...

Benzinho é, sobretudo, um filme sobre amar

por Júlia Manzano

Esta crítica é parte da cobertura do primeiro final de semana do 46º Festival de Cinema de Gramado e foi assistido no dia 18 de agosto de 2018.

Em Benzinho, o novo filme de Gustavo Pizzi, o filho primogênito de uma família de classe média baixa chega na sala de jantar radiante de felicidade: ganhou uma bolsa para jogar handebol profissionalmente na Alemanha, e deve embarcar em breve. Seus irmãos o abraçam. Seu pai fica nervoso. E sua mãe sorri de forma hesitante. Mesmo sabendo que da importância da notícia para o filho e do lado positivo que isso pode ter, ela sofre.  E é nessa complexidade e sinceridade – tão comum do amor – que reside a beleza de Benzinho.

No filme, Irene (Karine Teles) é a jovem mãe de quatro meninos e vive pacificamente com o marido Klaus (Otávio Muller) no interior do Rio de Janeiro. Juntos, enfrentam problemas financeiros e tentam criar os filhos da melhor maneira possível. O primeiro conflito do longa é justamente quando Fernando (Konstantinos Sarris), seu filho mais velho de 17 anos, recebe a proposta acima citada. Nesse turbilhão, Irene, o marido e os outros três filhos começam a adaptar suas vidas para a partida do menino, que desempenha um importante papel dentro da família – seja como babá dos irmãos mais novos, seja como apoio emocional para seus pais, já que o adolescente claramente se mostra maduro e responsável em tela, mas nada que destoe muito de como um jovem rapaz se comportaria.

Foto: Divulgação

 

O longa se esforça para não romantizar nem demonizar relações familiares. E em uma época de tanta exaltação à família (chega a ser assustador), é muito satisfatório poder apreciar uma família comum e cheia de defeitos, mas que funciona e na qual as pessoas se gostam, se apoiam, brigam e discutem o tempo todo, encarando essas questões como o preço de uma boa convivência humana.

Mas o filme não é isento sobre o quão problemáticas algumas dinâmicas familiares podem ser. Um exemplo é a cena onde Irene, por alguma razão, romantiza a casa onde trabalhou como faxineira quando era criança defendendo que ela recebia um salário – mas ele ia todo para seu pai. Klaus se indigna com essa situação e aponta as contradições e os absurdos de adultos obrigarem uma criança a trabalhar. O filme também explora, nesse ponto, as conflitos de classe e de gênero que marcaram a infância da protagonista e como, até hoje, isso reflete em quem ela é e nas relações que mantém.

E é impossível falar do sucesso de Benzinho sem falar do talento de Karine Teles. É quase inacreditável que, há apenas três anos atrás, ela interpretou a terrível patroa de Regina Cazé em Que Horas Ela Volta. A atriz escreveu o roteiro de Benzinho junto com o diretor, sendo uma das razões pelas quais ela está tão confortável em tela. Irene é uma super mãe, uma super mulher, extremamente humana e cheia de defeitos, mas é facilmente compreensível o porquê aquela mulher é tão amada e admirada pelos filhos e pelo marido. E é delicado e admirável que, mesmo mãe de quatro, ela tenha aspirações e desejos próprios e, ao realizá-los, ela seja parabenizada pela família, nunca ficando em segundo plano apesar de também ter um papel central e essencial na família carioca. Os planos em seu rosto deixam claro que quem está conduzindo aquela história é ela, e que os filhos e o marido orbitam ao redor daquele universo que ela oferece.

Foto: Divulgação

 

Falar aqui que Irene é uma super mãe não isenta a responsabilidade de Klaus, já que, mesmo tendo bem menos responsabilidades domésticas que a parceira, ele é um marido legal, sendo uma representação masculina decente na tela. Ele se esforça e é competente, levando a sério a função que precisa exercer para aquele núcleo familiar junto com a parceira, em pé de igualdade.

E há outra personagem maravilhosa na produção. Adriana Esteves (que atriz!) está maravilhosa ao dar toda a complexidade que Sônia, irmã de Irene, merece. Doce e responsável, ela é vítima de violência doméstica, o filme dá atenção para que sua relação com o marido Alan (Cesar Troncoso) seja complexa sem passar pano para a atitude abusadora do homem. O filme nunca deixa essa questão em segundo plano, tratando a dinâmica de ambos sempre como uma bomba prestes a explodir mas com várias nuances. E Gustavo Pizzi é elegante ao não precisar mostrar cenas de violência para mostrar o quão perigoso aquele homem pode ser. Basta que Alan levante a voz para que a plateia se encolha no banco e fique com receio pelo bem-estar de Sônia.

Foto: Divulgação

E aqui vale a pena marcar que Alan não é um homem louco, fora de si ou psicopata. Apesar do filme o colocar como usuário de drogas (mas sem explorar muito bem a questão), ele é um homem normal que abusa fisicamente da esposa, que sabe que está errado, pede perdão e garante que vai mudar – algo clássico dos ciclos de violência. Mas nunca muda.

O filme também acerta em questões mais técnicas. A arte é impecável ao mostrar a casa da família, ao mesmo tempo um ambiente bagunçado e (literalmente) caindo aos pedaços como acolhedor e confortável. A casa funciona como uma espécie de alegoria do que aquela mãe está passando ao deixar o seu primogênito partir e das novas relações e dinâmicas – a nova casa – que está construindo com seus outros filhos. Por serem uma família de classe média baixa, nada que os pertence é novo ou chique, mas o filme não comete o erro de tantas outras produções brasileiras – especialmente novelas – de dar um ar cômico ou suburbano para tudo o que não é o luxo da classe média/alta.

Apesar de todas as temáticas e abordagens acima citada, Benzinho não é um filme que se perde em diversas linhas narrativas. Os personagens são tão realistas que o filme não perde tempo investindo em humores baratos ou piadinhas sem graça para ganhar sua audiência. Pizzi, com elegância, tenta o tempo inteiro trazer os personagens – em especial Irene – para perto de nós, seja a partir de experiências ou de sentimentos já vivenciados. É a vulnerabilidade e o realismo daquelas situações que nos cativam. E é claro, usa o afeto como linha condutora de tudo.

Ler mais sobre
Destaque feminismo
Ler mais sobre
Comunidades tradicionais Processos artísticos Resenha

Do ventre da árvore do mundo vem “O som do rugido da onça”

linn
Processos artísticos

História Visual: 7 cantoras trans que estão impactando a música brasileira