconteceu durante aquela uma hora e meia.

Mas primeiro vamos a algumas observações sobre o local do show. Infelizmente, o Teatro do Bourbon Country não estava completamente lotado, e talvez isso se explique pelo salgado preço dos ingressos, de R$ 245 a R$ 350. Além disso, as cadeiras não eram necessárias. Talvez a organização esperasse uma plateia mais formal (mais velha), mas na prática o que se viu foi uma diversidade grande de público, incluindo crianças. Por outro lado, é de se elogiar a acústica perfeita do ambiente, que permitiu que todos os instrumentos fossem ouvidos claramente. Levando em conta que eram duas guitarras, baixo, bateria, percussão e um trio de sopros, qualquer erro de equalização poderia embolar tudo.

Com cerca de 15 minutos de atraso, os Dap-Kings sobem ao palco para executar alguns rápidos números instrumentais. Só isso já seria um show e tanto – para quem não sabe do que estou falando, essa foi a banda que Amy Winehouse pegou “emprestada” para gravar o clássico Back to Black e, posteriormente, fazer turnês. Em seguida, o guitarrista Binky Griptite, que também atua como mestre de cerimônias, chama duas backing vocals para se juntarem ao octeto. A essa altura, antes mesmo de Sharon aparecer, o público já está praticamente todo em pé, dançando. E danem-se as cadeiras numeradas.

1 (138)a
Dap-Kings aquecem o público enquanto a estrela do show não entra em cena

O clima do show faz com que a plateia se sinta em um pub dos anos 60 nos Estados Unidos, quando nomes como Aretha Franklin e James Brown ganharam o mundo. Sharon Jones é cria dessa grande época da música. Por um desses infortúnios da vida, só conseguiu engrenar depois dos 40 anos, mas hoje, aos 59 e após superar um câncer, mostra ter gás para continuar por muito tempo ainda.

Quando a cantora surge no palco, os olhares imediatamente se fixam nela. Sharon é puro carisma, e não há como não se impressionar com sua energia. Ela dança sem parar. Rodopia, faz caretas, ri, bate papo com a plateia. Fala de relacionamentos mal resolvidos, de homens cafajestes, das alegrias e tristezas do amor. E canta. Muito.

Após “Retreat!”, um dos singles do bem-sucedido Give the People What They Want (2014), Sharon convida um rapaz da plateia para dançar em “You’ll Be Lonely”, e ele, mesmo que um pouco desajeitado, não pensa duas vezes. Mais adiante, em “Long Time, Wrong Time”, repete o artifício com outro sujeito, e logo depois, em “I’m not Gonna Cry”, diz que é a vez das “ladies”. Nada menos que oito moças sobem ao palco, e uma delas ainda arrisca dividir trechos do refrão com a cantora.

“I Learned the Hard Way”, faixa-título do álbum de 2010, parece algo que sua devota discípula Amy poderia ter gravado em Back to Black, e chama a atenção pelo belo arranjo de sopros. ­A seguir, o momento mais marcante do show: as lições de dança de Sharon Jones. Ao som de um instrumental que parece ter saído daquelas trilhas de filmes de blaxploitation dos anos 70, a cantora fala sobre diversos tipos de passos de dança, mostrando-os na prática ao chegar ao que seria o refrão.

1 (384)a
Em “You’ll Be Lonely”, Sharon chamou um fã para dançar no palco

Depois de dez minutos de adrenalina no limite, nada como uma baladinha para respirar. “Slow Down Love”, sexy e arrastada (no bom sentido), é uma daquelas canções capazes de elevar consideravelmente as taxas de natalidade.

No final, o hit “Get Up and Get Out” aparece em roupagem diferente, mais acelerada, no que Sharon diz ser uma espécie de tributo a Tina Turner – nessa música, ela até se movimenta de forma parecida com a homenageada. Ainda há espaço para o bis, com “Every Beat of my Heart”, clássico na voz de Gladys Knight & The Pips, e “He Said I Can”. Como se o talento e o carisma não fossem suficientes, a cantora ainda esbanja simpatia ao ficar algum tempo sentada no palco tirando selfies e dando autógrafos.

Ao ver um show desses, a gente tenta entender como essa ex-carcereira e segurança de carro forte recebeu tantos “nãos” de empresários. Teve um que disse a ela que era “muito negra, muito gorda, muito baixa e muito velha” para fazer sucesso. A estupidez humana realmente não tem limites.

Obrigado por não ter desistido, Sharon.

Ler mais sobre
Comunidades tradicionais Processos artísticos Resenha

Do ventre da árvore do mundo vem “O som do rugido da onça”

Políticas culturais Reportagem

Prefeitura de Porto Alegre usou projeto reprovado para licitar obra na Usina do Gasômetro