Por Gabriel Palma*

Na TVE RS eu aprendi a importância da comunicação pública. Há três anos e meio eu presencio e faço parte da batalha que é trazer conteúdo de qualidade contra tantas vontades. Aprendi a ideia de serviço, de direito, de imprescindibilidade do que se faz aqui. De dar voz e de, dentro do possível – nem sempre tão possível – fugir dos cortes mercadológicos e partidarizados que insistem em nos podar.

Produzindo o Estação Cultura – TVE, já chamamos gente das mais diferentes origens e minorias para conversar sobre os jeitos de contribuir para a nossa cultura. Tantas mulheres, da rapper à filósofa consagrada, da cantora transexual à pesquisadora acadêmica. Do Jards Macalé aos tantos amigos que tavam lançando o primeiro cd em algum dos bares da Cidade Baixa.

Nunca reproduzimos a demagogia da imparcialidade.

Quando escrevi minha monografia, tive a oportunidade de ler sobre comunicação pública e seu desenvolvimento, especialmente na América Latina. Uma frase que marcou nessa época foi a do Jesús Martín-Barbero, que diz que o nosso caráter principal é garantir “o direito ao reconhecimento social e cultural, o direito À EXPRESSÃO DE TODAS AS SENSIBILIDADES NARRATIVAS NAS QUAIS SE AMOLDAM A CRIATIVIDADE POLÍTICA E CULTURAL DE UM PAÍS”.

Acredito ser bem por aí, para que se possa tentar equalizar e democratizar a relevância dos papeis de quem, em todas as outras esferas, sofre a opressão e a exclusão de uma sociedade como a nossa.

Nesse tempo, muita gente que tá dando a cara a tapa encontrou aqui um espaço de luta, de resistência, de dignidade. Assim como gente que, daqui da casa, encarou as arbitrariedades, intransigências, censuras e abusos dos indicados pelo governo que por aqui passaram ou que aqui ainda estão.

Isso porque nem me sinto capaz de mensurar a importância das outras fundações que nos acompanham nessa barbaridade.

Para além dos empregos de toda essa gente (que não vão magicamente se transformar em novos policiais para a classe média), essa luta é sobre o direito de não vender a nossa cidadania. De não se entregar ao absurdo dessa tragédia midiática, corroborada por “colegas” cujo papel mais uma vez é de abutre, por jornalista que prefere esquecer a apuração para servir de coro a esse lixo.

A tua comunicação pública está ameaçada.
A tua cidadania é atacada mais uma vez.
Resistiremos.

*jornalista e funcionário da TVE

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support