Ananda Zambi
Fotos: Thiago Lima

Quando queremos assistir a shows, a gente tem a tendência em priorizar as atrações de fora do estado e do país, ou até mesmo tributos. Mas afinal, o que anda acontecendo na cena musical autoral gaúcha? Foi o que o Fellas, evento do Fellas Music Fest, tentou fazer: reunir bandas dos mais variados estilos para embalar uma sábado particularmente gélido em Porto Alegre. Tocaram na noite as bandas Tagua Tagua, Paradise Sessions e Trabalhos Espaciais Manuais e as DJs Mariana Hermel, Sabrina Bastos e Mariana Krüger.

O Fellas Music Fest surgiu em 2015 quando o Opinião, tradicional casa de shows da cidade, parou de produzir uma festa e então liberou os organizadores para fazerem outro evento. Segundo um dos idealizadores, Bruno Nerva, a intenção era somente criar momentos bons com amigos, mas que acabou fortalecendo a cena musical local e profissionalizando as bandas do estado. Já passaram pelo festival bandas como Gelpi e Comunidade Nin-Jitsu.

Fotos: Thiago Lima

A edição do dia 6 de julho aconteceu no Espaço Basement, um galpão personalizado com áreas de convivência, arquibancadas, mini-quadra de esportes e até estúdio de tatuagem. Patrocinado pela Budweiser, ele foi planejado especialmente para a Copa do Mundo no Brasil, em 2014. Um espaço bacana, mas que deixou a desejar na questão, por exemplo, do som. Pelo menos nesse evento.

Para uma noite fria e que competia com dois outros relevantes shows da cena independente brasileira (No mesmo dia, a cidade recebeu os shows de Curumin e Ana Cañas, que já cobrimos), essa edição do Fellas teve um público considerável – aliás, o festival, que já existe há quatro anos, conseguiu conquistar uma fidelização de um público, o que é um desafio para muitos produtores culturais. Porém, parecia que as pessoas ali não sabiam muito bem o que iria acontecer dali para frente.

Depois da DJ Mariana Hermel (vale ressaltar o ponto acertado de só terem tocado DJs mulheres), o Tagua Tagua, projeto que mistura rock, psicodelia e elementos de música eletrônica e brasileira, capitaneado por Felipe Puperi (Wannabe Jalva) e que, em menos de dois anos de vida, já está chegando na Europa e nos Estados Unidos, entrou no palco. Felipe, com sua voz suave e juvenil, cantou “Do Sufoco”, ganhando um charme a mais com um trio de sopros. Em “Na Banguela”, o artista tentou variar um pouco na melodia do refrão, sem sucesso, mas também sem marcar negativamente a apresentação. Um dos pontos altos – além do hit “Preso no amanhã” e da inédita “Peixe voador” –  foi a versão pop-rock de “Estácio, eu e você”, de Luiz Melodia. O Tagua Tagua também tocou as autorais “Desatravessa”, “Rastro de pó” e “Te vi”. Foi uma boa apresentação, mas infelizmente pouquíssimas pessoas estavam prestando atenção e dispostas a conhecer músicas novas. 

Fotos: Thiago Lima

A Paradise Sessions se apresentou depois do set da DJ Sabrina Bastos, e foi, com certeza, a banda que mais animou a galera, talvez por ser a banda mais conhecida e mais pop dentre as atrações, ou até mesmo por ser veterana no festival. Achei que o repertório do conjunto se restringia a um reggae autoral bem produzido, mas para minha surpresa ele entoou também músicas puxadas para o rock. Ao final, a Paradise Sessions fez duas versões de Charlie Brown Jr (“Zóio de Lula” e “Senhor do Tempo”), uma do Natiruts (“Quero ser feliz também”) e uma do Tim Maia (“Você”). 

A última banda a tocar nessa edição do Fellas é uma das melhores revelações da cena local dos últimos anos: a Trabalhos Espaciais Manuais, também chamada de TEM. Também infelizmente, foi uma banda prejudicada pelo horário: já era cerca de três da manhã quando os dez integrantes começaram o show, e, aliado ao frio, quase metade da plateia havia ido embora. Mas quem ficou se deliciou com com uma sempre divertida e interativa apresentação de música instrumental que une jazz, R&B, soul, ritmos latinos e brasileiros.

Entre as músicas, eles tocaram “Manobra de dobra em Urano”, “Noite de amor na Jamaica” e o sucesso “Farofa de banana”, que fez a banda ser selecionada para participar da coletânea John Armstrong presents AfroBeat Brasil, lançada pelo selo londrino BBE. A única coisa de que senti falta foi da grande mistureba sonora  “Cada dia um novo amor” –  sem dúvida, minha preferida deles. No fim do festival, Mariana Krüger assumiu o controle da pick up tocando, como já é comum na noite porto-alegrense, os sucessos do funk. Um evento organizado e com um bom repertório, mas com um público que, apesar de fidelizado, queria se divertir de outras formas. Faltou sintonia.

 

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support