...

Gal, a estratosférica

Texto Priscila Pasko

Fotos Fernando Halal

galcosta1
Gal Costa se reinventa no show da turnê Estratosférica

O palco certamente pesa mais quando Gal Costa está sobre ele. Pesa 36 álbuns, Tropicália, rupturas, parcerias. Ela entra de sorriso largo e vermelho no palco. Vestido floreado, babados que dançam nas mangas e que descem até os pés. Cachos nas alturas. Vejo em minha frente uma artista com 50 anos de carreira cantando nada do que fiz, por mais feliz, está à altura do que há por fazer. Nostalgia? Não, obrigada.

Foram os versos de “Sem medo nem esperança” uma parceria entre Arthur Nogueira e Antonio Cicero – que abriram o show Estratosférica, na última sexta-feira, no auditório do Araújo Vianna. A letra da música, uma pegada rock e feita especialmente para ela, traduz que tipo de artista é Gal: coerente. Não unge os pés do passado, mas reserva espaço para suas pegadas. E segue em frente.

No final da primeira música, Gal emenda “Mal secreto”, de Jards Macalé, presente no disco Gal Fatal (1971). Arrepios. A voz deixou-se abraçar pela guitarra de Guilherme Monteiro. Isso deixou claro o repertório que teríamos, uma mescla bem estudada.

Como não se bastasse Gal no palco, Milton Nascimento assistia ao show na plateia do Araújo Vianna. Não é sempre que dois artistas do gabarito deles estão sob o mesmo teto. Que momento. No domingo, Bituca fez um show na Redenção, na abertura da Segunda Edição do Porto Alegre Jazz Festival.

A atmosfera eletrônica tão presente no trabalho anterior, Recanto (2011), produzido por Caetano e Moreno Veloso, desta vez abre espaço para o rock, músicas gingadas e também “joãogilbertianas”. Em Estratosférica, Moreno Veloso assume a produção mais uma vez.

Logo depois da balada “Jabitacá” –  composta por Lirinha, e outros dois pernambucanos, Junio Barreto e Bacteria -, os focos de luzes dançaram freneticamente no palco, tentando criar um ar futurista a “Não identificado”, do álbum Gal Costa (1968). O clima psicodélico ficou por conta do teclado de Mauricio Fleury.
A afirmação de que Gal vem “modernizando” o seu repertório faz sentido se considerarmos as recentes parcerias com compositores mais jovens. Em Estratosférica, letras criadas por Céu, Criolo, Mallu Magalhães, Marcelo Camelo, Domenico Lancellotti, Jonas Sá e os já citados neste texto tomam forma na voz de Gal.

gall
A tour comemora os 50 anos de carreira da artista

Agora, dizer que Gal tem se renovado – ou “apelado”, como alguns diriam – ao incluir em sua discografia arranjos com pegada eletrônica ou rock, é ignorar a trajetória da cantora. Isso já havia sido feito lá atrás, no Tropicalismo, no final da década de 1960, com guitarras elétricas, enquanto, do outro lado, estava a turma da Bossa Nova.  A ousadia de Gal estava presente na maneira de se vestir, de cantar. Apenas para citar o seu segundo disco (Gal, 1969), foi considerado um dos registros mais radicais e experimentais de sua carreira.

“Tenho me jogado sem medo nem esperança. Tentando não sofrer demais com a saudade nem com expectativas. Este show é para celebrar isso. Bem-vindos a Estratosférica.” Foi assim, e só então, após a quarta música que Gal, conversou diretamente com o público, composto pelas mais diversas gerações.

No palco do Araújo Viana, Gal volta a 1969 e anima a plateia com “Namorinho de portão”, de Tom Zé, compositor de “Por baixo”, presente no show de Estratosférica: E por baixo do cheiro: a rede elétrica/Baixo da rede elétrica: os pelos/E por baixo dos pelos: as estradas/Que conduzem nos fios os teus arrepios/Manifestos em ois! E uis! E ais!/Lá onde a razão não chega mais, aqui o arranjo eletrônico voltou a dar os ares.

Gal aproveitou a balada “Espelho d’água”, letra de Marcelo e Thiago Camelo, para criar um clima mais intimista ao show. No palco, apenas Gal e Monteiro no violão, que tocam “Três da madrugada” para a alegria da plateia.
Guilherme Monteiro sai de cena e deixa Gal sozinha no palco em um banquinho e um violão, “algo que não fazia há muito tempo”, confessou ao público. E ela voltou ao passado para cantar “Sim, foi você”, música de seu primeiro compacto, quando ainda era conhecida como Maria da Graça, mesmo nome do compacto gravado em 1965. E aos 70 anos de idade, ela, a voz, continua límpida, potente e impecável.

Ao final do show, na vigésima canção, é que a música título é executada com um gingado contagiante. Estratosférica, composta por Céu, Pupillo e Junio Barreto: Das ladeiras dos sobrados/Das calçadas de pisar/Tu chegasse numa nave/Colorida de acender/Festejada festa/Pano florido/Abre, clareia/Flor amazônica/Vem das águas de banhar.

Para encerrar, Gal leva ao repertório “Os alquimistas estão chegando”, de Jorge Ben Jor, momento em que a plateia levanta para se despedir e dançar. Na volta do bis, ao som de reggae, ela convida o público para cantar Vingança”, com o mesmo arranjo do show Gal costa canta Lupicínio Rodrigues, apresentado no mesmo local, em março deste ano.

Mas é antes de “Vingança” que a cantora se apresenta ao público resgatando “Meu nome é Gal” (Gal Tropical, 1979): Meu nome é Gal, tenho 24 anos/Nasci na Barra Avenida, Bahia/Todo dia eu sonho alguém pra mim/Acredito em Deus, gosto de baile, cinema/Admiro Caetano, Gil, Roberto, Erasmo/Macalé, Paulinho da Viola, Lanny/Rogério Sganzerla, Jorge Ben, Rogério Duprat/Waly, Dircinho, Nando/E o pessoal da pesada.”

Estratosférica é Gal, que não se resume em um show e se multiplica em si. Mas, é claro, na noite de sexta-feira, cada um viu a Gal que quis.

Ler mais sobre
Comunidades tradicionais Processos artísticos Resenha

Do ventre da árvore do mundo vem “O som do rugido da onça”

Processos artísticos Resenha

Em show autobiográfico, Caetano endossa “Fora, Bolsonaro” do público

Memória e patrimônio Reportagem

Áspera e desigual: como Porto Alegre chega aos 250 anos segundo seus artistas