“O que pensa você do Brasil de hoje?” Em junho de 1968, anos de chumbo, o dramaturgo Augusto Boal fez essa pergunta aos artistas de São Paulo. O resultado foi a primeira Feira Paulista de Opinião, espetáculo que ocorreu no Teatro de Arena. Agora, 50 anos depois, a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, em parceria com o Memorial Luiz Carlos Prestes, chamou os artistas porto-alegrenses a pensarem a situação atual da cidade e do país.

Até o dia 29 de julho, o novo espaço cultural de Porto Alegre está de portas abertas aos mais de 50 artistas e coletivos – identificados com a esquerda do espectro político – que responderam ao chamado. São atividades diárias, desde exibição de filmes nacionais, apresentações de teatro e mesas de debate sobre literatura, todas gratuitas. A programação foi aberta no último domingo (15), com um cortejo. “No golpe midiático-jurídico-parlamentar que vivemos hoje, os artistas se encontram na sua maioria desorganizados e isolados. A arte continua sendo potencialmente política e acredito que a nossa Feira seja uma oportunidade dos artistas de Porto Alegre de uma forma organizada e solidária colocarem para a cidade e o país a sua Opinião sobre os tempos difíceis que estamos vivendo”, destaca Paulo Flores, um dos fundadores da Tribo.

Artistas saíram em cortejo na abertura do festival (Foto: Natasha Jerusalinsky)

Em uma cidade que viveu episódios recentes de censura institucional e de grupos obscuros, “é fundamental que a arte se posicione a todo momento e agora mais do que nunca nessa onda conservadora e de pensamento fascista que se espalhou pelo Brasil. Citando Carlos Marighella: ‘É preciso não ter medo, é preciso ter a coragem de dizer”, diz Paulo.

A proposta de reunir os artistas – e o público – identificados com a função social da arte é recorrente em Porto Alegre, que recentemente realizou eventos de protesto contra o governo de Michel Temer em espaços públicos, além do ato contra a censura ao Queermuseu. A Feira de Opinião se diferencia por trazer uma programação extensa, ao longo de 15 dias, que pode movimentar o calendário cultural da cidade. Vale lembrar que, no ano passado, neste mesmo mês, o Festival de Inverno de Porto Alegre trazia nomes do outro lado do espectro político para palestrar na cidade, financiados com verba pública. Agora, artistas porto-alegrenses, em um movimento de resistência, apresentam ao público sua visão sobre o Brasil, refletindo sobre temas como desigualdades social, racismo e a questão indígena. A Feira de Opinião de Porto Alegre é patrocinada por sindicatos da capital.

Novos ares para o jornalismo

O Brasil de Fato, publicação fundada em 2003 pelo MST no Fórum Mundial Social de Porto Alegre, acaba de lançar sua publicação gaúcha. O jornal, que já tem edições em alguns estados, apresentou o tabloide porto-alegrense na Feira de Opinião nessa terça-feira (17) e terá distribuição gratuita. “Sua própria presença já significa a oferta de um enfoque diferenciado dos fatos, permitindo uma pluralidade que a mídia empresarial promete na propaganda e sonega na realidade”, afirma o jornalista Ayrton Centeno, um dos editores do jornal.

SERVIÇO:

Feira Brasileira de Opinião de Porto Alegre – ContraGolpe

Data: 15 a 29 de julho de 2018

Local: Memorial Luiz Carlos Prestes – Av Ipiranga, 10 (esquina com Edvaldo Pereira Paiva), Porto Alegre (RS)

Horário: Terças a sextas, das 15h às 22h, sábados, das 10h às 22h; e domingos, das 14h às 20h.

Entrada gratuita.

Programação

15 de julho – Domingo 

15h – Abertura da Feira Brasileira de Opinião com um Cortejo saindo da Rótula das Cuias e abertura das exposições de artes visuais, que segue aberta até o dia 29/7, de terças a sextas, das 15h às 22h, sábados, das 10h às 22h; e domingos, das 14h às 20h.
17h – Teatro “Mahagonny” e “Manifesto da Nau das Oito Cartas”, de Chico Machado;
19h – Show musical de Johann Alex de Souza e Simone Rasslan
17 de julho – Terça-feira 
16h – Debate “A Comunicação e o Golpe de 2016”, mediação Katia Marko, jornalista
Ayrton Centeno – Brasil de Fato
Rosina Duarte – Boca de Rua
Marco Aurélio – Sul21
La Garganta Poderosa

18h30 – Apresentação de Dança da Escola Preparatória de Dança da EMEF Loureiro da Silva: Nós (sapateado americano)

