Por Cristiane Marçal*
Foto: Tonico Alvares/CMPA

A mais recente polêmica do meio artístico gaúcho começou há algumas semanas, quando o presidente da Câmara de Vereadores de Porto Alegre, Valter Nagelstein (MDB), anunciou a abertura de um edital de R$ 350 mil para a montagem de uma ópera-rock sobre a Revolução Farroupilha . O fato levantou um combo de polêmicas, algumas delas estão aqui, aqui e aqui. Façam uma busca por “edital ópera rock” no Facebook e vão achar tantas outras mais. São questões que envolvem os mais diferentes ângulos do mérito artístico e viabilidade da proposta (o tema, o gênero, a relevância, o prazo, o custo…) e outros tópicos que adentram a esfera política e histórica.

Mas a notícia parece boa. Afinal é investimento em cultura, certo? A classe artística não estava se queixando de negligência financeira por parte do poder público? Por que reclama? Porque só investir em cultura não garante a funcionalidade da ação. A proposta da ópera rock funciona pra muita coisa, mas não como política pública cultural. E como política pública cultural (o que imaginamos que ela seja, já que se trata de uma proposta oriunda de uma instituição pública, que será executada com dinheiro público e objetiva oferecer um benefício à população) é possível perceber que essa proposta é uma deformidade.

Uma leitura contemporânea do tema política cultural [1] entende o mesmo como um conjunto de ações planejadas e executadas de maneira articulada entre poder público e instituições civis, num acordo que envolve os diferentes agentes envolvidos (gestores, produtores, consumidores), em vez de ser uma determinação vertical, de cima para baixo, com o estado definindo o que será colocado em ação, quais práticas culturais serão exercidas pelo meio artístico e consumidas pela população ou, ainda, como será o atendimento dos interesses que são exclusivos das classes artísticas.

Aliás, há poucos meses, a UNESCO lançou o relatório global Re|pensar as políticas culturais: criatividade para o desenvolvimento, que pode ser baixado gratuitamente aqui. A publicação, que é uma análise da implementação da Convenção sobre a Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais da UNESCO (de 2005), mostra a influência positiva desse trabalho numa governança colaborativa e elaboração de políticas com múltiplos interessados (capítulo 1), além de destacar que o objetivo da Convenção de apoiar sistemas sustentáveis de governança para a cultura só pode ser alcançado por meio de forte participação da sociedade civil (capítulo 4). Vale a leitura!

Em suma, de acordo com esse pensamento chancelado pela Unesco, podemos dizer que é inerente à política pública que se pretende cultural uma dinâmica de escuta que visa entender quais são as demandas advindas do campo artístico antes de criar uma solução para saná-las. Porque, a princípio, o dinheiro público serve para sanar demandas que venham da população.

Na matéria publicada na Zero Hora, temos alguns trechos que apontam para uma pessoalização da proposta:

“Ver a cena acima (da ópera rock sobre a Revolução Farroupilha) realizada é um sonho antigo do presidente da Câmara de Vereadores, Valter Nagelstein (MDB), que lançou, na semana passada, edital público para torná-lo realidade.”

“Nagelstein não nega que o projeto da ópera rock é uma iniciativa pessoal, algo que deseja deixar como legado de sua gestão na Câmara, que se encerra em janeiro de 2019. Tanto que, ao utilizar o ‘nós’ para falar da origem do projeto, em seguida se corrige:

Quando falo nós, quero dizer eu, Valter.”

“O presidente da Câmara acredita que o projeto, embora seja uma vontade sua, será democratizado quando compartilhado com a cidade”

Ou seja, a verba destinada para sanar uma necessidade pública será usada para atender um desejo pessoal de um presidente da Câmara de Vereadores. Bom, mas ainda assim, é uma iniciativa válida como política cultural, na medida em que terá apresentações públicas gratuitas e trata de um tema histórico, certo? Não. E explico a razão.

Para contextualizar, rapidamente, vamos falar da política de editais enquanto política pública de cultura. O pouco que ainda temos de mercado de cultura que contempla os pequenos produtores, que são a maioria, está diretamente ligado a esse sistema. Mas, como todo o sistema, ele tem problemas. Um deles é o cerceamento da criação artística através de condicionantes impostas para participação em editais. Isso acontece na medida em que a concorrência estabelece pré-definições como tempo de duração de um espetáculo, formato de um livro ou a natureza da proposta artística (um dos mais pedidos nos últimos anos é “linguagem inovadora”). Isso cerceia, quando não inviabiliza, a criação do artista, na medida em que ele sabe que só obterá financiamento para um determinado projeto se o mesmo tiver uma característica “x”.

Essa situação gera um risco de direcionar coletivamente e forçadamente a produção artística de toda uma sociedade. Embora meritória em vários aspectos, nós temos esse ponto nevrálgico da política de editais que precisa ser discutido e exige um auto-policiamento dos agentes públicos para que não sejam ultrapassados certos limites.

Porém, o edital da ópera rock de Nagelstein ultrapassa todos eles. Ele não apenas impõe o tema, mas também a obra na qual a proposta será realizada, o gênero teatral/musical e até o título do espetáculo. Ou seja, ele foge de um pensamento contemporâneo de políticas culturais e nos joga para um período anterior ao Renascimento, num tempo em que o financiamento das obras era principalmente oriundo da igreja, que determinava os temas e até pormenores das obras, como as cores que deveriam ser usadas. Pelo menos naquela época não chamavam isso de política cultural.

A proposta pode ser válida na leitura do vereador, do prefeito, do secretário da cultura e de outras pessoas que apreciam a ideia. Mas não para ser executada com dinheiro público. Ou melhor, ela pode ser executada com dinheiro público, desde que passe pela concorrência dos editais, como toda a classe artística faz com seus projetos pessoais, e não que a proposta seja o próprio edital. Também posso repassar como possível solução o mantra entoado pelo atual prefeito e seu colega secretário da cultura. Quer financiar sua obra? Então busque recursos na iniciativa privada. Mas deixe a verba pública da cultura ser administrada por quem realmente deve administrá-la. O nome disso, segundo a Unesco e o bom senso republicano, não é burocracia, é transparência.

 

[1] Segundo diferentes pesquisadores como Teixeira Coelho, Néstor García Canclini e Nivón Bolán. Mais detalhes no livro Políticas Culturais no Brasil, de Lia Calabre, editado pela Fundação Getúlio Vargas, na página 12.

*Cristiane Marçal é jornalista, produtora cultural, mestranda em Relações Sistêmicas da Arte pela UFRGS e co-idealizadora de eventos culturais como Porto Alegre Noir e a série de cursos Sobre Viver de Cultura

 

 

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support