Curiosidade (dança contemporânea)

Havana (sapateado americano)

Laboratório da Dança: Mujer (dança contemporânea), We love Fredy (sapateado americano) e A partir (dança contemporânea)
19h30 – Ato Político Cultural – lançamento do Jornal Brasil de Fato RS, com apresentação do Grupo Unamérica, Pedro Munhoz;

20h30 – Cinema – Exibição do filme “O Processo”, de Maria Augusta Ramos

18 de julho – Quarta-feira

15h – Oficina de teatro Beckett

19h – Show musical com Felipe Azevedo, Beth Krieger, Flora Almeida, Roda Viva, Gustavo e Ligia, Ricardo Cordeiro e Florisnei Tomaz
19 de julho – Quinta-feira
18h – Dança – Coletivo Moebius
19h – Dança – Meme/Laco
20h – Cinema – Exibição do filme “Utopia e Barbárie”, de Sílvio Tendler

20 de julho – Sexta-feira

18h – Cinema – Exibição dos filmes “Raízes do teatro” e “Memórias do Silêncio”, de Pedro Lucas.
20h – Teatro: Povo da Rua | Ato Espelhado | Teatro Grillo | Corpos e Sombras
21 de julho – Sábado
10h – Histórias e músicas da MPB para Crianças, com a Banda Carmelita

11h30 – Oficina de ilustração com Laura Castilhos

Poesia para crianças – conversa com o autor Alexandre Brito
14h – Palestra “A Arte de Ler” com Bolívar Almeida
15h – “Cenopoesia”, Teatro do grupo TIA
16h – Teatro “Eu não sou macaco”, com Deddy Ricardo
18h30 – Recital Poético Gente de Palavra
19h30 – Exibição dos filmes “O Veneno do Escorpião” de Pedro Lucas e “Jango”, de Silvio Tendler

22 de julho – Domingo

15h – Teatro Grupo Atrito
16h – “Populares temem a invasão das salsichas gigantes”, do Levanta Favela
18h – Cine Marighella – Lançamento do HQ sobre o curta Cine Marighella
19h – Araguaia

24 de julho – Terça-feira

15h – Oficina de teatro com grupo Comparsaria
17h – Dança – Maria Falkenbach e convidados

18h – Dança – Rita Lendê
19h – Exibição do filme “A Palestina Brasileira” seguida de debate
25 de julho – Quarta-feira
15h – Oficinade teatro Beckett
19h – Show musical

Poética Planetaria Subtropicalista
Josué Krug
Roberto Corbo
Censuradas do Rock dos Anos 80

Sex-teto
Johann Alex de Souza

26 de julho – Quinta-feira

18h – Teatro Panamá
19h – Filmes: Sul Engraxa as Botas
“Nhemonguetá”, de Eugênio Barbosa e Paola Mallman
“Retirantes”, de Maíra Coelho

Otto Guerra

27 de julho – Sexta-feira
Feira Gráfica

18h – Debate Voz política da poesia, Ronald Augusto e Renato Motta

19h – Poesia de Opinião
20h – Teatro “Brasil, Esculacho, Trash e Bagulho” do Levanta Favela e Ói Nóis Aqui Traveiz

28 de julho – Sábado

Feira Gráfica
10h – Histórias e músicas da MPB para Crianças, com Banda Carmelita Feira Gráfica
11h30 – Teatro de bonecos com Genifer Gerhardt
14h – Debate “As questões sociais na literatura infantil”, com Caio Ritter, Martina Schreiner e Christian David, com mediação de Laura Castilhos.
15h – Apresentação do espetáculo “Brincantes na rua”, do Circo Enquanto tiver Amor”
16h – Apresentação do espetáculo “ComDominio”, da Xandéia Comparsaria das Façanhas

18h – Debate “De 1964 a 2016 – Os Golpes e as riquezas do Brasil”, com o professor da Ufrgs e sociólogo Benedito Tadeu César e a liderança dos petroleiros, o engenheiro Edson Flores. Ao final do debate um Manifesto será escrito pelos artistas participantes da Feira Brasileira de Opinião – Porto Alegre – Contragolpe – 2018

19h – Show musical com Tânia Farias e Mario Falcão, Demétrio Xavier, Glau Barros e Encruzilhada do Samba

29 de julho – Domingo

14h – Beckett, apresentação da produção da oficina de teatro

15h – Espetáculo “Caliban – A Tempestade de Augusto Boal”, do grupo Ói Nóis Aqui Traveiz

17h – Oficinau, Sarau Poético – Mário Pirata e convidados

18h30 – Leitura do MANIFESTO

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support